A Vila de Alcochete

É incrível mas é verdade, não conhecia a Vila de Alcochete e não fosse o MasterChef por certo continuaria na ignorância por muito mais tempo, e logo ela magnífica e a dois passos de Lisboa. Passo a explicar: as gravações do MasterChef decorreram nos estúdios da Barroca, situados na Herdade da Barroca de Alva, pertença do cavaleiro tauromáquico José Samuel Lupi, bem perto  da vila, e uma vez que elas decorriam durante a tarde, tendo eu que estar no mesmo estúdio no dia seguinte, manhã cedo, achei que não fazia sentido pernoitar em casa, a uma hora de carro, quando podia ficar a cinco minutos. Foi assim que, ao escolher a “Quinta da Praia das Fontes” como unidade de turismo de habitação, acabei por descobrir uma vila carregada de história e tradição. Hoje voltei com algum tempo para a calcorrear, descobrir alguns dos seus muitos pontos de interesse e assim compreender o fascínio que exercicia em algumas figuras da  corte portuguesa (reis e infantes) a ponto de a elegerem como terra de passeio e veraneio.

fotografia

Comecei pelo Largo de São João, uma das salas de visitas da vila. Talvez o largo mais importante uma vez que é ali o edifício da Câmara Municipal, um antigo solar do século XVI transformado em Paços do Concelho no século XIX.

fotografia 1

fotografia 2

fotografia 3

No topo do largo evidência-se a Igreja Matriz, consagrada ao santo que também o largo evoca: São João Baptista. Mais um mês, a bem dizer, e o padroeiro será, de novo, festejado em grande com devoção e muitas fogueiras, arraiais e foguetório. A fachada impõe-se gótica com um belíssimo portal de arcos ogivais e uma rosácea de doze raios, completada pela torre sineira manuelina. Lá dentro o destaque maior vai para a capela-mor rica em talha de ouro, com painéis azulejares nas paredes, representando o baptismo de São João e o nascimento de Cristo e pinturas alegóricas, no tecto, em caixotões.

fotografia 5

fotografia 6

fotografia 7

Gostei de ver que há esplanadas nos vários largos (ou praças), para que munícipes e visitantes possam fruir a vila em pleno e particularmente quanto cada um exibe e evoca da sua história e gentes. Na Praça da República é a figura do salineiro que é recordada, protagonista maior de uma actividade que já foi importante para a economia do concelho. Lá vai tempo em que estes homens percorriam a pé todo o caminho entre a vila e as marinhas, para começarem a rapar o sal antes mesmo do dia acordar.

fotografia 8

fotografia 9

fotografia 10

D. Manuel I aqui nasceu, a 31 de Maio de 1469, diz-se até que terá sido ali na Quinta das Praia das Fontes, um dos edifícios mais notáveis de Alcochete. O rei virtuoso está imortalizado frente ao solar que foi pertença do Marquês de Soyos, numa estátua de Vasco da Conceição inaugurada quinhentos anos após o seu nascimento (1969). Na mão esquerda a esfera armilar, símbolo de toda a gloriosa gesta dos Descobrimentos, na outra o ceptro, símbolo do poder real. O seu olhar parece perdido no horizonte, na contemplação de Lisboa e da ponte que evoca o nome de um seus mais célebres navegadores. A 21 deste mês, Alcochete receberá, em festa, o “rei” e a “rainha”, numa reconstituição histórica, com chegada ao cais pelas 16 horas, para a celebração dos quinhentos anos do foral que D. Manuel lhe concedeu (1515) emancipando assim o concelho. A propósito este será o ano de todos os festejos.

fotografia 11

fotografia 12

fotografia 13

fotografia 14

fotografia 15

Entrar na instalações privadas da família proprietária da Quinta da Praia das Fontes não é para qualquer hóspede. Tive esse privilégio num final de tarde, terminadas as gravações, quando os senhores da casa me convidaram para um chá no magnifico salão, onde a família se reúne à conversa frente a uma monumental lareira em madeira e azulejos. Mandou a polidez que só discretamente pousasse o olhar aqui e ali, tantos são os vetustos e valiosos objectos e peças de mobiliário que espessam o ambiente. Até o soalho de tábua corrida é o original. Hoje voltei a fazê-lo e de novo me senti Manuel III sem outro dom que não seja este de tudo querer absorver.

fotografia 16

fotografia 17

fotografia 18

fotografia 19

fotografia 20

Apesar de ter pernoitado várias vezes num dos quartos que se abrem para o pateo, nunca tinha tido tempo para entrar na quinta propriamente dita, para um passeio breve que fosse. Sempre são dois hectares de caminhos, verdura, flores e frutos, como que num cenário à parte, convidando-nos à dolência e saboreio do instante, que entre o passado que já lá vai e pouco importa e o futuro de que nada sabemos, há um presente que teimamos em desperdiçar.

fotografia 21

fotografia 22

fotografia 23

Do terraço deito um último olhar sobre o Tejo que nos acompanhou em todo o passeio e penso que em breve tenho de voltar, para desta me aventurar na reserva natural do seu estuário, que dali se estende até às lezírias de Vila Franca.
Não fosse o MasterChef e eu continuaria sem saber de uma vila tão perto e com tanto para nos oferecer.

www.cm-alcochete.pt

www.quintapraiafontes.com.pt

26 comentários a “A Vila de Alcochete

  1. Dino Correia

    Olá Manuel
    vi o seu documentário sobre Alcochete e, como lisboeta, passei a fazer desta terra o meu ninho familiar há 4 anos. Sem dúvidas foi uma das escolhas mais profundas e marcantes da minha vida e, cada dia que passa, tenho orgulho em tê-la tomado. É um lugar encantador, onde a natureza, a própria geografia da vila e as pessoas, fazem desta perola um lugar único e tão perto de Lisboa. “Felizmente” que ainda não há muita gente que a conhece…apenas param no Freeport e voltam ás suas vidas de sacos cheios. Não sou seu seguidor, raramente vejo televisão mas adorei o vosso trabalho efetuado neste local. Ás vezes temos pequenos paraísos bem à nossa porta e nem reparamos neles. Há muita coisa que falta fazer nesta vila, mas creio que virá a ser uma pequena “Cascais” da margem sul daqui a uns 20 anos

    Abraço

    Responder
  2. Vitor Ramos

    Sou o caseiro da Quinta Praia das Fontes, o meu nome é Vitor e para além de ter uma enorme simpatia por si como apresentador e homem com H, e não sendo natural de Alcochete, venho por este meio agradecer-lhe a lição de história com que nos presenteou, digna de um catedrático, e desejar-lhe a si e à senhora sua mãe que sei que a idolatra, muita sorte e saúde, são os votos das pessoas que ainda mais o admiram do que antes, porque conhecendo-o pessoalmente como conhecemos já por diversas vezes, o Manuel permita que o trate assim é uma pessoa que se aprende a gostar facilmente.
    Um grande abraço do Vitor e um beijinho da Carmo.

    Responder
  3. SALETE

    Foi com enorme satisfação que nós os funcionários da QPF, o recebemos, é um orgulho ter-mos privado consigo por alguns minutos. Alcochete é linda… Obrigado por divulgar esta vila maravilhosa, cheia de encantos e história.Volte sempre.

    Responder
  4. Joana

    Com a saudade no peito deixei esta vila… Se Lisboa me tivesse empregado nunca teria deixado o sitio onde o meu coração ainda mora… a bonita vila de Alcochete. Um dia quem sabe voltarei para um cantinho à beira mar plantado. Mas para já fica um enorme obrigado pelo reconhecimento e pelo carinho com que fala desta vila tão especial.

    Responder
  5. Maria João Caldeira

    Manuel Luís, muito bonita a forma como divulga uma terra linda que me acolheu há dez anos, fugindo da minha Lisboa que deixou de me transmitir segurança… Bela lição de história . cumprimentos

    Maria João

    Responder
  6. CP

    E tanto que ainda ficou por ver Sr. Goucha… Venha mais vezes!
    E da próxima não vá embora sem experimentar:
    – o por do sol, acompanhado de uma bebida no bar Alcach (mesmo em frente à Qta. onde ficou alojado).
    https://www.facebook.com/pages/Alcach-Bar/100611056649182
    – Qualquer restaurante em Alcochete é bom, mas o Cantinho do Ti Tonho é um daqueles sítios que imediatamente passa a ser o “nosso cantinho” também…
    https://www.facebook.com/oCantinhoDoTiTonho
    – na Barroca, caso ainda nao o tenha feito, devia visitar a ermida e os açudes. Lá, na Barroca, tanto o pôr como o nascer do sol são algo que só vendo se percebe :)
    – De volta à Vila, passe por qualquer padaria e peça uma fogaça das grandes, as pequenas são deliciosas, mas a grande que fica mal cozida, é divinal! :)

    E se tiver coragem, venha fazer tudo isto e muito mais, na 1ª quinzena de Alcochete, durante as festas do Barrete Verde…
    Espero vê-lo por cá em breve :)

    Ps: caso decida pela opção corajosa, calçado confortável e fechado, e creme para as olheiras são recomendados hehehehe

    Responder
  7. Margarida Palma

    A quinta da praia das fontes… um sitio magnífico que me foi mostrado pelo caseiro Alexandre e pela sua simpática esposa Isabel… passei aí momentos maravilhosos… um sitio lindo dentro da minha linda vila de Alcochete.
    A barroca de alva outro sítio magnífico da nossa terra… Bem haja Manuel Luís por divulgar o nosso tesouro à beira mar plantado!

    Responder
  8. Maria Filomena barreira

    Como nos estando tao longe tudo se torna tão perto vendo a nossa terre a terra que nos viu nascer ser vista por este prima eu vivi nesse pátio onde o senhor luis Goucha esteve e filmou nunca vi tal beleza pois eu vivi e quando nos vivemos não temos vagar de ver tal beleza mas estou muinto feliz de a ver agora depois de 32anos que deixei de la viver pois ausenteime para a austrália a minha terra e linda sempre o soube mas fico muinto feliz de a ver assim e que as outras pessoas que não a conheciam poderem a ver e saber mais um pouco dela e um orgolho muinto grande para mim e todos os alcochetanos que estão ausentes bem aja sr:Goucha

    Responder
  9. Filomena Maria

    Gostei da sua narrativa!
    E fez-me recordar a herdade de Barroca de Alva, onde vivi e lecionei no meu primeiro ano de trabalho a um grupo de 12 alunos..
    Habitava a escola propositadamente reservada pelo sr. José Lupi para as professoras, mesmo ao lado da mercearia…
    Aguçou-me o apetite para lá voltar em breve :)
    Fique bem

    Responder
  10. Paula Correia

    Muito obrigada Manuel Luis Goucha por nos presentear com a sua presença em Alcochete, mostrando culturalmente de uma forma tão sublime como é linda e cheia de história esta vila.

    Responder
  11. Stylist Maria Santos

    Adoro esta capacidade multifacetada que o Manuel Luís Goucha tem, de tratar tantos assuntos com enorme dedicação e amor.
    Eu felizmente tive oportunidade de quando ainda era solteira, de viajar por Portugal de Norte a Sul e conhecer não só as cidades, mas também aldeias e até terras bem pequenas com meia dúzia de habitantes, mas onde se aspirava história e onde os habitantes eram de uma simpatia contagiante, que mesmo sem nos conhecerem, convidavam-nos a entrar nas suas casas e a comer com eles.
    O meu pai dizia “enquanto não conhecermos Portugal todo, não vamos de férias, para outros países” e eu hoje agradeço-lhe isso.
    Tenho história dessas vivências incríveis, que hoje recordo com carinho.
    Adorei o que vi o que li e é bem verdade, não é preciso irmos muito longe, há belezas tão perto de nós mas infelizmente muitas vezes não damos por elas. Beijinhos

    Responder
  12. Maria Emilia Cunha Lopes

    Mais uma vez obrigada.Quem diria k a 2 passos de Lisboa havia uma coisa tão bonita. Mas é pena k nem todos possam usufruir dessa paisagem e desse conforto maravilhoso. BJO MANEL

    Responder
  13. ilda gil

    Muito obrigada Manuel Luis Goucha por nos presentear, e nos enriquecer culturalmente de uma forma tão sublime..! sendo uma dádiva, porque é através dos seus olhos que nos mostra a nossa tão bela historia, que por tantas vezes estando no mesmo local não a conseguimos absorver..! Atenciosamente o saúdo com os melhores cumprimentos… Ilda Gil

    Responder
  14. Teresa

    Bem posso confessar, que enquanto estudante, nunca gostei de História! Hoje com 32 e volvidos alguns, muitos anos, digo-lhe que gosto e bastante, por isso agradeço estas suas “pequenas” aventuras pela nossa História! Obrigada por nos mostrar mais e de uma maneira tão boa de se ler! Beijinhos e obrigada!

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *