(Mais) uma noite na Ópera

fotografia1

fotografia1 (1)

Esta noite, em Verona, canta-se “Madama Butterfly”. Na Arena, onde os grandes do canto já estrelaram. Foi ali que Maria Callas, a mais trágica das divas, se estreou, em 1947, em “La Gioconda” de Ponchielli.

Enche-se a Arena todos os anos, por ocasião do seu festival, que já leva cem edições e mais esta, de sucesso e fama reconhecidos em todo o Mundo. É a grande festa da Ópera, onde esta se assume como espectáculo popular e não de elites.

fotografia3

Esta noite canta-se o drama de Cio-Cio-San, que acaba (para variar, digo eu com ironia, já que esse é o fim da maior parte das heroínas das obras operáticas) por se matar, ao ver-se traída no seu amor. Dizem alguns tratar-se uma “japonecise”, por o compositor ter recorrido a algumas sonoridades orientais, mas sou dos que a tem como das melhores obras de Puccini, dado o requinte da orquestração e a sua fibra dramática. Quem não sentir um brilhozinho molhado nos olhos, uma vez que seja e logo no primeiro acto, deve consultar, com carácter de urgência, um médico especialista. Seu (sua) insensível!

fotografia4

Uma figura feminina, sempre vestida em consonância com o libreto cantado, marca a contagem decrescente do tempo para o espectáculo, a cada cinco minutos a partir dos quinze.

fotografia5

fotografia6

fotografia7

fotografia8

Cada instrumentista vai então ocupando o seu lugar, consoante o naipe a que pertence. É altura de afinar os instrumentos. E é ao “violino di spalla” (primeiro violino) que compete afinar a orquestra antes da entrada do maestro.

fotografia9

Ei-lo que surge, alto, esguio, solene, de “asa-de-grilo” e logo troam os primeiros aplausos da noite.

fotografia10

Baixam-se as luzes, bruxuleiam velas nas mãos dos que estão nas bancadas, que esse é hábito na Arena de se celebrarem os primeiros acordes.

Bebe-se o último gole de champanhe. O espectáculo, melhor… a festa, vai começar.
E eu, serei, indescritívelmente, feliz por três horas. É a Arte que me salva!

fotografia-(1)

20 comentários a “(Mais) uma noite na Ópera

  1. Tiago Costa

    De facto a Maria Callas é a mais trágica das divas, afinal ela é a La Divina, só que em Portugal dão-lhe pouco relevo. Só algumas pessoas é que reconhecem a sua importância quer como cantora, quer como rainha do jet set. O programa que apresentou Goucha deu algum conhecimento à Callas.
    Nunca fui à arena de Verona, mas tenho um enorme desejo em ir, aconselha?
    Abraço 🙂

    Responder
  2. Luz Castro

    Boa tarde. Gostei muito deste seu post e, sendo eu apreciadora de Ópera e de Itália, muito embora ainda não tenha ido a Verona, pode aconselhar-me, por favor, quais os melhores lugares da Arena (reparei que há bilhetes desde 185€ para o festival de 2015 mas julgo que os de 120€ também deverão ser bastantes bons), se é necessário comprar já, etc. No fundo o que estou a pedir, caso possível, é se me pode aconselhar no planeamento de uma possível viagem a Verona com o propósito principal de assistir a uma das óperas, já que o MLG é experiente neste itinerário. A viagem seria para 4 pessoas.
    Obrigada e um abraço.
    Luz

    Responder
    1. Mlg

      Os lugares da plateia são realmente os mais caros. Sendo que todos eles são bons. Mas também os das bancadas, mais acessíveis, são bons, sobretudo os que estão entre a parte mais baixa e o meio da bancada. Mas sem dúvida que os lugares da plateia são os melhores. Um beijo.

      Responder
  3. felicidade oliveira

    Manuel Luís gostei imenso do que escreveu e fotografou. O espectáculo deve ter sido maravilhoso, com muito encanto e magia. Um beijo

    Responder
  4. Angelina de Fátima da Silva Reis Ribeiro

    Olá Manel,
    Estive em Verona em junho, quando fiz a minha a minha viagem pelo sul da Europa. É uma cidade bonita e encantadora: adorei a casa de Romeu e Giulieta. Visitei o Coliseu, que achei interessantíssimo, não para um concerto, mas mesmo para conhecer. Excelente.
    Continuação de boas férias e um beijinho para si.

    Angelina de Fátima

    Responder
  5. Alda Peixoto

    Manel todos os dias o vejo na tv mas encanta-me ler o que escreve…e escreve tão bem…adoro principalmente as suas crónicas de viagens porque da maneira como as descreve, as fotos que coloca, eu também viajo um bocadinho. Obrigada pele sensibilidade que põe na sua escrita e a maneira culta como descreve todos os lugares por onde passa.

    Responder
  6. MLG

    Se um dia voltarem a Verona, diga-me com antecedência. Farei questão de vos oferecer bilhetes. O festival realiza-se sempre entre Julho e Setembro. Fica prometido.

    Responder
    1. Marina Maia

      Sempre uma simpatia, gostaria sim de voltar a Verona, quem sabe um dia!!!
      Um abraço (porque sei que beijos não são o que mais gosta)
      Um final de féria maravilhoso!

      Responder
  7. MLG

    Há já vários anos que procuro não faltar. Este ano vi esta(estas são fotos da terça-feira passada) e anteontem vi a Carmen de Bizet. São noites maravilhosas. Um abraço aos dois.

    Responder
  8. Marina Maia

    Estive aí em Junho e falei, eu e o meu marido em si…e já nos tínhamos questionado se o Goucha este ano iria à Opera. Amámos o Coliseu, e também gostávamos imenso de assistir a um espectáculo, mas infelizmente a vida não nos permite, já ir a Verona e Veneza foi o realizar de um sonho!
    Obrigada por partilhar connosco!!!
    Abraço carinhoso!
    Marina (uma admiradora)

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *