Entregue à bicharada!

poejo1

poejo2

Volta e meia lá me diziam: “tem de ter um rafeiro alentejano, não há melhor para guardar as ovelhas”. E apesar de Monforte ter um centro de reprodução da raça, raça antiga e presente nesta região desde tempos longínquos, foi da família Graciosa (Santarém) e, nem de propósito, graciosamente que este me chegou cá ao monte. É um cachorro de dois meses, veja só, imagine o latagão que aí vem. O Rafeiro do Alentejo é das raças portuguesas de maior porte, podendo o macho atingir 74 cm de altura e cinquenta quilos de peso. Por enquanto está junto a nós, entre muros, adoptado que foi prontamente pela Dolly, mas em chegando o momento passa a ficar junto das ovelhas, já que essa será a sua função. Dizem-me que o Rafeiro do Alentejo é um cão calmo, leal, seguro de si e confiante. Não vale a pena é ensinar-lhe truques sem utilidade para o seu trabalho que ele recusa-se a aprender. O seu trabalho será o de guardar rebanho e território, que é nisso que demonstra ter qualidades excepcionais. Dar-lhe nome foi coisa fácil e rápida: apresento-vos o Poejo!

poejo3

poejo4

poejo5

A Dolly
dolly6

Tem qualquer coisa de Rafeiro do Alentejo, claro que tem, que ali houve misturada. É no porte, nas feições mas sobretudo no temperamento e arrisco a dizer na inteligência. De dia poupa energias, é vê-la esparramada à sombra, também pudera com os quarenta que se têm feito sentir, mas à noite monta guarda e não há ruído estranho que lhe escape. Adoptou-nos e nunca mais quis sair cá do monte, que entende como seu.

dolly7

dolly8

dolly9

A ovelha ronhosa
ovelha_ronhosa10

Acho-lhe graça, até sou seu fã, que esta ovelha negra não é “Maria de ir com as outras”, contra tudo o que é mais natural num rebanho de ovinos. Solitária e distraída é sempre a ultima a chegar do pasto em sendo a hora da aveia, isto quando não temos mesmo de a ir buscar. Está sempre na dela, seja lá o que isso for. Sempre gostei de quem “não vai em carneirada”. Olha a propósito, vamos ao dito:

carneiro10a

Sortudo o chifrudo, da raça merino preto, tem mais de cinquenta fêmeas à sua disposição. Mas só vinte é que são virgens!

ovelhas11

ovelhas12

ovelhas13

ovelhas14

ovelhas15

Faltam as éguas: Veneza, Distinta, Gardunha, Iphigénia e Matilda e anuncia-se poldro ou poldra para Maio próximo. O pai … mas quem será, mas quem será?… É o Bizo das Lezírias que vive perto, na Herdade das Esquilas, trabalhado que é por quem sabe de dressage, Maria Caetano Couceiro e seu pai Mestre Paulo Caetano. E as alegrias que nos tem dado, que cada prova em que entra é, como se usa dizer, “trigo limpo farinha Amparo!”.

cavalos16

cavalos17

cavalos18

cavalos19

cavalos20

cavalos21

cavalos22

É o que eu digo: estou “entregue à bicharada”!. Mas é tão bom!

42 comentários a “Entregue à bicharada!

  1. Mariana martins braga

    Olá Manel,perdoe de o tratar assim .Nunca duvidei do seu bom gosto
    Tem uma herdade fabulosa e bem completa de animais lindíssimos
    Desfrute cada átomo do seu chão
    Felicidades e obrigada por partilhar com todos nós
    Mariana

    Responder
  2. sandra

    Ola Manuel Goucha, adoro o ouvir falar todos os assuntos,voce e um homem com muita cultura. Mas esta bicharada toda e um espectaculo…e o novo caozinho e lindo. So lhe desejo muita sorte e saude para saborear isto tudo e princiapalmente o nosso Alentejo. Bjs de Toronto.

    Responder
  3. Maria Emília Bragança Marcelino

    Manuel Luís adorei os seus animais no Alentejo fiquei muito comovida imaginei me eu lá naquele lugar tão calmo rodeada dos animais adorei tem tudo a ver comigo não tenho palavras pois estou a passar por uma fase má na minha vida e neste momento estou a chorar seja muito feliz que bem merece um abraço

    Responder
  4. Luisa Fernão Pires

    Manel

    Que coisas mais lindas, são como o dono, e sortudas. Tenho uma frase do meu sogro que faleceu com97 anos que nunca esqueço. “Até para se ser cão é preciso ter sorte”. Isto porque as crianças de 4 patas cá de casa são….são os donos disto. Claro que eu adoro. Mas voltando a si e ao seu companheiro, vocês têm um coração do tamanho do mundo, têm um monte que parece ser lindo e, realmente e felizmente, entregues á bicharada. Se me é permitido um Beijão para os dois.

    Responder
  5. Antónia Quintas

    Só o Manuel para se lembrar desse nome já o estou a imaginar no campo a chamar
    Ooooooo pooooejooooooo
    Girissimo todos os seus animais são lindos

    Responder
  6. Maria Catarina Palma Fialho

    Olá Manuel Luis

    Conheci-o quando morava na Rua de Entre Campos, em Lisboa e eu trabalhava no centro Nacional de Pensões,, entrou pela porta da cozinha, para a RTP como dizia com alguma graça…o tempo passou, mas sempre o ouvi dizer que adorava o Alentejo e queria morrer no Alentejo!Frase forte, hoje dou-lhe os Parabens, pela forma como vive e divulga o Alentejo…o seu châo, maravilha de coração…a forma como vive e trata os seus animais, lindos e gosto da sua ovelha…a tal que é diferente, distingue-se do rebanho o que é bom…tb sou assim!!!Continuarei a acompanhar a sua vida…o possivel…e aceite os meus cumprimentos bem como o meu apreço.

    M Catarina Palma Fialho

    Responder
  7. Carla

    Manuel
    Ontem li a sua entrevista com a CF, gostei da genuinidade com que falou.
    Sabia que tinha tido uma depressão grande, mas desconhecia que já tinha tido outras, há pessoas que tem pudor em contar isso, a depressão ainda é tabu para muitos, não entendem o que é. Ter uma infância com pilares fortes é o caminho para crescer seguro, confiante, sem debilidades narcisícas. Às vezes os adultos não entendem porque tem depressões, o porquê da sua personalidade, das suas debilidades. Tudo tem uma causa, uma razão de ser, todos nascemos selvagens, as nossas vivências infantis são por vezes o reflexo de atitudes em adultos. É preciso investigar, perguntar, recolocar no presente aquilo que não foi colocado no passado. Entender o nosso “eu”, faz-nos crescer, ser mais humildes, estar mais próximo da natureza, ter um cuidado maior com o próximo, os mais desfavorecidos. Por isso o Manuel abraça tanta causa, sente-se bem no campo no meio da natureza, entre de gente que lhe acrescenta, e afasta as pessoas tóxicas. No meio da dor evoluímos, mas não sós, a ajuda de profissionais é fundamental para esse processo, para desloquear, desatar nós. Ourique foi um dos distritos há anos onde se registava maior número de suicidios, as pessoas vivem a dor da alma sós sem pedir ajuda , não tem meios financeiros para procurar outro tipo de alternativas. Permita-me sugerir um tema a debater nas manhãs da TVI, O suicídio no Alentejo, como procurar ajuda, linhas de apoio, etc. tenho a certeza que iria fazer um debate repleto com gente entendida nessa área.
    Um artigo que vai gostar de ler http://www.mariajesuscandeias.com/2010/03/depressao-de-inferioridade-ou-depressao.html

    Abraço aos 2
    Carla

    Responder
  8. Maria do Alecrim

    Levou-me às lágrimas, Manuel Luís!
    Que saudades do tempo de menina! Vivíamos no campo, o meu pai tinha vida agrícola. Havia um rebanho, cães, gatos, uma égua muito linda (mas que uma vez me deu um coice!), vacas, burros…
    Quando o rebanho andava perto de casa eu adorava brincar com os borreguinhos – punha-me de cócoras e eles saltavam-me para as costas. Faziam corridas malucas e parecia que até davam saltos mortais. E a forma como brincavam com as mães e acorriam ao seu chamamento… São tantas as saudades!
    Vi toda a “sua família” canina – são lindos. Mas, o “Poejo” é encantador – adorava fazer-lhe umas festinhas.
    A vida campestre é maravilhosa, mas também é dura e por vezes ingrata.
    Oxalá tenha muitos anos para saborear esta nova vida. Desejo-lhe as maiores felicidades.
    Um forte abraço
    Maria do Alecrim

    Responder
  9. Maria Isaura P.B. Teixeir

    Olá Manel!!! você saiu-me cá um homem do campo!… nem lhe digo nada,ele é bicharada por todo o lado,mas são todos lindos!!!mas o mais novo da casa é tão giro!mas o nome nem por isso Poejo!!! Por amor de Deus…Boa continuação ,até breve!!!

    Responder
  10. Carla

    Manuel
    Adoreiiiiiiiiiiiiiiiiiiii a sua bicharada.
    Está no paraíso, todos diferentes todos preciosos em eles pode confiar piamente, os animais conhecem quem lhes faz bem, e são agradecidos ao contrário do ser humano.
    Obrigado por partilhar fotos tão ternurentas e lindas enchem-nos a alma.
    Passei o fds em Beja levei os meus patudos, cada vez mais adoro aquelas planicies douradas , ver as oliveiras alinhadas , enfim tudo. Fico renovada cada vez que vou lá.
    Adorei o nome Poejo.

    Abraço aos 2
    Carla

    Responder
  11. Alexandra Fernandes

    Bom Dia ,Sr M.L.G,obrigada pelo ser Humano que é.
    Adorei a entrevista na revista cristina.
    Mts felicidades para si ,para o Rui,e amigos de 4 patas ,que são o melhor do mundo.

    Responder
  12. Mário Zambujo

    Há muito que sigo os seus primeiros passos como “homem do campo”, e sempre tive curiosidade em ver, que tipo de ovelhas tinha no seu monte, já que é a área que mais me toca porque também tenho um terreno onde faço criação de ovelhas da raça SULFROX, Merino e traçadas, mais ou menos em mesmo numero do que o Manuel!
    Primeiramente deixe que lhe diga, que aqui também temos uma ovelha que faz exatamente o que a descreveu que a sua faz!! Anda sempre de parte e é sempre a ultima a chegar!!!
    Vejo , pelo que disse, que tem cerca de 50 cabeças de gado, sendo 20 delas virgens, ou seja ,têm menos de 1 ano de idade. A pergunta que lhe faço é a seguinte: Com essa idade, não estariam já na altura de serem brincadas? Certamente que terá gente que trata disso, mas como nós aqui ( Ferreira do Alentejo) fazemos a primeira brincagem ( colocar brinco e chip) com cerca de 9 meses, pelo que vejo nas fotos em que as “virgens” aparecem, elas terão mais do que essa idade !?!?!
    Adorei o POEJO!
    A minha chama-se Bruna, também de raça RAFEIRO ALENTEJANO, e digo sem qualquer tipo de dúvidas…foi o melhor cão de gado que possui até hoje!! E olhe que há quase 40 anos que estou rodeado de ovelhas!!
    A Bruna, nem foi preciso ensinar. O instinto da raça ,imagimo eu, fez com que ela mesmo procurasse as ovelhas por iniciativa própria, sem ninguém a incentivar. Posso me ausentar por largos períodos de tempo, que estarei descansado, porque a Bruna cuida das ovelhas por mim, andando no meio delas, muito bem camuflada, ( a cor dela é amarela) não deixando alguém estranho se aproximar. Como o Poejo…de dia dorme e de noite fica de tocaia!!
    Espero que tudo corra pelo melhor com a sua criação, não só de ovelhas, mas também com os cavalos e que no futuro consiga consolidar uma boa exploração!

    Responder
  13. Tatiana Mateus

    Nota-se que é muito feliz no alentejo, e passado alguns anos realizou muitos sonhos um deles era este, ter uma casa no alentejo. É linda pelo o que vi na revista, apaixonei-me , emocionei-me e cheguei mesmo a chorar. Senti verdade nas suas palavras como alias sinto sempre, fui muito cedo ás bancas eram 8h da manhã já tinha a minha revista na mão. Eu recebo a noticia que a capa ia ser o manuel na sexta feira no estúdio, porque estava lá e foi tão bom, sonhava também eu com esta capa. Parabéns por tudo, pelos animais que tão bem trata, mais um cão desta vez com uma função especial, mas é adoravel. As ovelhas , os cães da outra casa cá em sintra , a faneca e e a outra gata de uma raça tão especial também ,e peço-lhe desculpa pois agora não me lembro do nome da mesma, são todos animais felizes, têm uma familia feliz também. Como sabe eu tenho uma profunda admiração por si, conquista me com o seu trabalho, e a forma de ser , continue assim. Desejo-lhe as maiores felicidades , são palavras de coração mesmo, a uma pessoa que eu considero quase como familia, pois entra na minha vida quase todos os dias. Uma boa semana de férias

    Responder
  14. Madalena Ferreira

    Olá MLG

    Isto é gostar de animais. Muito espaço e bem cuidados, é bom de ver!
    Fico sempre constrangida, quando dentro de 4 paredes sei que existem animais – cães,gatos ou outros sem condições de higiene, sozinhos de manhã à noite e perturbando o quotidiano de quem vive próximo.
    Se é crime maltratar, o que é isto? Se os animais estão a maior parte do tempo sós – logo não são de companhia!?
    Vamos acompanhar o crescimento do Poejo – certamente?

    Obrigada pela partilha,

    Responder
  15. Antonia Ramalho

    Bom dia Manel, desde ja um bom Domingo, Adorei o Poejo, alias ,sou louca por Rafeiros Alentejanos. Ja criei muitos mas neste momento tenho um, Napoleão, de 4 anos, que tem que estar preso pois ladrava aos cavalos do meu filho e corria atras deles, o que não era conveniente pois espantava-os. A minha filha tem um casal Rodolfo, dado pelo Gonçalo que nasceu aqui no Centro de Reprodução de Monforte e a Rosinha, de um criador amigo de Elvas. Não imagina a quantidade de cachorrinhos que ela tem dado, e pelo que vi esta semana, mais 2 mesitos e deve aparecer nova restolhada. Adorei ver os cavalos, ate porque vivo junto deles ha muitos anos, enfim , coisas de montes, mas embora tenha dias, especialmente no Inverno, em que detesto viver num monte, lama por todo o lado e dias tristes e chuvosos em que so apetece estar ao lume, ate gosto desta liberdade e de acordar ao som dos passaros e outros animais e adormecer com o coachar,penso que e assim, das rãs. Obrigada Manel por nos brindar com as suas lindas fotos e por dividir connosco um pouco da sua vida. Seja feliz por Monforte e por todo o lado onde va. Beijinho ao Manel e ao Rui.

    Responder
  16. Maria da Graça Martins

    Manel, mtos parabéns pelo seu sonho concretizado. Creia, sinto-me mto feliz por si. É uma delícia ver todos esses animais lindos, que o rodeiam. Sabe uma coisa, eu mudei de Lisboa para o Ribatejo, para viver numa quinta, por causa dos meus bichos cães, pássaros, pavões e um burro, todos eles resgatados de situações de maus tratos e abandono. Não estou nada arrependida mas, dá uma trabalheira, mesmo com ajuda. Por isto, consigo imaginar a sua felicidade e desejo, do coração, que desfrute muito, por muitos e longos anos toda essa beleza. Bjnho e abraço desta sua fã.

    Responder
  17. Elsa Ferreira

    M.L.G. não se incomode de estar entregue à bicharada pois quanto mais conhecemos as pessoas mais gostamos dos animais esses sim dao-nos tudo sem pedir nada em troca bom domingo

    Responder
  18. Isabel Mascarenhas

    Manuel Luis, que delícia estar no seu monte, rodeado por tantos animais. O POEJO é um cãozinho DULCÍSSONO. Dá vontade de o abraçar e nunca mais o largar. As ovelhinhas, um encanto, a DOLLY, uma ternura, A ovelhinha ronhosa, uma pintura, os cavalos, belíssimos, etc. Ou seja: que PARAÍSO! Desejo-lhe a si e ao Rui, as maiores felicidades do fundo do coração. É um grande AMIGO que eu tenho ,pois todos os dias ( através da televisão ) me faz sentir todo o tipo de emoções. Desde a cultura, às brincadeiras, ao seu bom gosto enfim…Já ouviu isto tudo muitas vezes, mas O Manuel Luis é GRANDE EM TUDO. UM GRANDE SENHOR. Um enorme abraço. Isabel
    Mascarenhas Figueiredo Netto

    Responder
  19. Ema Vergueiro

    Boa noite MLG, mais um animal na sua vida ( o Poejo) que por sinal é lindo, aliás como todos os que tem. Eu amo os animais para mim são todos lindos, eles são sinceros não falam é certo, mas os seus olhos nos dizem o que por vezes gostaríamos de ouvir de certas pessoas, há pureza no olhar, mostram alegria pelas coisas simples, eles sentem amor e gratidão, são carinhosos nos confortam imenso e sei o que digo, tive um cão que muitas vezes me limpou as lágrimas, agora um dos meus 3 gatos já o faz também. É maravilhoso sentir o amor que eles têm por nós.
    Obrigada MLG pela sua dedicação que tem pelos os animais, sempre ouvi dizer que quem não gosta de animais também não pode gostar de pessoas, verdade ou não, não sei. Sei que eu faço parte daqueles grupos que gosta muito de animais mas também de pessoas, (nem de todas, ha!ha!ha!). Um Bem-Haja para si que o acho um ser incrível. Bj.

    Responder
  20. Eduarda Xavier

    Boa noite Manuel Luís Goucha,nota se a sua felicidade é o carinho com que trata os animais,permaneça “nesta onda”por mais quarenta anos.
    Bem haja
    MEduardaxavier

    Responder
  21. Maria do Carmo

    Manuel Luís, Deus queira que tenha mais sorte do que eu pois, tenho dois Rafeiros Alentejanos, a Noa e o Barnabé que, sempre andaram soltos e felizes aqui na quinta até há um ano pois, uma noite, foram cear ao rebanho de um vizinho e a brincadeira custou-me, uma ovelha 80 euros e ter que os manter presos dado que dizem que, estes cães ao experimentarem uma vez, voltam a fazer o mesmo, novamente! É uma tristeza agora, só solto um de cada vez. Ah, o Poejo é, lindo.

    Responder
  22. Helena Teixeira

    Boa Noite Manuel Luís,

    Ai é desta que me mudo para o Monte…Quero ir para o Monte :p
    O meu sonho desde pequena é ter uma fazenda. É paixão pelos animais, talvez por ter nascido no dia deles e de São Francisco de Assis. Acho que vou montar uma tenda e instalar-me aí entre as suas ovelhas e o Poejo :) Mesmo eu não gostar de acampar porque Balancinha como sou, não preciso de luxo, mas um colchão e um espaço limpo e higiénico servem ihihih…Mas só para viver no meio dos animais, lá ia eu dormir no chão com tecto estrelado :) A Dolly tem sem dúvida mistura com RA porque na foto ternurenta, podia passar-se por mãe do recém-chegado. O Poejo é muito giro e vai ser enorme :p Truques não precisa de ensinar, no entanto treino básico é sempre bom e útil. Eles têm instintos sim, porém tal como nós, não nascem ensinados. Aproveite bem as férias.

    Cumprimentos e Gros Bisous à tous
    Lena Teixeira

    Responder
  23. Tânia Martins

    Querido Goucha,
    Quando não fizer mais Tv, dedique se a guardar os seus bichanos. Certamente ficará muito charmoso vestido de pastor!
    Um Grande Beijinho de uma Fã!

    Ahhhhhhhhhhh…já tenho a revista!!! Yeahhhhh

    Tânia ❤

    Responder
  24. Antónia Marques

    Olá bicharda que vale mais que muita gente … recanto lindo e com paz ! Que bom! Mas eu… no Você na TV tenho saudades das suas brincadeiras, alegria e do seu olhar maroto, qd. está para pregar alguma. Bjns

    Responder
  25. Francisco Sá

    Os animais entram em nossas vidas para nos ensinar…a amar, a compartilhar, e a dar o devido valor a vida!
    Boa noite Manuel Luís. Grande abraço

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *