Foi há (quase) sessenta anos!

visita rainha postal

Cresci ouvindo a minha mãe a recordar a primeira visita de Isabel II de Inglaterra a Portugal, há praticamente sessenta anos. Craveiro Lopes era o Presidente da República e Salazar governava, presidindo ao Conselho de Ministros. Pelo visto foi coisa que a marcou, pelo fausto e pompa, que Salazar não terá olhado a despesas a ponto de ter sido aquela a recepção mais grandiosa que, até aos dias hoje, alguma vez o Estado organizou. O intuito de agradar à soberana era claro: realçar a imagem do país enquanto potência colonial, e tentar minimizar os estragos, aos olhos da comunidade internacional, pela venda do volfrâmio aos alemães, no decorrer da Segunda Guerra Mundial. Estávamos em 1957, Portugal continuava a ser governado autoritariamente, quando na Europa sopravam ventos de mudança.“Oficialmente o pretexto da deslocação era o de Isabel II retribuir a visita de Estado que Craveiro Lopes efectuara, em 1955, a Londres”
(1).

Naquele dia ninguém trabalhou no concelho de Lisboa e foram aos milhares as pessoas que acorreram ao Terreiro do Paço para ver chegar a rainha. Isabel II havia desembarcado na base do Montijo dois dias antes para, a título privado, encontrar-se com Filipe, seu marido, de regresso de uma visita de quatro meses à Austrália, Nova Zelândia, Malvinas, Gambia e Gilbratar, e seus amigos portugueses, entre os quais os duques de Palmela, de quem era íntima desde o tempo em que estes haviam sido embaixadores no Reino Unido.

image
image

Isabel II desembarcaria no Cais das Colunas, trazida no bergantim real que D.Maria I fez construir para o casamento de seu filho D.João, futuro D.João VI, com Carlota Joaquina, também por isso conhecida como galeota D.Maria I. A embarcação, já antes usada em outras visitas como a do rei Eduardo VII, bisavô de Isabel II, movida a quarenta remos, distingue-se pelos trabalhos em talha dourada que exibe, não tendo isso passado despercebido à soberana que terá afirmado: “Coisa tão bela deve estar num museu!”. E com efeito passaria a estar, meia dúzia de anos depois, quando o Museu de Marinha, o segundo mais visitado dos museus portugueses, abriu as suas portas, ali ao Jerónimos.

bergatim_museu1
bergantim_museu2

bergantim_museu3

bergantim_museu4

bergantim_museu5

www.museu.marinha.pt

A minha mãe sempre falou da magnificência da tribuna onde decorreu a cerimónia de boas vindas, com uma parada de seis mil homens e duas bandas, a da Marinha e a da GNR. Foi ela concebida por Leitão de Barros, nome celebrado do regime, enquanto cineasta, jornalista,
pintor e político. “Tribuna e dossel em madeira entalhada, com cetins dourados, veludos vermelhos e panejamentos D.João V. Raios infravermelhos aqueciam o local, o que levou Salazar a considerá-los, pelo seu custo, um exagero no orçamento” (2).

image

Concluída a cerimónia iniciar-se-ia o cortejo pelas ruas de Lisboa, até ao topo do Parque Eduardo VII, por entre as aclamações de quantos as enchiam. Para tal foi usado, pela última vez, o Coche da Coroa, sumptuosa carruagem inglesa de oitocentos, puxada por quatro parelhas de cavalos. A seu lado sentava-se Craveiro Lopes. Num segundo coche seguia o Príncipe Filipe e Berta Craveiro Lopes.

“Chegaram a alugar-se janelas por 1.500 escudos para ver a monarca” (3).

O Coche da Coroa pode ser apreciado no novo Museu Nacional dos Coches.

coche1

coche2

coche3

coche4

coche5

www.museudoscoches.pt

“Isabel II apenas fez um discurso, no Palácio da Ajuda, onde decorreu o banquete oficial. O jantar servido pelo Hotel Aviz (a unidade hoteleira por excelência do país, onde mais tarde Calouste Gulbenkian viveria) constou de caldo aromatizado, salmão do Minho com molho
verde, galinha à moda do Convento de Alcântara (se bem que a receita original seja feita com perdiz. Diz-se que foi por não haver perdizes já que a época da sua caça tinha terminado), doce de natas com amêndoa do Algarve, frutos e vinho de consumo e Porto” (4)

banquete1

banquete2

banquete3

“Majestosa, a Sala dos Jantares Grandes, a maior do palácio, atraiu as atenções da rainha pelas magnificas pinturas e fresco do tecto, pelos lustres de cristal e pelos vários tocheiros em bronze. Os seus reposteiros são em damasco e rendas suíças, e as paredes revestidas a seda creme. A gigantesca mesa de refeições continha 200 cadeiras lacadas, encomendadas por D.Carlos para a visita oficial, em 1903, de Eduardo VII de Inglaterra” (5). Foi usada a célebre baixela Germain, impressionante conjunto de mesa de grande aparato, em prata, encomendado pelo rei D.José ao ourives francês Francois-Thomas Germain. Devo acrescentar, em jeito de curiosidade, que esta nossa baixela fez parte, há alguns anos, da exposição das mais importantes baixelas reais que ocorreu no Palácio de Versalhes.
Ali na Sala de Banquetes do Palácio da Ajuda, que continua a ser usada para as grandes recepções do Estado, está patente o bom gosto e o apurado sentido estético de Maria Pia de Sabóia, mulher de D.Luis I. Ao tempo do reinado do pai de D.Carlos este foi o palácio da corte e
hoje deve ser visitado também por se tratar do mais impressionante museu de artes decorativas do nosso país.

banquete_ajuda1

banquete_ajuda2

banquete_ajuda3

banquete_ajuda4

www.palacioajuda.pt

(1)(2)(3)(4)(5) trechos do recente livro “Os dias portugueses de Isabel II”, de António Simões Brás, da editora Parsifal, cuja leitura aconselho.

livro_isabelII

goucha

10 comentários a “Foi há (quase) sessenta anos!

  1. Carla

    Manuel
    Adorei, tudo!
    Bela reportagem, além do mais um passeio prazeroso para os 2.
    Hoje vou ao lançamento do livro de Helena Sacadura Cabral, a leitura faz parte do meu dia a dia, tenho aprendido muito com ela e com os seu livros. É como o Manuel são boas energias.

    “Gosto de Gostar”
    HSC

    Abraços aos 2
    Carla

    Responder
  2. Teresa Maria

    Olá Manel Luis,
    Lindas as fotos que colocou!
    Quando os meus filhos eram pequenos eu mostrei-lhes todos os museus ao fim de semana, tínhamos sempre um programinha desses e ainda hoje se lembram. Vou começar a fazer esse mesmo programa agora mas com a minha neta Constança que já tem 4 anos e está na altura de começar a saber a nossa imensa história.
    Um abraço e obrigado pela partilha.
    Teresa Maria
    http://palavrasdacoral1.blogs.sapo.pt

    Responder
  3. Madalena Ferreira

    Olá MLG,

    Adorei as fotos, o modo como faz o relato dos acontecimentos, enfim gostei … gostei!
    Isto, é História de Portugal que a maioria dos portugueses desconhece,
    infelizmente!
    Obrigada pela partilha!

    Um abraço

    Responder
  4. mario simoes

    Parabéns Manuel ……Sempre disposto a dar mais de si neste seu blog…
    E bom ler estas suas linhas pois sinto pelo seu escrever que da o seu melhor em tudo o que escreve….
    E bom tê-lo por perto pois assim sabemos muito mais da nossa própria historia……
    Muito obrigado

    Responder
  5. Maria Martins

    Adoro acompanhar os seus relatos de elevada qualidade de cultura com muito bom gosto e pormenor. Sempre com fotos de alta qualidade. (Fotógrafo e máquina de muito boa qualidade).

    Responder
  6. Nuno Dias

    Relato muito interessante para quem, tal como eu, gosta de história e, sobretudo, de realeza 🙂 Sem dúvida que deve ser um livro muito interessante e a embarcação recorda muito as usadas no Jubileu de Diamante da Rainha Isabel II.

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *