A minha mesa de fim-de-ano

foto1
Preparei-a como mesa de fim-de-ano, mas bem que a poderia ter usado tal e qual para um outro jantar qualquer, dado que não exibe ornamento algum que seja propriamente exclusivo da quadra natalícia.

foto2
Primeiro vesti a mesa. Não gosto de sentir a dureza da madeira, quando pouso o copo ou apoio os braços. Para tal usei um resguardo almofadado, que facilmente se encontra em qualquer armazém de tecidos.

Depois foi escolher a toalha, para a partir das suas cores jogar com os elementos necessários à refeição, entre marcadores, pratos, talheres e copos. Muitas das toalhas cá de casa são feitas a partir de tecidos que se compram a metro, e à primeira vista indicados para outras funções. Podia ser um cortinado ou um lençol. Escolhi esta, florida, a azul e branco, por achar que são duas cores que combinam bem. Azul cor de todas as ideias, cor da simpatia e da harmonia com o branco, simbolicamente a mais perfeita das cores.

foto3
Para marcadores lembrei-me de uns brancos que nunca havia usado, em renda engomada, da “Zara Home”, e que estavam guardados há um ror de tempo. Perfeitos para receberem o serviço de pratos, azuis com um subtil filete dourado, da “Vista Alegre”, para aí com uns vinte anos.

foto4
Mantive o azul nos copos da água, do “Depósito da Marinha Grande” (fui comprando ao longo dos anos, em várias cores) e nos de vinho tinto, esses sim, delicados na sua lapidagem, e por isso guardados apenas para certas ocasiões. É que de doze já só resta metade. As flutes são em vidro transparente para contrastar com o restante da coparia.

foto5
Vidro e mais vidro no centro da mesa, num tabuleiro cheio de copos banais, de vários tamanhos, fazendo aqui as vezes de castiçais e uma jarra que pouco importa como é ou deixa de ser, que a ideia era segurar um simples arranjo de galhos do jardim, pintalgados de dourado com umas quantas flores artificiais. Este ano usei bastante elementos naturais, como os galhos, como que ligando as várias festividades, desde a decoração do pinheiro natalino a esta mesa de fim-de-ano, passando pela da consoada. Para garantir as doze passas que há que comer ao bater da meia-noite, usei as bases de umas manteigueiras, também azuis, uma por pessoa (também não tinha mais se fossemos quatro!) e coloquei-as junto a cada conjunto de copos. Os talheres são ingleses, da “Mappin & Webb”, casa fundada em 1775, fornecedora da corte desde os tempos da rainha Vitória. Guardanapos em linho branco, presos com argolas da mesma cor, e parece-me que é tudo.

A ideia é usar coisas e loisas, por vezes esquecidas e por isso sem terem uso, deixando ainda margem para o improviso. E não importa se desirmanadas, que a mistura pode resultar bem divertida.

foto6

foto7

22 comentários a “A minha mesa de fim-de-ano

  1. sandra barreira

    Manuel Luís Goucha, passei por cá só para lhe dizer que tem um blogue magnifico de um gosto e requinte fabuloso, adorei, vou visita-lo mais vezes.
    Parbéns

    Responder
  2. Maria Sidonia Assis de Moura Ferreira Araujo

    Manuel Luis.
    Feliz Ano Novo.
    Adorei a decoraçāo em tons de azuis.
    Obrigada Manel considero o um amigo.
    Maria Sidonia Araujo (Sissi)

    Responder
  3. Madalena Ferreira

    Olá MLG,

    Gostei da ideia , tem muito bom gosto – está no seu ADN!!!

    Obrigado por mais esta partilha e desejo um bom 2016!

    Um abraço,

    Responder
  4. Teresa martins

    Ainda bem ke já partilham um pouco da vossa intimidade, assim temos acesso a um mundo lindo mas inatingível. Gouxa obrigada por existires 🙂

    Responder
  5. Maria João Mendes

    Adorei a decoração da sua messa, bom ano com muita saúde e alegria. que a vida lhe reserve tudo de bom. obrigada por a sua alegria. beijinhos. aqui da Suíça mais propriamente de Courtepin.

    Responder
  6. Paulinha Velez

    Bom Ano NOVO
    Desejo para si e para todos os seus…um Ano como deseja e merece!!! Linda mesa,nem podia ser de outra forma tão magnifica!!!!
    Felicidade é o que leio nas suas palvras,,,desejo lhe muitas ,,muitas

    Até breve

    Responder
  7. maria isaura p. b. teixeira

    Vindo de quem vem com um gosto sublime não podia ser de outra maneira, BELEZA,simplicidade e muito BOM GOSTO!!! PARABÉNS

    Responder
  8. Berta Veiga

    Eu gosto da mesa.Simples e ao mesmo tempo cheia de glamour como é seu costume. Imagino esta mesa colocada em minha casa e para 11 ou 12 pessoas em que só velhos são 4 e onde o cuidado em manusear garfos,facas e copos já não é o mesmo.E a juntar a isso,a minha maravilhosa Estrelinha que tem tanto de maravilhosa como de desastrada. 🙂 Bom ano e um beijo grande

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *