Um quarto

Não conheci a mãe do meu pai já que para todos os efeitos a avó era a Edla, a segunda mulher do meu avô Heliodoro. Parece fadário de família, tanto de um lado como do outro, isto de saber todos os casais desquitados.

Era, realmente, a Edla quem nos recebia sempre que vínhamos a Lisboa, de sorriso rasgado e café feito na cafeteira de balão. Acasa cheirava sempre a café acabado de tirar e a bolos macios saídos do forno, daqueles que vão bem a ensopar qualquer bebida quente. Por vezes, não muitas, eu e o meu irmão vínhamos para ficar uns dias com o nosso pai e era ali, na casa de Entrecampos, que passávamos a maior parte do tempo, chegando mesmo a pernoitar no quarto das visitas. Nunca mais o esqueci, naquela altura achava-o mais para menina, com a sua mobília creme toda pintada de florzinhas furta-cores. Dizia-nos a Edla que eram assim as mobílias de mais além, em terras de depois do Tejo, e eu divertia-me por dormir naquele jardim de pinho e fantasia, com o sono a correr solto e tranquilo.

Quando, vai para quatro anos, entrei pela primeira vez na casa (monte) da herdade que haveria de comprar no Alentejo, degradada e quase tragada pelo mato, deparei-me com uma meia dúzia de móveis que valia a pena manter por ajudarem a contar um pouco da história daquele local e das artes da região.

Num dos quartos, o primeiro e único do monte original, jaziam duas camas de cor creme, pintalgadas de flores, não tão feéricas quanto as da avó Edla mas ainda assim a remeterem-me para as memórias de uma infância longínqua prenhe de sonhos e desejos. Fazia todo o sentido querê-las limpas recuperadas e feitas, mesmo que ninguém se deite nelas, assim sempre que ali entro pela manhã, para abrir a janela que deita para o campo, parece que sinto o cheiro do café, das “areias” e dos “lagartinhos” da Edla e o aconchego do seu abraço branco e sardento.

Por momentos é como se regressasse para mim, para o meu próprio começo.

6 comentários a “Um quarto

  1. Belita

    Fui vizinha e amiga de infância do Goucha.
    Lembro-me de ele se ausentar de montarroio pelo motivo de ter ido a Lisboa para estar com o pai e família

    Responder
  2. Maria silva

    Obrigada Manel Luís, pelo texto encantador que nos leva ao passado e aos quartos dos nossos avós. Parabéns pela sua maneira tão afectuosa de transmitir o que lhe toca…Ser diferente é isto, pegar num quarto de avós…e transmitir com todo o encanto, os cheiros e encantos.

    Responder
  3. BEATRIZ ROSARIO

    Tirando a nostalgia da infância.
    PARABÉNS !!! restaurar um monte em 4 anos e fazer dele algo maravilhoso é obra.
    Abraço ! (?)

    Responder
  4. Cláudia

    Por isso gosto tanto de o ler querido Manel. Tenho trinta e três anos e há 16 que o acompanho com todo o gosto. Este texto particularmente pois sou pessoa de afetos, memórias e cheiros. Também eu guardo recordações de uns avós que partiram.

    Responder
  5. Maria do Rosário Fernandes

    Adorei essas memórias, porque sempre gostei muito destas mobílias alentejanas. Num passeio de fim de semana à zona de Portalegre, quando estava grávida da minha filha mais velha, hoje com 46 primaveras comprei uma cadeira pequena, encarnada com as flores características. Esteve sempre no quarto dela e quando casou levou-a com ela. Ainda hoje existe e está impecável. Um abraço

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *