Flores de Dona Vicença

Não se sabe ao certo quando é que o homem começou a usar flor na lapela, em ocasiões especiais, como por exemplo no dia do seu casamento, se bem que haja quem diga que o hábito vem do século XIX com o matrimónio da rainha Vitória com o príncipe Alberto, quando esta decidiu oferecer um pequeno ramo ao noivo com as suas flores favoritas e ele terá decidido usá-lo desse jeito.

Certo é que acaba por ser um acessório elegante e romântico e os ingleses usam-no em diversos eventos. Por cá, lembro-me do actor Carlos José Teixeira, quantas vezes o vi pelos lados do Parque Mayer, galã, sempre vestido a preceito e de flor na lapela.

Foi a pensar em tal que decidi nas galas da Casa dos Segredos acrescentar a cada fato esse acessório, ainda que não se tratassem de flores naturais, jogando com as cores de um e de outro. Foi um pequeno pormenor para ajudar ao visual. Tudo faz parte do espectáculo!

Nos programas da manhã e no meu dia-a-dia por vezes também as uso em crochê, portanto menos formais, desde que a lapela esteja caseada.

E foi por isso que Vicença, senhora dos seus setenta e cinco anos, espectadora atenta a todos os pormenores, se pôs a fazer rosetas de várias cores, para assim condizerem com as minhas fatiotas, e fez-mas chegar dentro de um saquinho também ele em trançado de linha e ternura. É claro que as vou usar, grato por tanto carinho.


Veja aqui: http://www.tvi.iol.pt/vocenatv/videos/as-rosetas-de-goucha/5b3df2c50cf248a3723672d5

3 comentários a “Flores de Dona Vicença

  1. Leonor Trindade

    Que bonito!!!!!
    Gostei muito da explicação sobre as flores na lapela, moda que afinal…já vem de outros tempos!
    Como sempre o Manuel Luis Goucha informa ao pormenor e, assim….ensina tanto e tão interessantes detalhes.
    Obrigada por isso!

    Entretanto quero dar os parabéns à senhora que tem feito as rosetas de lapela, a D. Vicença, pois teve uma ideia bem gira e que bem que ficam com os fatos do Manel. Mesmo não sendo tão formais ficam lindamente e não retiram elegância às suas toilettes.
    Um beijinho Manuel Luis Goucha

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *