O triunfo da flor

Conheço o João Egídio há um ror de tempo, não consigo é precisar quanto. Sei é que João Carlos Abreu era, e seria ainda por muitos anos, o apaixonado secretário de Estado do Turismo da Madeira quando mo apresentou, no decorrer de uma ida à ilha encantada.

Logo percebi estar perante um artista. O João tem uma sensibilidade única para trabalhar a flor, usando toda a imensa variedade que só a sua ilha exibe. Jogando com volumes e cores, transforma os carros da Festa da Flor, um dos cartazes mais apelativos de quantos anualmente a Madeira tem para oferecer, em verdadeiros quadros vivos em que a beleza estonteia. No Natal, outra das festas madeirenses cheia de particularidades, como as Missas do Parto, são da sua autoria os grandes arranjos que alindam a avenida central do Funchal e em particular a grande cena da Natividade, sempre um primor de criatividade e onde, uma vez mais, a flor triunfa em todo o seu esplendor.

Tudo quanto possa aqui escrever é acanhado perante as fotos tiradas do seu livro, agora lançado, representativas do labor e engenho de um homem que, dada a sua sensibilidade, cedo conheceu o escárnio de muitos que um dia não terão direito sequer a uma mera nota de rodapé.

João Egidio1

João Egidio2

João Egidio3

João Egidio4

João Egidio5

João Egidio6

João Egidio7

João Egidio8

João Egidio9

João Egidio10

João Egidio11

João Egidio12

João Egidio13

João Egidio14

João Egidio15

6 comentários a “O triunfo da flor

  1. Raquel Silva

    Tanta beleza tanta criatividade, o que vi pareceu.me quadros lindos quadros românticos.
    Parabéns ao João e ao Manel que me deu a oportunidade de ver estes maravilhosos quadros vivos.
    Beijinho
    Raquel

    Responder
  2. Toninho Gonçalves

    João Egídio por acaso, ou não, é meu primo de sangue, seu pai e minha mãe eram irmãos. Nasci e moro no Brasil, ja visitei a ilha umas vezes, e vi uma pequena mostra do seu vigoroso trabalho.

    Não estou habituado, portanto, a ver ao vivo e rotineiramente as suas esculturas de flores e gentes, mas aquelas que presenciei, e mesmo as que vejo reproduzidas em imagens impressas ou virtuais demonstram a habilidade e o talento de João Egídio em “esculpir” volumes e formas com uma felicidade cromática absurda. A palheta de cores aplicadas nos criativos arranjos é um toque de mestre que poucos artistas sabem dominar, seja em óleo sobre tela, seja em pastel sobre papel.

    A arte de João Egídio é fugaz. A performance é temporária. As flores e as gentes se vão. Isso obriga o artista a estar com sua obra sempre no momento presente, quase que ao tempo da criação. Ao tempo das festas, ao tempo que duram a vida das flores.

    Vale citar um trecho de um dicionário de símbolos, verbete Flor: ‘Para os povos pré-colombianos, os Astecas e os Maias, as flores possuíam uma simbologia sagrada e de perfeição, uma vez que os jardins repletos de flores, para eles, representavam não somente um ornamento, mais estavam associados aos deuses e a criação do universo.’

    A arte de João Egídio toca o divino. A Madeira e João Egídio se merecem.

    Responder
  3. Bożena

    Olá João! Realmente admiro sua arte de arranjos onde, muito embora as flores são as protagonistas, seu génio impar, confere lhes a devida e merecida importância, sempre em lugar do maior destaque. Bem haja amigo!

    Responder
    1. Sofia Rosa

      Deslumbrante todas estas fotografias, São lindas obras de arte vivas!
      Obrigada, por repartir por quem ainda não prevelegiou apreciar ao vivo toda esta beleza!
      Beijinhos

      Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *