Um lugar novo sendo, porém, muito velho!

Novo, porque reabilitado a partir de uma memória longínqua, daí o ser muito velho. Parece confuso mas não é, eu explico: falo-lhe concretamente do Jardim Botânico do Palácio Nacional de Queluz, um espaço recuperado e reabilitado recentemente (e já premiado a nível europeu) no local onde antes o havia sido, isto ao tempo de D. Maria I e de seu marido Pedro III. Um espaço de pequena escala se tomarmos como exemplo outros jardins botânicos, como o de Coimbra ou o da Ajuda, usado exclusivamente para recreio e entretenimento da corte. Degradado por fenómenos naturais foi acabando por perder a sua função original tendo sido um roseiral nos idos de quarenta e posteriormente usado como picadeiro para alguns espectáculos da Alta Escola Portuguesa de Arte Equestre.

O notável trabalho de reconstituição cumpriu escrupulosamente o traçado original juntando peças de estatuária que se encontravam espalhadas pelos jardins do Palácio, replicando as espécies botânicas ali existentes à época, segundo a listagem fornecida à rainha piedosa pelo seu próprio médico, o famoso Morais Soares, e reconstruindo as quatro estufas que na altura também existiam. Tal como então, segundo registos históricos encontrados, nelas continua-se a produzir ananás, esse fruto que de tão raro e exótico só podia mesmo ir à mesa dos reis.

Da próxima que for ao Palácio Queluz não esqueça que há mais para ver nos seus jardins.

3 comentários a “Um lugar novo sendo, porém, muito velho!

  1. Lucília Diogo

    Olá querido Manel, como está? De Coimbra lhe escrevo, na sequência deste post tão lindo do Jardim Botânico do Palácio Nacional de Queluz. Amante que sou de tudo o que é planta, flor, árvore e arbusto , venho dar-lhe conhecimento da catástrofe que se abateu sobre o nosso lindo Jardim Botânico de Coimbra. Devastado pelo Leslie que destruiu uma grande parte da sua grande diversidade, encontra-se neste momento fechado para ver se consegue renascer das cinzas. Não sei se conseguirão repor todas as espécies já que, como deve saber, algumas tinham sido plantadas aquando da sua criação em 1772. Um beijo grande desta sua admiradora, Lucília Diogo.

    Responder
  2. Ana de Assunção Coelho

    Já visitei o palácio e os magníficos jardins curiosamente estive no picadeiro e não sabia que em tempos tina sido um jardim botânico Sou fã de palácios e castelos Obrigada Mais uma boa lição de história .

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *