Gente da “minha” terra!

No ano passado houve festa religiosa mas faltou a romaria que o tempo não esteve de feição, ficou para este ano a minha ida e assim foi. Como sempre na segunda-feira de Pascoela é dia de se ir à Senhora dos Prazeres, no cumprimento de uma tradição antiga de mais de duzentos e cinquenta anos, a fazermos fé em textos documentais que da romaria falam e da sua origem, podendo esta estar numa praga de gafanhotos que só acabou por intercepção da Senhora, escutadas as preces de quantos viram as suas colheitas afectadas. A tradição esteve interrompida durante muitos anos, devido à trágica morte de um jovem no decorrer da romaria, mas em boa hora a Câmara Municipal de Monforte por iniciativa do seu presidente, Gonçalo Lagem, a recuperou em 2006.

romaria1

romaria2

romaria3

romaria4

romaria5

romaria6

romaria7

romaria8

romaria9

romaria10

Cedo se concentram os romeiros à saída da vila para Elvas, monfortenses na maioria, ainda por cima sendo o dia feriado municipal, mas também vêm de Veiros, de Santo Aleixo, de Assumar, de Arronches e até de Campo Maior.
romaria11

romaria12

romaria13

romaria14

romaria15

romaria16

romaria17

romaria18

romaria19

romaria20

romaria21

romaria22

romaria23

A cavalo, em carroças e tratores agrícolas, tudo engalanado a folhas de eucalipto, palmas e ramos de giesta, dirigem-se os romeiros para os Prazeres, lugar da freguesia de Monforte, não sem paragem nas Alvarianas para abastecimento de comes e bebes, que os produtores da região fazem questão de oferecer os seus melhores produtos: queijos, enchidos, vinho…, para além das merendas que se levam de casa.

romaria24

romaria25

romaria26

romaria28

romaria29

romaria30

romaria31

romaria32

romaria33

romaria34

Segue a romagem em direcção aos Prazeres, que aos locais, a bem dizer uma vintena, muitos se juntam de outras terras próximas, até idos de Lisboa mas com o coração e raízes neste chão, para receberem os romeiros. É hora da celebração da eucaristia em honra da Senhora que há-de depois sair em procissão.

romaria35

romaria36

romaria37

romaria38

romaria39

A festa popular continua em “barracas” de muitos comeres. Açorda e porco no espeto na da Câmara de Monforte, ensopado de borrego na da Irmandade da Senhora dos Prazeres. E muito mais, que não faltam grupos cada um com a sua mesa farta e bem regada. Estalam risos e cantorias num abraço fraterno, sem preconceitos ou diferença de classes. E mais uma vez deixaram-me ser um deles!

A reportagem da romaria poderá ser vista na próxima sexta-feira, no Você na TV.

10 comentários a “Gente da “minha” terra!

  1. Cristina Gago

    Muito bem,, Manuel!
    Mostrou que o Alentejo é lindo e se fazem boas festas.
    No entanto, é uma grande tristeza, no dia-a-dia verifica-se que há cada vez menos gente a viver neste belo Alentejo.

    Responder
  2. Uma admiradora

    Querido Manuel,
    Admiro a sua sabedoria e a forma engraçada e muito inteligente como aborda os mais diversos assuntos no Voce na TV.
    Percebo que é uma pessoa de bom coração, basta ver a forma como trata as pessoas que o abordam; sei também que adoptou vários animais abandonados e que na sua quinta tem alguns animais (cavalos, ovelhas, cães) que trata com o maior carinho.
    Estou a comentar este artigo porque fiquei um pouco triste por o Manuel estar a dar tempo de antena a uma festa (vi também a reportagem no Voce na TV) onde ainda se utilizam os animais para tracção de carroças. O que me chocou ainda mais foi ver, numa das imagens da reportagem na TV, um dos homens bater com o chicote num burro/cavalo para este andar e depois rir-se para o “cameraman”. Acho que este tipo de imagens não se coadunam com a conduta que o Manuel demonstra e tenho a certeza que o Manuel nunca faria algo idêntico.
    Aproveito para lhe sugerir, em contrapartida a esta reportagem, que dedique algum tempo de antena do Voce na TV a “educar” o povo português no que respeita a causa animal – por exemplo, reportagens sobre os abrigos de animais abandonados (provavelmente este será o destino de alguns dos animais que foram usados nesta romaria, quando já não servirem para trabalhar!) e as dificuldades que as associações enfrentam todos os dias para dar uma vida melhor a estes seres.
    A televisão e o seu programa podem ser um veiculo para a mudança de mentalidades do povo português.
    Obrigada antecipadamente.

    Uma admiradora que (felizmente) vive num pais onde os animais sao respeitados.

    Responder
  3. Maria Emília Cunha Lopes

    Vou tentar outra vez para ver se dá. Obrigada Manel pelas fotos,alegres e cheias de vida. Fiquei a conhecer mais um pouco dos nossos costumes. Se não fosse o Manel não conhecia nada. Obrigada mais uma vez. Um abração.

    Responder
  4. Maria isaura

    Olá Caro Manuel Luis,então também foi á procissão? se foi fez bem,pois para mim é o melhor da festa ,pela sua beleza…estava vestido mesmo para a ocasião! Desejo-lhe uma óptima noite de sono e durma com os anjos e sonhe comigo!!!KKKKKKK Até amanhã Bjs

    Responder
  5. Laura Pereira

    Olá Sr.Manuel Luís Goucha , passei aqui só para lhe agradecer por estar a partilhar com toda a gente deste país e fora de Portugal as tradições alentejanas , as minhas tradições , tenho 18 anos e tenho imenso orgulho de todas estas tradições , desde as procissões as festas , as pessoas , os cânticos ..Mais uma vez obrigado Sr. Goucha por tudo , da próxima vez que passar por vaiamonte espero encontra-lo. Beijinhos . Laura

    Responder
  6. Maria Sousa

    Olá Manuel
    Que linda romaria, as Senhoras são todas muito bonitas e alegres. Acho que foi um dia muito bem passado na companhia das gentes do Povo.
    No meu tempo de criança estava sempre à espera do dia da espiga, íamos apanhar a espiga pelos campos e havia também uma procissão muito bonita, era um convívio muito agradável, entre as famílias e os da terra. A minha querida Mãe fazia um pão-de-ló muito alto e gostoso, que levávamos para o campo onde lanchávamos e havia troca de comidas entre as pessoas. Muito bom, tenho pena desses tempos já terem acabado.
    Quando vi esta festa lembrei-me desses bons momentos, as pessoas são francas e amigas umas das outras, unem-se e esquecem as adversidades da vida. Ainda bem que o Manuel foi e aposto que gostou muito da simplicidade, da alegria e felicidade dessas gentes.
    Um abraço e viva tudo o que lhe dê prazer.
    Maria Sousa

    Responder

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *