O melhor de Nisa

Nem sei por onde começar, tanto lhe quero contar sobre este dia inesquecível. Talvez o melhor seja mesmo começar pelo Museu do Bordado e do Barro, já que foram essas artes tradicionais que me levaram a querer ir a Nisa. Comecemos então pela casa que as guarda e enaltece, antiga cadeia nova, totalmente recuperada para a função (1), revelando-se muito eficaz enquanto espaço museológico, se quisermos saber o que importa sobre os usos e costumes nisenses. Dali saímos com vontade de conhecer quem ainda cumpre a tradição da olaria pedrada (2)(3)(4)(5)(6)(7)(8)(9), dos bordados e alinhavados (10)(11)(12)(13)(14) e das aplicações em feltro (15). Já não são muitos os(as) mestres (as), por isso quero acreditar que alguma coisa será feita, por quem tem a responsabilidade de o assumir, para que não se percam irremediavelmente estes e outros saberes únicos que marcam a identidade de um país.

(1)

nisa1

(2)

nisa2

(3)

nisa3

(4)

nisa4

(5)

nisa5

(6)

nisa6

(7)

nisa7

(8)

nisa8

(9)

nisa9

(10)

nisa10

(11)

nisa11

(12)

nisa12

(13)

nisa13

(14)

nisa14

(15)

nisa15

Foi com um risonho “olá” que entrei no posto de Turismo, para colher informações, mas pelo visto soube a pouco a quem me recebeu com espevitada resposta: “para já quero um beijo!”. Depois de osculada, a Andreia, revelar-se-ia inexcedível em simpatia e eficácia profissional, mostrando comovente apego pelas artes desta terra que é sua pelo coração, já que por nascimento é de bem juntinho a Lisboa, ainda que na margem sul. “Vá ali aos barros, e depois do almoço levo-o a conhecer quem ainda faz os bordados, os alinhavados e as aplicações de feltro”. E assim foi. Comecei pela casa da olaria regional, ali na Praça da República, para logo perceber que quem me atendia, efusivamente, era Maria da Graça Louro, mulher de António, um dos três oleiros que ainda resistem. Se a eles se deve a extracção, a preparação e modelagem do barro, esse sangue da terra, é às mulheres que cabe a delicada tarefa de decorar as peças antes de elas “perderem a verdura” e serem levadas ao forno. “Os homens não sabem desenhar nem pedrar. Não têm paciência, que aquilo é tudo pedra miudinha”. É mesmo trabalho de minúcia, como quem borda o barro, com quartzo, de um branco leitoso porque também foi cozido, fragmentado em minúsculos pedaços. Riscada a peça com uma agulha de coser são as pedrinhas incrustadas a preceito, e assim toda a olaria de Nisa ganha “ar de festa” e um cunho inconfundível. (16)(17)(18)(19). Que bem que vão ficar as garrafas e cantarinha que comprei, nos quartos cá do monte, para acalmar as securas que nos possam dar pela noite.

(16)

nisa16

(17)

nisa17

(18)

nisa18

(19)

nisa19

São os bordados de Nisa de extremo gosto e criatividade. E se bem que possam ser aplicados em xailes, coberjões (cobertores), entre outras peças, usando o ponto de cadeia, de fio torcido ou pé de flor, é nos alinhavados de Nisa que eles alcançam o expoente máximo da sua qualidade artística. Mais parece filigrana de linha e linho. (20)(21)(22)(23)(24)(25)(26)(27).

(20)

nisa20

(21)

nisa21

(22)

nisa22

(23)

nisa23

(24)

nisa24

(25)

nisa25

(26)

nisa26

(27)

nisa27

Deslumbro-me ainda com as aplicações em feltro, outro dos antigos saberes típicos de Nisa, ainda que comum aos centros produtores de lã, nomeadamente da região da Serra da Estrela. E se ali se associam aos capotes dos pastores, em Nisa as aplicações estão presentes nos cobertores, nas camilhas, em centros de mesa, em cortinados, em saias e outros atavios (28)(29)(30)(31)(32)(33). Gosto particularmente desta arte, exuberante nos seus motivos e cores, até gracejo quando as vejo: “são cores à Goucha”. Não resisti a um coberjão laranja com aplicações em azul Alentejo. E logo pensei num destino a dar-lhe, que não o costumeiro: em vez de o pousar sobre a cama parece-me que dele irei fazer a própria da cabeceira. Não acha uma boa ideia?

(28)

nisa28

(29)

nisa29

(30)

nisa30

(31)

nisa31

(32)

nisa32

(33)

nisa33

Em pedindo, será a Andreia também a mostrar-lhe a Valquiria (34)(35)(36)(37)(38)(39) concebida por Joana Vasconcelos, satisfazendo assim uma encomenda da própria Câmara Municipal. Faz sentido vê-la depois de calcorreada a vila e conhecidos os seus filhos mais dilectos, que para mim os artistas são o sal da terra, como que a celebrar todas aquelas artes tradicionais. Depois de ter andado pelos mais luxuosos salões, como os de Versalhes ou os da Ajuda, a obra está agora em exposição no Cine-Teatro de Nisa. É a tradição ao serviço de uma estética arrojada e moderna. O nome da obra “joanina” (Valquiria Enxoval) remete-nos ao tempo em que as moças casadoiras iam fazendo o seu enxoval para na véspera do casório tudo ser exposto nos quartos da casa e vendido. Era com o dinheiro que se obtinha que se começava uma vida a dois, quando não dava mesmo para comprar uma casinha. Bordados, alinhavados, aplicações em feltro, todas as artes nisenses vestem esta Valquiria, e nem a olaria pedrada foi esquecida. Confesso-me fã das obras e do talento da Joana, mas entendo o desconforto que algumas senhoras da vila sentem perante a “bicha voadora”, mais a mais ao saberem esquartejadas uma ou outra centenária toalha de rosto, que possam ter vendido , com vista à elaboração da peça.

(34)

nisa34

(35)

nisa35

(36)

nisa36

(37)

nisa37

(38)

nisa38

(39)

nisa39

Mas o melhor de Nisa são as pessoas. Porque são elas que nos enfeitiçam com o seu talento, a sua inspiração, a sua simpatia… a sua nobreza. Não mais esquecerei, entre tantas, aquela senhora que me saiu ao caminho para me beijar, com grande alarido, e logo reparando em quem ia ao meu lado disse alto e em bom som: “olha o senhor Rui! Também o quero cumprimentar. Dê cá um beijo!”.

nisa_pessoas1

nisa_pessoas2

nisa_pessoas3

nisa_pessoas4

nisa_pessoas6

nisa_pessoas7

nisa_pessoas8

nisa_pessoas9

nisa_pessoas10

nisa_pessoas11

nisa_pessoas12

nisa_pessoas13

nisa_pessoas14

nisa_pessoas15

20 comentários a “O melhor de Nisa

  1. TL

    Os meus pais são de Arez, uma aldeia a 7 kms de Nisa. Em pequena passava as minhas férias nessa bela terra, que saudades desses tempos, que os guardo dentro de mim com muita saudade. OBRIGADO Manuel Luís por este bocadinho e por se lembrar de Nisa.

    Responder
  2. Paulo Pires

    Boa noite M L Goucha, é sempre um prazer saber que gostou da visita que fez a esta linda Vila, assim como da maneira como foi recebido, as pessoas é que fazem os locais terem mais encanto.

    Tudo o que está ilustrado nestas fotos é o melhor que temos em Nisa assim como unico em Portugal.

    Como munícipe desse belo local o meu muito obrigado pela “publicidade”, só faltou mostrar os tradicionais e afamados queijos tão procurados e comercializados nos mais diversos pontos do nosso Portugal.

    Não querendo fazer deste seu blog um local de comercio, passo a informação que a casa ilustrada nas fotos 48, 51 e 52 se encontra para venda, mas informo que jamais abandonarei este local tão aprazível, é apenas uma pequena mudança na mesma rua.

    Grande abraço

    PPires

    Responder
  3. Maria Emília Cunha Lopes

    Pela terceira vez estou a escrever,é a ultima. Nao sei mais o k hei-de fazer. Será k tenho k carregar tbm no partilhar? Já disse td acerca de Nisa,adorei,já conhecia um pouco dos trabalhos, só nao conheço Nisa. Aliás no Alentejo só conheço Évora e Arraiolos e agora pela mudança da vida não devo ir conhecer mais nada. Gostei da sua blusa tem um desenho fora do vulgar e gostei do conjunto onde está de verde,até no campo mostra o seu bom gosto e personalidade. Um abraço para si e Rui. Vê- se k está feliz parece estar nos 50 anos …Muitas felicidades aos dois.Onde está o erro?

    Responder
  4. Maria Emília Cunha Lopes

    Pela terceira vez estou a escrever,é a ultima. Nao sei mais o k hei-de fazer. Será k tenho k carregar tbm no partilhar? Já disse td acerca de Nisa,adorei,já conhecia um pouco dos trabalhos, só nao conheço Nisa. Aliás no Alentejo só conheço Évora e Arraiolos e agora pela mudança da vida não devo ir conhecer mais nada. Gostei da sua blusa tem um desenho fora do vulgar e gostei do conjunto onde está de verde,até no campo mostra o seu bom gosto e personalidade. Um abraço para si e Rui. Vê- se k está feliz parece estar nos 50 anos …Muitas felicidades aos dois.Onde está o erro

    Responder
  5. Luisa Capelo

    Manuel Luis, que bela reportagem de Nisa, apesar de conhecer alguns locais do Alentejo, particularmente a Nisa nunca fui e adorei o artesanato e os bordados. Que bonita forma de ter tirado as suas férias e nos motrar um pouco de cada local. Muito obrigada e uma boa continuação de visitas. Um abraço para si. Luisa Capelo

    Responder
  6. Paulinha Velez

    MLG
    Que dia tão rico…Nem sei o que diga…O meu pai era da Amieiro do Tejo e em pequena lá íamos nós à terra… Adorava os queijos frescos, feitos por uma tia e o ponto alto daqueles dias era ir à Nisa comprar uma bilha de barro…que depois trazia para casa…como éramos três manas naquela altura eram três bilhas que o meu pai comprava… Um ano parti a minha e pus os cacos no saco da minha mana e tirei a dela para mim…Ela quando viu…desatou num berreiro… Eu nunca disse nada a ninguém, mas deixava ela brincar com a minha que no final de contas era a dela….adoro essas bilhas… Beijs e obrigado por me fazer lembrar esse tempo que foi fantástico!!!!

    Responder
  7. Joaquim Galhardo

    Viva Amigo Luis Goucha já estive no seu programa com as 24h de bateria á uns anos atrás, tive pena de não ter estado consigo aqui em Nisa, gostaria de lhe dar um grande abraço, estava em Espanha é onde nesse momento estou a tocar, numa banda de originais até que estamos em estúdio a gravar para a saída de um CD, espero que tenha tido uns bons momentos em Nisa, desejo-lhe umas boas Férias, um grande abraço e beijinhos á sua colega e amiga Cristina Ferreira.

    Responder
  8. Célia Ramos

    Bem, eu fiquei-me nas cantarinhas, que jeito que dão para manter a água fresquinha nesta noites, como se usava na minha aldeia antes de chegar a eletricidade, já o meu marido haveria de trazer um carregamento industrial de queijos, o que aquele homem gosta de queijo de Nisa!
    Obrigada pela viagem!

    Responder
  9. Conceição Faustino

    Tenho de tudo na minha casa do Entroncamento, Manuel! Mas eu sou suspeita, afinal estamos a falar da minha terra. Obrigado pela divulgação, as pessoas e a Arte fazem de Nisa aquilo que ela realmente é, a melhor.

    Responder
  10. Rui

    Caro Manuel,

    Como munícipe do concelho de Nisa quero expressar aqui a minha gratidão, não só pela ilustre visita mas também, e principalmente, pela divulgação da mesma.

    Está mais que provado que as suas publicações conseguem alcançar muita gente, particularmente nas redes sociais, e assim sendo esta sua publicação à cerca da visitação que realizou à vila de Nisa nada mais é do que um bom cartão de visita a tantos fãs que o seguem pela Internet.

    São raras as vezes em que se ouve falar deste que é o concelho mais a norte do Alentejo onde a mescla com a Beira Baixa já se faz notar, e é por isso que lhe estou tão grato. Por vezes nem os próprios residentes dão valor aquilo que têm por cá e são precisos testemunhos e opiniões afamadas para que tenham um pouco mais de orgulho naquilo que também é seu.

    Tenho pena que não tenha feito uma paragem pela minha querida vila. Como já referi, sou apenas um munícipe deste concelho. A minha localidade fica 12km a sul, possivelmente terá passado por cá (se é que veio diretamente de Monforte), e é conhecida pelos seus magníficos enchidos, pelos mesmos bordados, pelas inúmeras tradições, pelas “mijoninhas” (que conheceu aquando da minha ida ao “Você na TV” em novembro de 2014), e pela pedra, que com tanta arte preenche a vila intitulada Alpalhão.

    Não é um lugar deslumbrante como a maioria que nos costuma apresentar aqui no seu blog (sou sincero), mas, tal como todos os lugares, é especial à sua maneira. É certo que carece de muita informação/divulgação nem tem nenhum posto de turismo que lhe possa fornecer isso mas se um dia tiver oportunidade e desejo de aparecer por cá terei todo gosto em guiá-lo e partilhar consigo aquilo que sei e tanto gosto me dá em propagar.

    Sou jovem, tagarela e estou desempregado, por isso não será incómodo nenhum. Fica o convite! 😉

    Responder
  11. Maria Odete Bruno

    Adorei relembrar estas maravilhas, os bordados, as cantarinhas, esse trabalho minucioso , q. eu conheço bem pois morei perto de Alpalhão ,e gostava muito, Já lá vão muito anos ,e só lá voltei uma vez já casada …..obrigado Manel um beiji…..

    Responder
  12. Benedita Amaro

    Adorei ler o que escreveu sobre Nisa. Também gosto muito desta terra!! Tenho algumas bilhas. Quando era pequena e vivia em Lisboa vinha muitas vezes à minha Aldeia Velha! Vinha de comboio até ao Barracão e era “obrigatório ” comprar uma bilha quando o comboio parava em Nisa. Havia muitas mulheres que apregoavam ” água e bilha”. Bons tempos!!!

    Responder
  13. Dina Ferreira

    Boa noite Manuel Luis! espero esteja a passar umas boas férias,como vou acompanhando, através do que publica,tenha mta saúde para se gozar,da sua casa alentejana…receba um beijo com carinho,e á srª sua mãe….

    Responder

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *