Ó pobreza

joanmiro1

Apetece-me opinar sobre a venda por atacado de uma colecção de oitenta e cinco obras de Joan Miró em posse do Estado pela sua intervenção no BPN, por entender que tal atitude só reforça a ideia que tenho que a cultura continua a ser cousa de somenos para quem nos governa. Estamos a falar de um conjunto de obras que reflectem sete décadas de vida e talento de um dos grandes mestres da pintura do século XX, que nos pertence a partir do momento em que fomos nós a pagar o resgate do banco. Alienar este património é alienar a maior riqueza de um país: a cultura. As obras de Miró deveriam  ser integradas num dos nossos museus de arte contemporânea para fruição de todos os portugueses interessados e de quantos nos visitam. Sendo Portugal um dos actuais destinos europeus mais em voga em todo o Mundo, esta seria, por certo, uma mais valia na oferta cultural, só por si  dinamizadora de receitas e outros proventos. Mas não… vinga a indigência cultural, que o que importa mesmo é que se encaixem uns quantos milhões (trinta e cinco espera o Estado) mesmo que estes não paguem sequer uma percentagem de monta do buraco criado pela nacionalização do BPN. Haja é coragem política para arrumar a casa…

12 comentários a “Ó pobreza

  1. Joana Carvalho

    Eu concordo plenamente consigo. Soube desta notícia por si e como é óbvio com uma grande revolta. Reliquías vendidas para aliviar as relíquias antigas de outros….

    Responder
  2. Lúcia Salvador

    Acho que deviam aproveitar as obras para expor de preferência pelo país todo e dar uso a tantas “casas das artes” que se construíram! Assim toda a gente tinha facilidade em visitar! Seria sucesso garantido.

    Responder
  3. RAQUEL SILVA

    Mais uma vez os meus parabéns pelo seu comentário, quase todos nós nos revoltamos com tanta ignorância, vender esta obra é como vender alma ao diabo, este assunto devia ser debatido num programa da TV, com tantos debates sobre o futebol, ficávamos todos a ganhar sempre se aprendia algo.
    Obrigada.

    Responder
  4. david costa

    Quando um país chega ao ponto de não ter um ministério da cultura é porque alguma coisa está muito mal. E logo nós que temos um tipo de música e de teatro que é nosso. É realmente triste e lamentável.

    Responder
  5. Gertrudes da Luz Lopes Ferra

    Nao podia estar mais de acordo.Estes governantes vendem tudo.E nao estando satisfeitos roubom -nos tudo.Eu pensava de ter uma velhice tranquila com o meu marido.Enganamos-nos vamos ter uma velhice de miséria.Aliás já estamos a ter.Nao consigo escrever mais porque estou até a ficar nervosa.Obrigada por nao ter medo de opinar.Um abraço .Gertrudes

    Responder
  6. Maria Elisa

    Manuel Luís! De inteiro acordo com a sua opinião e digo,realmente uma pobreza que se trate a cultura desta maneira tão pacóvia,e enquanto a cultura de um povo é assim tão maltratada,vamos continuar a ver disto.
    Beijinhos e sucessos

    Responder
  7. Emanuel Pereira

    Parabéns Manuel Luís,
    Concordo em pleno com o seu artigo e acrescento mais qualquer coisinha, que me ensinou um mestre cá dos Açores, quando ainda dava os meus primeiros passos no jornalismo, o maior problema de quem nos Governa é crerem que a cultura é aquilo que têm na cabeça ‘soltura’ e tá tudo dito.
    Já agora aproveito para dar-lhe os meus verdadeiros e sinceros parabéns pelo seu blog, que acompanho sempre, pena é não termos no governo pessoas tão cultas como você!
    Um abraço

    Emanuel Pereira

    Responder
  8. Marya Lourenzo

    Gostei do comentário. É mais uma das muitas coisas que “morrem” subjugadas pelo vil metal. Como somos mesquinhos e ignorantes no esbanjamento do que nos pode tornar mais ricos moral e socialmente. A impotência de não poder fazer nada, sufoca-me. Temos pelo menos o direito à indignação.

    Responder
  9. Diana

    Não podia estar mais de acordo.

    Opiniões como as do Manuel deviam estar em horário nobre e em debate com outras grandes mentes deste País. É necessário alertar e educar neste sentido. A cultura deste país não é só futebol…

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *