Arquivo de etiquetas: monte

Poente

Gosto do entardecer que é quando o sol tudo oura. O branco do monte parede incendiar. Sei que me repito sempre que nesta terra encontro pouso, mas tal milagre é de endoidar!

Ler mais

Pesqueirinha

Medrou, e de que maneira! Enfezada e pulguenta assim nos chegou com mês e meio, não mais. A mãe havia sido atropelada na estrada e o irmão sem o alimento materno também não sobreviveu. Agarrou-se às saquetas “whiskas” como se […]

Ler mais

Viver no campo!

Não … ainda não vivo, “faço de conta” sempre que posso e sinto-me canhestro em funções tão básicas como a de dar de comer às ovelhas ou espalhar a palha no campo para ajudar ao sustento das éguas, agora que […]

Ler mais

Azular

Não serei original se lhe disser que prefiro o azul entre todas as cores (assim será com a maioria das pessoas), do azul real ao azul púrpura, passando pelo azul céu, e outro ainda de um claro mais claro, quase […]

Ler mais

O Monte da Sempre Noiva

Pois não deu para lá entrar e assim vê-lo de frente, que a propriedade é privada e os senhores estavam em casa a dormir a sesta. É agora dos herdeiros de Arsénio Cordeiro (estudioso e conhecedor do mundo equestre e […]

Ler mais

Mesa posta! E paparoca!

Se me acompanha por aqui sabe como gosto de vestir uma mesa consoante seja para um almoço ou para a janta, seja ao ar livre ou dentro de portas. Desta vez era um jantar de fim Verão, informal, nada que […]

Ler mais

No Monte da Ravasqueira

Um vinho para grandes momentos! Curiosamente, não foi no seu chão que o provei pela primeira vez, mas sim no restaurante da praia da Adraga, em Almoçageme, que volta e meia gosto de lá ir provar do seu peixe, sempre […]

Ler mais

Novos inquilinos

“Matreira, fagueira e lambisqueira” assim era Salta-Pocinhas, a raposeta de Aquilino, cujas aventuras me encantaram em miúdo, sendo que o seu “Malhadinhas” também foi dos meus primeiros livros e talvez por isso cedo me rendi à sua prosa, e muito […]

Ler mais

Alentejo visto do alto!

O passeio estava aprazado há uns dois meses, não imaginava é que teria de me levantar às cinco da matina, logo num sábado, que é dia de preguiçar. Uma hora depois seria o encontro, junto ao monte, para aberto o […]

Ler mais