Na Escola Espanhola de Equitação

Foi desta que entrei na Escola Espanhola de Equitação de Viena para no seu picadeiro assistir a um espectáculo de cavalos Lipizzano. Estes cavalos de origem andaluza assim conhecidos porque criados na Lipizzia, hoje Eslovénia, por vontade de Carlos II da Áustria,apresentam características únicas para serem usados na aprendizagem dos exercícios da Alta-Escola. É um mundo que me fascina, sobre o qual tenho muito para aprender, assim tenha tempo, o que vale é que cá em casa há quem me leve grande avanço na matéria e logo me explica o que é um piafé, uma passage, uma pirueta, uma curveta, uma capriola, uma levada e por aí adiante. Diz ele que os lipizzanos são barrocos, porque de estrutura arredondada, e eu até acho que faz sentido pelo que vi e apreciei. Tenho é opinião precisa sobre o picadeiro onde o espectáculo se desenrola por cerca de hora e meia perante quem sempre o lota pagando bom preço para estar sentado, havendo uma opção mais acessível para quem queira ficar apeado. Foi Carlos VI quem fundou a Escola Espanhola de Equitação, em consonância com o seu interesse e paixão pelos cavalos Lipizzano , e quem mandou construir o picadeiro, dentro do Hofburgo (palácio imperial) para seu próprio deleite e da corte. Qui-lo barroco, ao gosto da época, porém todo alvo e sem os grandes excessos que o estilo habitualmente exibe, para que a atenção dos espectadores, ainda hoje, se concentre no que ali importa: no trabalho da Alta-Escola Equestre.
Pus-me a pensar no antigo Museu dos Coches e em que como seria magnífico devolvê-lo à sua função original de picadeiro, ao serviço da nossa magnífica Alta-Escola Equestre (na minha opinião superior à austríaca). Por certo dir-me-ão que o espaço não tem mais condições para a função para o qual foi criado, e até podem ter razão, mas que seria uma mais valia para um edifício com história e pergaminhos lá isso seria … até para deleite de quantos turistas e portugueses gostam da Arte Equestre.

2 comentários a “Na Escola Espanhola de Equitação

  1. Luis Dantas

    Sou um seguidor frequente do blog do estimado Goucha. Sempre atual, competente e fidedigno na informação e no pormenor.
    A comunicação para o Manuel Luís Goucha revela/se um processo integral, sério e enriquecedor para todos a que a ela assistem.
    Mais uma vez fomos prendados com uma informação desse tipo, com esta que pormenoriza o tema da Akra escola equestre.
    Obrigado Manuel…
    Para si e para todos os que lhe são queridos, votos de boas festas e de um muito bom ano de 2018.

    Responder
  2. Carla

    Manuel
    Picadeiro majestoso!
    Não sabia que o museu dos coches tinha sido um picadeiro, voltar às suas origens seria uma boa ideia sim, os cavalos tem algo mágico.
    A princesa lá de casa pratica equitação nesta escola http://hipicaconventosaodomingos.pt/fotos.html, adoro assistir às aulas. Não só se aprende a andar de cavalo mas toda uma arte de disciplina, rigor, comando do poder. Ali quem manda é o cavaleiro o cavalo sabe quem tem as rédeas, mas sabe também quando pode ser ele a comandar, existe um elo de força entre o domador/domado.

    Teremos nós um cavalo dentro de nós?
    Será ele a comandar as nossas rédeas?
    Ou seremos nós que temos que aprender a arte de o domar?
    A arte de sermos nós a tomar as rédeas de nossa vida, com pulso , determinação, e quando o cavalo selvagem querer aflorar saber apertar as rédeas e não deixá-lo aceder aos impulsos mais primitivos.

    Abraço
    Carla

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *