História de um casaco

IMG_1281

Falar de um casaco só por si pode parecer coisa fútil, se bem que eu entenda a moda sempre de outro jeito, mas, por certo, deixará de o ser se por via dele eu aproveitar para aqui lembrar um homem, prematuramente desaparecido, que tive o privilégio de conhecer, e que soube impor com engenho e criatividade a moda portuguesa para homem. em mercados tão difíceis como o italiano e o inglês.

Convém é começar pelo inicio, quando eu tinha a mania saloia de comprar gravatas só em Paris, e na “Kenzo”, e ai de quem me dissesse que por cá também se faziam com igual qualidade e originalidade ou mais ainda. Mas tudo mudou no dia em que levei  ao “Praça da Alegria” aquele que era considerado pela imprensa de moda estrangeira como um dos melhores gravateiros a nível mundial: Pinho Vieira. Ao aperceber-me da paixão com que falava das suas criações e do rigor da sua confecção, quis conhecer mais do seu trabalho e por isso
visitei-o, uma primeira vez, na fábrica da marca VICRI que havia criado em 1986, na rua Pedro Hispano, no Porto, para assim entrar no seu mundo.

Foi a primeira de inúmeras vezes, que logo me rendi ao vanguardismo do seu trabalho em gravatas, camisas e fatos. Tornei-me cliente fiel da marca, pelo que ela propunha de diferente e ousado, sabendo que em peça alguma nada havia sido deixado ao acaso. Pinho Vieira criava e
controlava tudo (menos as contas, é certo, que a empresa esteve à beira da falência, tais os desvarios do artista, mas isso são “outros quinhentos), até se necessário a trama do tecido de uma gravata se a quisesse especial. Para o rei da Jordânia chegou a criar uma em fio de ouro, mas muitas outras figuras, da política, como Bill Clinton, Tony Blair, Juan Carlos, ou do espectáculo, como Hugh Grant e Robbie Williams, usavam peças suas. Claro que nem todas feéricas, nos seus estampados e nas misturas inéditas de materiais que conseguia, mas
sempre com um toque que marcava a diferença fosse a nível do forro, das costuras ou de outros pormenores. As peças eram pensadas para durar e definir a personalidade de quem as vestia. A marca VICRI colou-se-me à pele e inscreveu-se para sempre na minha identidade. Sou
dos que acha que Pinho Viera era grande demais para um país tão pequeno. Talvez por isso nunca  se lhe tenha dado, por cá, a devida importância. Fadário esse de quem se destaca, por mérito, da mediocridade e da cinzentez.

IMG_1287IMG_1278IMG_1286

Este casaco de veludo, bordado a fio branco, terá, pelo menos, dez anos e usei-o pela primeira vez no programa “Canta por mim”, quando me atrevi a cantarolar ao lado de Rita Guerra, por uma boa causa. Lembro-me que na altura foi falado, pelo impacto que produziu.
Ainda agora que voltei a usá-lo, no programa da manhã, numa versão mais descontraída, com jeans pretos e colete da mesma cor, foi de novo gabado. “Peças para durar e marcar pela ousadia e criatividade”, seria o lema de Pinho Vieira. Certo é que deste nunca me desfiz, porque
quando o comprei foi se tivesse adquirido uma jóia, tal a delicadeza que lhe encontro. Em cada um dos seus pormenores há uma vida que não apago.

casaco1 casaco2 casaco3

 

15 comentários a “História de um casaco

  1. António Quaresma

    Sobre casacos coloridos:
    https://www.google.pt/search?q=michael+portillo&source=lnms&tbm=isch&sa=X&ved=0ahUKEwidrPeKgcjKAhVEthQKHXjdCqsQ_AUIBygB&biw=1220&bih=657#tbm=isch&q=michael+portillo+jackets

    Michael Denzil Xavier Portillo (nascido em 26 de maio de 1953 ) é um jornalista e ex- membro do Parlamento britânico , vice-líder do Partido Conservador e ex-ministro . Portillo foi eleito pela primeira vez para a Câmara dos Comuns, em uma eleição em 1984 ; um forte admirador de Margaret Thatcher, e um eurocéptico , Portillo serviu como ministro júnior tanto sob Thatcher e John Major, antes de entrar no gabinete em 1992.

    Portillo tem-se destacado numa série de documentários de televisão , incluindo um sobre Richard Wagner, de cuja música ele é um fã , e dois em Espanha (ele é fluente em espanhol e detém a dupla nacionalidade , espanhola bem como a britânica ), Great Railway Journeys, partir de Granada a Salamanca para a BBC Two.

    Desculpe tanta informação, mas não queria mesmo que deixasse de saber quem é Michael Portillo. É uma pessoa muito interessante, culta, excelente comunicador e também conhecido pelos seus casacos e camisas de corres garridas.

    https://en.wikipedia.org/wiki/Michael_Portillo

    Responder
  2. Oscar Tavares

    “Sou dos que acha que Pinho Viera era grande demais para um país tão pequeno.” é mau português e representa um erro recorrente no seu discurso. Neste caso deveria escrever “sou dos que acham…”

    Responder
  3. Gertrudes da Luz Ferra

    Boa tarde senhor Manuel Luís. Queria pedir um favor ao senhor . Eu sou a senhora que a D. Jô Caneças falou dos desenhos de bordados que mandou ao Claudio Ramos. Como eu vou ao blog do Claudio e não sei praticamente nada de computadores expus o que queria e ele fez o favor de encaminhar o meu e-mail coisa que eu não sei reencaminhar á senhora D. JÔ CANEÇAS . Até hoje não recebi nada mas a senhora no seu programa falou em mim Agradeço muito á senhora. Mas o que eu queria pedir ao Manuel LUIS era se podesse me dar o e-mail da dita senhora para eu poder-lhe agradecer e dizer também que não recebi os desnhos. Manuel Luís faça-me esse favor ficava-lhe muito grata. Muito obrigada um abraço. Desculpe de utilizar este seu espaço para este fim . Desculpe. Gertrudes

    Responder
  4. Carla

    Manuel
    Muito bonito o casaco, gosto como veste a meu ver, prima pela elegância bom gosto.
    Que sorte, passados 10 anos o casaco assenta-lhe que nem uma luva!
    Viver num país pequeno, não quer dizer que sejamos pequenos em tudo, pena que internacionalmente pensem assim.
    António Variações viveu à frente da sua época, desde as canções à sua maneira de vestir, foi criticado por muitos, só postumo e passados anos a sua criatividade foi reconhecida, que é pena.
    Cabe a nós portugueses, reconhecer os nossos, fazer expandir o que há de bom em Portugal.
    O Manuel faz isso.

    Nb- Quando fui almoçar ontem, cheguei a tempo de o ver, fiquei chocada com as imagens dos maus tratos aos animais. Gente descerebrada!!

    besito
    Carla

    Responder
  5. Pedro Serrenho

    Olá, boa noite Manuel Luís Goucha. É de admirar (ou não), de um jovem como eu, gostar tanto da sua pessoa, quer a nível profissional, que o é um grande apresentador, se nao o melhor de Portugal, como da sua maneira de ser fora do seu local profissional no qual nos mostra através de textos e fotos muito interessantes. Quem sabe um dia o puder conhecer pessoalmente, pessoa que admiro muito. Parabéns pelo que é e por tudo o que transmite. E ja agora, a sua maneira de vestir, para muitos é escandalosa mas a verdade é que muitas pessoas não o fazem por medo de se sentirem “ridículas” aos olhos da sociedade. Abraço

    Responder
    1. MLG

      Obrigado Pedro pelo seu comentário.
      É claro que vou continuar a ser como sou e quero ser e não como os outros querem que eu seja. E isso vale para tudo! Um abraço

      Responder
  6. Raquel Silva

    Tem muitos casacos e todos diferentes ” são os casacos do Manel”, lindos.
    Mas este é realmente uma maravilha, estava lá e bem pude apreciar.
    Numa das suas viagens se o levar a lugar próprio, ficaram pasmos com a sua orginalidade, com o já famoso
    capote.
    Beijinho.

    Responder
  7. Angelina de Fátima

    Um SENHOR de muitíssimo bom gosto.
    Sabe “estar” em todas as ocasiões.
    Obrigado MLG pelo que me ensina e transmite.
    Um beijinho muito grande.

    Responder
  8. Paulinha Velez

    MLG

    eu tive a sorte de o ver ao vivo e a cores ,,neste caso a preto e branco, e ainda lhe toquei com um dedinho…apenas..lindo ,as fotos não transmitem a suavidade do veludo, e o bordado é muito bem feito.. obrigado pela história partilhada,que só valoriza ainda mais o casaco

    um abraço

    Paulinha Velez

    Responder
    1. Alice Lopes (Bandida)

      E foi mesmo só com um dedinho… 😀 😀 porque eu arruinei todas as hipóteses de tocares com os outros dedos… iiiiiiiiii iiiiiiiiiiiiiiiii

      Responder
  9. Alice Lopes

    Lembro-me tão bem deste casaco :)
    O casaco é uma obra de arte. O dono é uma jóia de delicadeza extrema.
    E eu que tive o privilégio e a felicidade de “abraçar” este casaco!
    E foi tão bom. <3

    Responder

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *