Um abraço do “tio”!

Chega amanhã ao fim mais uma edição do MasterChef, o maior programa televisivo de culinária de todo o mundo. Foi a minha quarta edição em que, ao lado dos chefes Rui Paula e Miguel Rocha Vieira, e assim tem sido desde o primeiro minuto, avaliei a prestação de dezoito concorrentes escolhidos depois de uma série de provas a que se submeteram, entre centenas de outros aspirantes, antes de entrarem na cozinha onde tudo acontece. Redigo que, entre adultos e jovens, a modalidade que prefiro é esta em que assumo a personagem de “tio” cúmplice, mas exigente, procurando sempre ser justo. Ao longo de dez programas, que se traduziram na realidade em trinta dias de gravação, pudemos viver muitos momentos desafiantes e divertidos. Trabalhar com jovens concorrentes, sendo que nesta série a média etária era particularmente baixa, permite criar um ambiente que proporciona a descontração, a brincadeira, a espontaneidade, independentemente da exigência do horário de gravações e do que se espera de cada concorrente. As lágrimas, que nos tocam no momento de cada “expulsão”, emoção partilhada em casa por si enquanto espectador, são reflexo do que cada um sente ao perceber que a aventura e o desafio ficam por ali, mas, acima de tudo, devem-se aos laços de amizade que durante aqueles meses começaram a tecer-se e que não têm de terminar assim. As gravações já decorreram há um ano e não deixa de ser interessante e estimulante perceber que estes jovens mantêm o contacto entre eles e alimentam o afecto que então nasceu. Têm todos a Vida pela frente e não faltarão oportunidades para definirem o seu caminho para a felicidade, espero porém que esta aventura televisiva, que tive o privilégio de cumpliciar, tenha ficado na memória, de cada um, como mágica, intensa e até pedagógica. Ali mostraram o seu melhor!

Há dez anos, junto com Júlia Pinheiro, iniciava-me na apresentação de um programa de talentos, “Uma Canção para mim” (até agora a melhor recordação do meu caminho, como profissional), revelando jovens vozes que arrebataram o país. Muitas delas estão aí, constituindo a novíssima geração de fadistas e cantores (Miguel Guerreiro, David Gomes, Pedro Ferreira, Beatriz Felizardo, Beatriz Costa, Bárbara Bandeira…). Quem sabe se nos concorrentes, desta ou da anterior edição de MasterChef Júnior, não estarão alguns dos futuros grandes chefs. Por ora, importa é que continuem a crescer e a formar-se, felizes. Para eles o meu obrigado por me terem deixado brincar. Para eles um abraço do “tio”!

2 comentários a “Um abraço do “tio”!

  1. Paulinha Velez

    MLG
    Adoro o Masterchef não só pela competição mas porque no fim há aquela parte que nos comove..a decisão de quem fica e quem vai.A parte mais importante para mim,pois quando as lágrimas rolam pela cara( eu faço questão de ser solidária e choro..sempre) estão a aprender a lidar com os NÃOS da vida…e para mim quem não sabe perder,jamais saberá ganhar…
    Parabéns esteve impecável,com os chefs.. para mim o verdadeiro Masterchef é o Américo …mas todos sao vencedores estiveram na final .
    Beijss

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *