Hotel Marqués de Riscal – Desenho, arte e vinho

Despertei relativamente tarde para os hotéis vínicos, mas em boa hora o fiz, que às unidades hoteleiras de excepção, pelo menos as que vou conhecendo dentro e fora do país, juntam-se paisagens únicas, onde as vinhas definem o seu perfil e personalidade.

Elciego, no país basco, viu os seus dias animarem-se em 2006, quando Frank Gehry, celebrado criador de algumas obras icónicas da arquitectura moderna, ali fez inaugurar um impressionante hotel em ruptura com as formas clássicas, de paredes inclinadas, janelas ziguezagueantes, tectos altos e fachada ondulada em titânio e aço, onde o sol se reflete em matizes de rosa (tal como o vinho Marqués de Riscal), ouro (tal qual a malha que aconchega a garrafa) e prata (como as cápsulas que vestem o gargalo). Uma obra-prima a fazer lembrar outra das suas, se bem que o próprio negue que ela seja uma miniatura do Guggenheim de Bilbau, antes uma evolução no estilo. Qui-lo que surgisse da terra como uma videira e que se apresentasse exuberante e festivo já que vinho é prazer!

Hotel Marqués de Riscal
Elciego
Espanha
www.starwoodhotels.com

2 comentários a “Hotel Marqués de Riscal – Desenho, arte e vinho

  1. Carla

    Manuel
    Há pouco tempo visitei a quinta da Bacalhoa como o palácio com prova de vinhos incluída, a visita foi guiada e foi explicada a sua história, vale a pena visitar.
    Vejo demasiado metal no meio do campo , é original tem arte mas parece-me um pouco perdido no espaço que se insere, ao vivo pode ter outra beleza disso não tenho dúvidas.

    Obrigado por partilhar por dar a conhecer novos mundos.

    Noutro dia ouviu-o dizer que gosta de pessoas sem filtros, ainda as há mas poucas. As máscaras são colocadas conforme convém, é saber escolher a persona que se adapta ao momento. Nós somos muitos.

    Abraço
    Carla

    Responder
  2. Transmontana

    Nascida e criada numa terra de bons vinhos, filha de um pequeno proprietário agrícola cuja principal ocupação era cultivar as vinhas que possuía, não aprecio, nem gosto de vinho, mas adoro a maneira como o Manuel Luís descreve tudo o que vê e aprecia.
    Não tem uma postagem que eu não leia, pelo menos, duas vezes. Encanta-me a sua maneira de descrever, com sabedoria, tudo o que merece a sua atenção. Parabéns pelo requinte dos seus gostos e pela maneira como no-los dá a conhecer!

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *