Os últimos cartuchos

foto1

foto2

No último dia em Turim ainda deu para antever o que deveria ser uma visita de, pelo menos, dois dias, ao palácio da Venaria Reale, a onze quilómetros do centro da cidade, tanto é o que nos oferece, entre a residência, propriamente dita, a igreja de Santo Humberto, os jardins e as exposições, algumas temporárias, que alberga. Em quatro horas, fiquei-me pela grande galeria, o elemento mais espectacular de todo o conjunto, e pelos jardins, que se tudo o mais posso ver numa próxima vez, o que eu não poderia perder era uma exposição única, e a dar as últimas, de algumas das obras-primas de Rafael, um dos três grandes mestres do Renascimento italiano. Aliás foi o facto de ver, por toda a cidade de Turim, informações publicitando a exposição, que me levou a incluí-la no meu roteiro e sem que desconfiasse da imponência do local. Também não é para menos, trata-se, provavelmente, da maior residência da Casa de Sabóia, no Piemonte.

foto3

foto4

foto5

A galeria impressiona pela grandeza das suas dimensões (oitenta metros de comprimento, por doze de largura e quinze de altura), pela sumptuosa decoração em estuques, cornichas e pilastras, e pelo jogo de luz/sombra que quarenta e quatro janelas e vinte e dois “olhos-de-boi”, proporcionam.

foto6

foto7

foto8

foto9

foto10

foto11

foto12

No contexto dos grandes jardins reais europeus, passear nestes pode revelar-se uma experiência única. Dado que haviam sido destruídos durante as invasões napoleónicas, trata-se de um notável e complexo trabalho de recuperação, recentemente concluído, segundo os desenhos originais dos séculos XVII e XVIII, que conseguiu conciliar, com virtuosismo, elementos históricos, alguns arqueológicos, e obras contemporâneas, num diálogo permanente entre o antigo e o moderno. Nos meses de grande afluência de visitantes, que não neste de Janeiro, o meu preferido para tudo ver sem pressas e parceiros, pode-se passear de gôndola nos tanques e canais, andar de trem, assistir aos mais diversos espectáculos musicais, nomeadamente aos jogos de água e som, entre muitas outras atracções.

foto13

foto14

foto15

Deu ainda para espreitar as cavalariças reais, não pelas carruagens, que é impossível encontrar outro acervo como o que o nosso Museu dos Coches exibe, mas pelo “Bucintoro” (bucentauro) a embarcação que Victor Manuel II fez construir em Veneza e que hoje se revela com o único exemplar original conservado, em todo o Mundo.

Notas à margem de uma viagem a Turim, a primeira capital de Itália, antes de Florença e Roma, no rastro de Maria Pia de Sabóia (uma das nossas rainhas mais amadas e a que durante mais anos reinou).

foto16

foto17

foto18

Na Praça de San Carlo, a sala de visitas de Turim, tudo pode acontecer, ao cair da tarde. De uns quantos maduros que se juntam a cantar e sempre ganham uns trocos pela alegria e afinação, a um copo de vinho que se bebe com uns quantos canapés e queijos, a fazer lastro, no café Torino, um dos mais emblemáticos da cidade pela atmosfera “belle époque”, passando pelo encontro mais improvável com uma jovem portuguesa de Paços de Ferreira, simpática e talentosa, digo eu que já fui espreitar o seu sítio na internet e gostei do que vi. Filipa Tojal é formada pela Faculdade de Belas Artes do Porto e está a trabalhar, como pintora, em Asti e a caminho do Japão. Disse-me que todos anos há três estudantes portugueses, de várias áreas, que ganham bolsas de estudo para o Japão e que em Portugal nada se sabe.

Tal como noutras cidades italianas, também em Turim, os cães entram em todo o lado, acompanhando os seus donos: nos restaurantes, nos cafés, nos transportes públicos, até nas igrejas e durante os ofícios (afinal, não são também criaturas de Deus?). Pena que também nisso sejamos tão atrasados!

foto19

“Mr. Wilson”, assim se chama uma loja situada na Via Roma (o eixo central que une a Piazza Castello, com o seu Palácio Real, e a Piazza Carlo Felipe, passando pela de San Carlo). É um verdadeiro paraíso para todo e qualquer “dandy”, até eu me deixei tentar por um ou outro atrevimento (ainda por cima em saldo) mas aqui o que importa é o jeito do proprietário se apresentar. Leva-me, de avanço, treze anos e muito arrojo. Ao pé dele sou um careta!

foto20

Já é a segunda vez que isto acontece: primeiro em Paris (no Natal de 2013), agora em Turim. O capote alentejano faz furor. É vê-los a apontar, a pedir para tirar fotos, a querer saber quem é o criador e nós a explicarmos que se trata de um capote tradicional usado no Alentejo, para fazer face aos rigores do Inverno. Houve mesmo quem o quisesse comprar. Por muitos agasalhos que eu tenha de criadores afamados, portugueses ou estrangeiros, não há nada a fazer: só há olhos para o capote e ele é do Rui! Já sei: da próxima que viajarmos juntos… venho de “sete saias”!

14 comentários a “Os últimos cartuchos

  1. Patrícia Martins

    Boa Tarde Goucha sigo ocasionalmente o seu blogue e sobretudo esta parte das viagens e das receitas, sendo a primeira vez que aqui escrevo. Partilhamos o mesmo gosto pelas viagens, que na minha mais singela opinião é das maiores riquezas que podemos levar desta nossa passagem por cá, por isso agradeço as suas partilhas, sempre tão descritivas e elucidativas dos lugares que visita e espero que assim continue. Fico a aguardar a próxima.
    Cumprimentos e fique bem

    Responder
  2. Lucília Ribeiro

    Meu caro amigo
    Está decidido, não o vou largar enquanto não me levar no bolso numa das suas viagens. É que sou uma rapariga de 50 e 13 anos ( muito mais nova do que os seus 59, bem feito), aposentada e tão tesa que qualquer viagem a Cacilhas já pesa na carteira.
    Como deve ser bom viajar consigo e certamente com o Rui por locais tão cheios de vida e cultura.
    Um abraço
    Cila

    Responder
  3. Raquel Silva

    Olá Manel!
    Acabei de fazer um viagem ao ver as suas fotos e os pormenores como explica tudo,adorei.
    Os lugares como o Manel os descreve, quem gosta de apreciar estas belezas e com um pouco de imaginação,lá vou eu. A primeira foto daquelas roupagens , a grandeza da galeria pelas suas dimensões e tods trabalhada, fiquei encantada, não esquecendo a embarcação “Bucintoro” nas fotos vê-se a grandeza ao vivo eu ficaria em estado de pasmada “desculpe o termo” mas é mesmo. Foi muito engraçado ter encontrado a jovem portuguesa, e já agora o Rui com o capote, que é tão admirado, já noutras viagens. A foto está linda.
    Obrigada pela partilha das suas viagens.

    Responder
  4. Carla

    Manuel
    Adorei a reportagem toda , as fotos mostram o quanto belo é tudo, sem os textos ficavam cochas.
    O Rui fica muito elegante com o capote não admira o sucesso que fez, gosto da cor das botas, cor que uso habitualmente nas minhas.
    Curioso o que conta dos animais é bom saber essas coisas.
    Sei que na Alemanha os cães entram nos restaurantes, na Noruega país onde vive o meu irmão não existem cães abandonados, na Bélgica se um policia ver alguém maltratar um cão pode ser preso.
    Nós, estamos atrasados não só com os animais, mas numa diversidade de coisas. Precisamos de crescer , despertar para outros horizontes mais dignos de uma nação tão cheia de história. Ainda existe muita gente parada no tempo, e nada fazem para evoluir…
    Obrigado por nos deliciar no seu cabaré, um cabaré repleto de energia positiva, cultura, genuinidade.

    A educação e o ensino são as mais poderosas armas que podes usar para mudar o mundo.
    Nelson Mandela

    “A compaixão pelos animais está íntimamente ligada a bondade de carácter, e pode ser seguramente afirmado que quem é cruel com os animais não pode ser um bom homem. A compaixão por todos os seres vivos é a prova mais firme e segura da conduta moral.”
    Arthur Schopenhauer

    Besito
    Carla

    Responder
  5. Paulinha Velez

    OLA MLG
    vou confessar uma coisa…estou uma viajada sem sair da minha aldeia,uma maravilha as suas fotos,e os seus textos… aprendemos sempre e depois é só fechar os olhos e imaginar um dia quem sabe num lugar tão mágico como esse,obrigado por os partilhar!!!!

    um abraço

    Paulinha Velez

    Responder
  6. Elsa Anjos.

    OLA Manuel Luis ! Aqui na Australia e expressamente proibido os animais entrarem,sejam cafes,restaurantes etc. E como deve saber,a Australia e muito protetora dos animais. Beijinhos para si deste lado do mundo

    Responder
  7. Raquel Leite

    Boa noite Manuel Luís =) desde já muito obrigada por partilhar estas maravilhosas imagens, recordo todos esses lugares com grande carinho.

    Beijinho e continuação de boas viagens!

    Responder
  8. Dulce José

    Obrigada por partilhar momentos das suas viagens. Amo de paixão a Itália e Turim em particular onde estive 2 meses a estagiar no Centro de Formação Técnico da Organização Internacional do Trabalho (ONU). Tive a sorte (já estava destinado) de conhecer pessoas que viviam há muitos anos em Turim, amavam a cidade e levaram-me a conhecer sitios incríveis, nomeadamente restaurantes (tenho muitas fotos,menus,etc). Esse palácio ainda não estava em recuperação, mas já o vi na NET. O Palácio Real na Piaza do Castelo, que agora foi completamente transformado tinha uma álea enorme com jarrões chineses alguns maiores do que eu. Digo-lhe um segredo ” um desses amigos apaixonou-se por mim e ofereceu-me nos meus 40 anos um lenço Hermés duma colecção muito tradicional sobre Napoleão…um espectáculo que emoldurei,naquela data custou cerca de 50 contos. Está numa parede muito bem emoldurado.
    Desejo-lhe tudo de bom muita vida com muita saúde (o que eu não tenho) agora quando tenho possibilidade de viajar só acompanhada e ando nos museus de cadeira de rodas….
    A sua reportagem sobre a cirurgia à obesidade ainda me entusiasmou mais a fazer o mesmo,se bem que sou + magra!,mas já andava na consulta com o Dr. Angelo. Espero fazer a cirurgia talvez daqui a 15 dias, mas vou fazer 72 anos. Uma das razões que me fez dar este passo difícil é conseguir fazer mais viagens.
    Boa sorte e obrigada pela vossa disposição que me entra todos os dias casa dentro.
    Abraço
    Dulce

    Responder
  9. lino costa

    Boa noite , mais uma vez , eu agradeço a sua amável de compartilhar a viagem que realizou a Itália e a cultura de cada lugar que visita com todo um espírito de aventura… E aprendo a história e um lugar de saberes e uma cultura italiana… Que nem conhecia a história, de uma origem de uma rainha maria pia saboia, rainha portuguesa que tanto fez no nosso país e sem dúvida que marcou pela sua época da história de Portugal , desejoso e curioso saber qual vai ser o ponto de partida de mais uma viagem de saberes e mais cultura. Desejo- lhe muito sucesso e continua a surpreender pela positiva porque sempre acompanho o seu site cabaré do Goucha… Obrigado pela sua atenção um abraço de muita energia positiva

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *