Férias … sem televisão!

Acho que nunca passei um dia sem que a televisão da casa estivesse ligada quanto mais não fosse para ouvir música, por isso gosto particularmente do canal Mezzo, e saber das notícias. Claro que sigo regularmente uma ou outra novela, pouco pela trama mas sim pelas interpretações (que tenho os meus actores dilectos que procuro sempre acompanhar no que vão fazendo) e gosto de alguns documentários, programas de viagens, de história, debates, sobretudo de política, e de conversas com tempo. O mais é perder-me num atoleimado “zapping” sem que me fixe completamente a coisa alguma e nisso consomem-se horas. Mas desta vez, aproveitando as férias, não hesitei e sem custo algum abdiquei completamente do meu papel de telespectador e não se ligou o televisor, um minuto que fosse, em quinze dias!

Cá no monte passa-se o dia fora de portas em tarefas prosaicas como essa de assentar as almofadas nos bancos de pedra e na cama do jardim, as mesmas que noite após noite são retiradas, não vão os cães tecê-las, que isto os dois mais pequenos (“ratoneros bodegueros”) competem em destruição, e apanhar o cócó dos ditos para que os relvados se mantenham limpos, tudo isto manhã menina que é quando ainda corre uma aragem. Verdade seja dita que neste Verão o tempo não tem estado de abafuras (gosto destas alentejanices!) e ainda bem, que até aos trinta suporto, acima disso não contem comigo. Dão-se umas boas pedaladas dentro de água, para alguma coisa há-de servir a “aquabike” que comprei há uns dois anos, nada-se bastante, apanha-se sol, enquanto é hora de o fazer e não mais que sessenta minutos por dia. E lê-se, lê-se muito, deu para três livros recentemente publicados e que me interessavam: o último de Maria Filomena Mónica (“Os ricos”), o de Luís Costa Ribas, correspondente da SIC em Washington (“Uma vida em directo”), o de Michel Serres, um dos maiores filósofos franceses vivos (“Antes é que era bom!) e já vou a meio de um “calhamaço” adiado, o de Frank Dikötter sobre um dos períodos mais negros da história da Humanidade (“A grande fome de Mao”). Almoça-se à sombra do alpendre, muitas saladas ricas de nutrientes e refrescantes, acompanhadas sempre com vinhos desta terra imensa, que os dá de grande qualidade, brancos, rosés e tintos de mastigar. É a terra, o sol e o trabalho do homem que permitem o prodígio. E há tempo para estar com os amigos à roda de uma conversa franca.

Não deixei de ver e de fazer o que me apetecia entre exposições (Palácio Cadaval- Évora), monumentos e casas com história (Igreja matriz de Arronches, Igreja da Ordem Terceira de Monforte, Catedral de Jerez de la Frontera, Palácio del Virrey Laserna, na mesma cidade, e de o Las Dueñas em Sevilha), passeios (na barragem do Maranhão, que na minha é coisa de brincar) e espectáculos (gala de Arte Equestre com as escolas andaluza e portuguesa, e concerto de abertura do Festival Internacional de Musica de Marvão). E mais ainda de olhar e cheirar esta terra que tanto quis e da qual me sinto cada vez mais filho.

Ao cair da tarde o milagre é de endoidar, ouram-se os campos, as flores exalam inebriantes olores e o chilreio quase ensurdecedor anuncia a noite abençoada pelo luar e pelas estrelas. Não tarda tudo se aquieta, menos a coruja (a hora é dela, dos javalis e das raposas) que, todas as noites, sinto a vaguear nos telhados do monte, pelos seus passos nervosos sobre as curtidas telhas, enquanto escrevo o que tenho partilhado consigo neste blogue. Se o sono não me vencer ainda espreito a Netflix, chegou tarde mas a tempo ao meu quotidiano e quase estou viciado em documentários e séries (foi bom saborear, episódio a episódio, a última temporada de “Downton Abbey”, depois de ter visto, de empreitada, todas as anteriores).

Amanhã há que regressar à Televisão, foi a Vida que quis para mim e que me faz feliz, claro que voltarei a ligar o televisor para me manter a par, nem faria sentido de outro modo sendo esse o meu ofício, mas é nestes momentos que me torno ainda mais selectivo. Como espectador e como cidadão. Há coisas e pessoas que sei, decididamente, não querer na minha Vida!

P.S. – Já me esquecia: em Setembro terei mais semana e meia de remanso. E lá voltarei a encontrar-me!


Livros sugeridos:
“Os ricos” – Maria Filomena Mónica, editado por “A esfera dos Livros”
“Uma vida em directo” – Luís Costa Ribas, editado por “Oficina do Livro”
“Antes é que era bom!” – Michel Serres, editado por “Guerra e Paz”
“A grande fome de Mao” – Frank Dikötter, editado pela “D.Quixote”

Sítios da internet sugeridos:
www.lasduenas.es
www.palaciodelvirreylaserna.com
www.marvaomusic.com

35 comentários a “Férias … sem televisão!

  1. António Carlos Costa Correia

    Caro Manuel Luis
    Parabéns por tudo o que tem feito…eu tenho 62…mas tb estou de bem com isso.
    O que me trás aqui é muito provocatório…mas …adoro relógios…e bons fatos(o meu sogro foi alfaiate)…o meu amigo(desculpe a ousadia de o tratar assim) costuma apresentar um relógio de fundo branco….espantoso!!!! é pá…dasssss oferaça-mo!!!!
    Votos de ….você sabe…tenha uma vida em grande!!!!!
    Abraços do “people” do Pueeeeerto carago!!!
    Faça o favor de ser feliz….mesmo sem a Cris.
    MC
    António Carlos Correia

    Responder
  2. Maria J. G. de S. V. Sirgado

    Amor, carinho, paz, grande serenidada, de um grande coração. Muitas felicidades e saúde e de volta à televisão. Agora….as férias quando serão? Abracinho.

    Responder
  3. Elisabete Canha de Andrade

    Como é possível tantas das suas fotos aportam-me tanta paz e serenidade interna só de olhar para elas?
    Acho que sei! São captadas com o olhar da alma.
    Obrigada, meu querido pela fototerapia.
    Elisabete

    Responder
  4. Carla

    Manuel
    Deliciosas fotos, lindas mesmo!!
    Obrigado pelas dicas dos livros, também li muito nas férias foram devorados 3 livros e outros mais comprados numa feira do livro com preços apetecíveis.
    Livros que li nas férias, A Sonata de Kreutzer de Lev Tolstoi , O Romântico Incurável» de Frank Tallis , As pessoas felizes lêem e bebem café, neste momento estou a ler Memórias do Subterrâneo
    de Fiódor Dostoiévski é um livro que nos leva a questionar muita coisa em nós mesmos, muito bom.

    Gosto de o ver com o seu novo corte de cabelo.

    Abraço
    Carla

    Responder
  5. Maria Ferreira

    Olá Sr Manuel Luis,
    Já o ouvi falar e aqui escrever sobre a Série Downton Abbey e quando pesquiso na Netflix aparece várias séries mas, está não. Confesso que aderi à Netflix por sua causa. Já vi outras que foi falando e adorei mas esta não a encontro! Que devo fazer?
    Pode ajudar esta sua seguidora?
    Beijinhos
    Maria Ferreira

    Responder
  6. Teresa Cunha

    Manuel Luís, sinto-me privilegiada de ser uma das pessoas com com gosta de privar alguns momentos da sua vida partilhando gostos que temos em comum, um deles é o património cultural em geral, e em particular a preocupação que manifesta com o património existente em Monforte.
    Obrigada por dar voz aos meus anseios e inquietações, no que diz respeito à necessidade urgente de colocar os pequenos tesouros escondidos de Monforte à disposição de todos os que nos visitam, mas com dignidade, para isso ainda existe um longo caminho a percorrer, ultrapassar algumas barreiras que parecem ser intransponíveis…

    Beijinho desta sua amiga,
    Teresa Cunha

    Responder
  7. Marco Braga

    Deviam ser umas férias muito lindas em paz com a natureza e os seus animais e no seu monte ke pelas fotos viver aí e um paraíso continue assim a pornos essas fotos lindas

    Responder
  8. ROSÂNGELA

    É.UM.SENHOR.COM.MUITA.CLASSE.HUMILDE.EDUCADO.CAVALHEIRO.DIGNIDADE.E.O.MELHOR.APRESENTADOR.DA.T.V.I.COM.OS.MEUS.CUMPRIMENTOS.E.MUITA.SAUDE

    Responder
  9. Elsa Teixeira

    Obrigada pela partilha. Um grande Senhor,com uma elegância única tanto no que veste como no que diz. Maravilhoso, obrigada por fazer companhia logo pela manhã em muitos lares onde apenas reina a solidão, solidao essa quebrada pela boa disposição do Manuel e da Cristina, dupla incrível. Gosto de tudo no Manuel, á pessoas que têm a tal estrelinha o Manuel é uma delas. Beijinhos e seja sempre assim feliz

    Responder
  10. Maria de Fátima Pereira Mesquita

    MLG: QUE FELICIDADE TAMANHA! O SEU OLHAR DIZ TUDO. QUE MARAVILHA. MERECE TUDO É MAIS UMA VEZ MUITO OBRIGADA PELA PARTILHA. E AS FOTOS ? JÁ SABE QUE ADORO TODAS MAS… AS DOS CÃES, MEU DEUS! QUE ABENÇOADAS FOTOS!!!!

    Responder
  11. Luísa Mariana

    Já o admirava mas, desde que tomei conhecimento do que gosta do NOSSO ALENTEJO ao destinar os seus tempos de descanso lá ,muito me agrada. Antigamente os alentejanos eram só para anedotas mas não somos só isso, somos trabalhadores, amáveis, amigos dos n/ amigos, gostamos de saber servir e muito mais, como já teve tempo para ver. Apaixonou-se por um sítio lindo e desejo-lhe muitos anos de vida para si e para o Rui, para desfrutar o nosso Alentejo. Eu nasci em Valongo, pertence ao concelho de Avis, mas ao 6 anos fui para Ponte de Sôr, hoje é linda cidade, onde estudei e agora vivo em Lisboa.

    Responder
  12. Carolina

    Obrigada por partilhar.
    Até para nascer é preciso ter sorte…digo isto pela sorte que os seus animais tiveram em ter um dono como o Manuel Luis
    Agora toca a trabalhar para ter todas as manhãs a sua companhia

    Responder
  13. Pedro Gonçalves

    Olá Manuel Luís, sou o Pedro tenho 14 anos e admiro muito o seu trabalho . Gostaria de conhecê-lo pessoalmente e também de ver os estúdios da tvi . Penso que me pode ajudar. Aguardo o seu Feedback . Agradeço desde já a sua atenção. Um abraço
    Pedro Miguel

    Responder
  14. Manuela Fernandes

    As férias são algo que quem trabalha como o Manuel tem todo o direito, gosto muito do seu trabalho, tenho pena que pessoas como o Manuel não façam parte da política deste país, não tenho dúvidas que seria honesto e correto com todos, e quem sabe não seria possível que todos se portugueses teriam direito à sua dignidade, desculpa falar destas coisas sérias, é uma grande vontade de dizer chega de falta de respeito por quem trabalha e paga imposto, tenho fé que pessoas como o Manuel divulguem as maldades que fazem a este país a aos portugueses, muita saúde e muita paz e já agorauito trabalho que tão bem faz, um abraço.

    Responder
  15. Lucília

    Que vida agradável….simples…mas ao menos tempo difícil visto nem todos nós pudemos fazer o mesmo.
    Aproveite… também gosto imenso do Alentejo… planícies sossegadas…parece que o tempo dura mais aí…..
    Gosto imenso de ler os seus pensamentos e ver as suas fotos….
    Adoro os seus cães como também adoro os meus…

    Responder
  16. Ivone

    Como eu o compreendo! É uma dádiva poder morar num sítio assim, só a natureza, os animais e aqueles que amamos! Seja feliz! Admiro o muito! Beijinhos

    Responder
  17. For Crisanto

    Fotos tão Lindas Amo Muito bom gosto e esses Animais Amo são uns sortudos com um Dono como o Manel posso chamar assimcom Respeito pois sou um Bocadinho mais velha mas acho que também não estou mal para a idade tirando a tristeza isso é que nunca mais vai ser como era Beijinhos e desculpe o desabafo muita Sorte para voçes ❤️❤️Beijs

    Responder
  18. Ana Quintas

    Boa noite!!!! Obrigada pela pessoa que é!!! Quanto mais o tempo passa, mais gosto de si!!!! Dá forma de ser e de estar na vida!!!! Obrigada!!!!! Bem haja!!!

    Responder
  19. Elisabete Gomes

    Gosto muito de si! É engraçado como nos ligamos as pessoas assim… do nada e do muito que nos dão! Obrigado! Merecidas férias!

    Responder
  20. Sidalina Gonçalves

    Adorei tudo o que li e a forma que está escrito.Obrigada Manuel Luís gosto muito do Alentejo porque me faz recordar a imensidão de Moçambique de onde regressei a 10 anos. Gosto muito quer do Manuel Luís quer da Cristina.Um grande abraço com carinho para vocês os dois e sejam muito felizes.

    Responder
  21. Margarida Maria Pereira do Brito Canário

    Que bem me fez esta leitura. Parece que também eu estive de férias e exactamente nos mesmos locais, de tão bem que os descreve. No monte “estive de certeza” 😉
    São um casal lindo e em tudo espelham a felicidade que os une. Os cães, claro, são família. Adoro, adoro tudo!! Muitos, muitos anos de saúde, felicidade e paixão.
    Um beijinho para o Manuel e outro para o Rui.
    Margarida

    Responder
  22. Maria

    Férias maravilhosas!!! Que bom. Para Setembro há mais. Bom regresso ao trabalho, que já tenho saudades do Manelinho!!! Também ficou bem entregue, à Cristininha. Os dois são um espetáculo .
    Beijinhos e até Segunda
    Maria Oliveira

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *