Poejo a crescer!

poejo1

Deixei de o ver por duas semanas e já lhe noto diferença. O Poejo cresce a olhos vistos. Há-de ser latagão, porém sóbrio e calmo, se bem que por ora e enquanto bota corpo vá fazendo das suas, entre roeduras e escavações (haja paciência!). Há-de ser um excelente guarda, que essa é função de todo o Rafeiro do Alentejo, sendo um cão de defesa e não de ataque. Vejo pela Dolly que, não sendo pura, tem muito da raça pelo que mostra em carácter. Afável, exibindo o sorriso na ponta da cauda sempre que vê quem lhe é familiar, é firme perante qualquer estranheza. Se preguiça durante o dia, como que para suportar as inclemências estivais, à noite sinto-a permanentemente alerta e ágil na sua inata aptidão de zeladora. Assim será também o Poejo, nas suas funções de guardaria e vigilância, mas por enquanto, cachorro que é, tem mais é que cabriolar e descobrir, aos poucos, que fora muros há um rebanho (e já vai em noventa e seis ovelhas) que também há-de ser seu e horizontes largos.

poejo2

poejo3

poejo4

poejo5

poejo6

Para saber mais sobre esta raça procure em Centro de Reprodução do Rafeiro do Alentejo, em Monforte.

16 comentários a “Poejo a crescer!

  1. Marta Coelho

    Muito boa noite Manuel Luís Goucha!

    Desconhecia por completo esta raça até à bem pouco tempo. Cá no norte esta raça é rara, digamos.
    São cães formidáveis, grandes, enormes, com um pelo lindo. Muito fiéis, meigos mas sempre atentos.
    De certeza que o Poejo será um cãozinho lindo e crescerá no melhor ambiente possível, livre, à vontade.
    Os animais são mesmo próximos dos humanos, especialmente os cães.
    Desejo o melhor ao Poejo, e a todos os seus animais de estimação.

    Abraço e um beijinho.

    Responder
  2. Carla

    Manuel
    Como ha crescido Poejo, está precioso me ha encantado ver tus mascotas, se veen muy amigos eh
    Que regallo para la vista tus fotos, tu jardin tan verdejal, tus ovejas, me encanta todo de verdad.
    Mi abuelo ha sido siempre pastor de oviejas, empezo a guardálas con 8 años un niño, ha tenido una vida dura, pero ha tenido una gran compañera mi abuela que lo ha ayudado siempre en su labor.

    Não o vi em alta definição, mas a entrevista fez-me ver/ouvir o homem despido de pudor, onde os sentimentos afloraram, as palavras tocaram fizeram eco a quem as ouviu. Gostei muito, a genuínidade com que falou, as palavras sobre a sua mãe, o entendimento sobre ela, e a sua vida.
    No seu intimo é um homem de afectos, de relação com outro, bem resolvido, isso vê-se na filósofia de vida que adoptou. Sabe que nós podemos ter a capacidade de mudar/transformar o outro para melhor, não tarefa fácil mas possível.
    O Manuel faz isso todos os dias, o seu livre-arbítrio é contagiante.
    Continue assim, só isso.

    Coimbra de Matos diz +- isto.
    Chorar não são debilidades, mas sentimentos. Os afectos são para se viverem.

    Abraço ao 2
    Carla

    Responder
  3. Maria Sousa

    Boa Tarde Sr. Manuel

    Também adoro o Poejo, está lindo, dá vontade de o apertar até ele ganir, larga-me!!!!

    Faz-me lembrar o meu “pimpolhinho” que infelizmente já faleceu.

    Um abraço e muitas felicidades pela vida fora

    Maria

    Responder
  4. Maria da Graça Martins

    Manel, sinto-me feliz por si. Desejo-lhe o melhor, tal como desejo para mim e para os meus. Quanto ao seu Poejo e à Dolly, que dizer? São umas fofuras. Eu tb tenho fofuras mas mais velhotes e rafeirotes, mas não os troco por nada. Bjnho .

    Responder
  5. Maria Clara Mata

    Está muito engraçado o Poejo. A felicidade está patente até como escreve. O monte em Monforte, foi uma benção para si Manel. Bjs Maria Clara Mata

    Responder
  6. Paulinha Velez

    MLG,,
    Esse Poejo é lindo….e junto com a Dolly que parece mãe dele…maravilhoso
    e realmente o que cresceu …mas continua a parecer um bonequinho de peluche….que apetece apertar
    Deve saber a pouco estes dias com ele…bem o Manuel Luis diz que no alentejo o tempo é maior….ainda bem,
    mais tempo tem para estar com ele !!!
    um abraço!

    Responder
  7. Antonia Ramalho

    Ola Manel, os seus “amigos patudos” são muito bonitos. Adoro Rafeiros alentejanos , Labradores, tenho uma, e São Bernardos. Beijinho e sorte para os seus

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *