Em Fátima

Não estarão à espera que acredite nas aparições de Fátima. Sei da História, isso sim, que, há cem anos, o Mundo estava em guerra e o comunismo era uma ameaça real na Europa, que, em Portugal, a Igreja havia sido espoliada pela República instaurada sete anos antes, logo a começar pela lei de Afonso Costa, da separação do Estado da Igreja, que os padres do alto dos seus púlpitos ameaçavam com as chamas do inferno e incutiam o temor a um Deus castigador… por isso estariam criadas a condições para um avassalador fenómeno de religiosidade popular a partir das visões de três jovens pastores analfabetos, como aliás seria a maioria da população. A ignorância e o medo sempre criaram deuses.

Na Igreja actual são cada vez mais os que falam de visões e não de aparições, quando se referem a Fátima ou a Lourdes. É o próprio cardeal Ratzinger, então ainda Prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé, futuro Papa Bento XVI, quem escreve sobre esse “ver interior” num texto de 2000 por ele assinado: …”É claro que nas visões de Lourdes, Fátima, etc, não se trata da percepção externa normal dos sentidos: as imagens e as figuras vistas não se encontram fora no espaço circundante, como está lá, por exemplo, uma árvore ou uma casa”. Esclarece porém que esse ver interior não se tratará de fantasia, enquanto mera expressão de uma imaginação subjectiva: “Significa antes, que a alma recebe o toque suave de algo real mas que está para além do sensível, tornando-a capaz de ver o não-sensível, o não-visível aos sentidos: uma visão através dos sentidos internos”…

As minhas memórias de Fátima começam a 13 de Maio de 1967, precisamente há meio século, com a vinda de Paulo VI. Acompanhei tudo pela televisão, da chegada do Papa à base aérea de Monte Real até à procissão do adeus à Senhora, que é quando a imagem de José Ferreira Thedim, esculpida em 1920, parece deslizar num mar de lenços brancos, entre preces e louvores. Não se sabia, que era para isso que existia a censura, da tensão política que a preparação da visita de Paulo VI tinha causado nos já caducos governantes de então. Salazar não terá gostado que o Papa tivesse visitado a União Indiana, três anos antes, já esta havia invadido e anexado os territórios de Goa, Damão e Diu, mas acaba por procurar capitalizar o sucesso da visita papal, no sentido de ultrapassar o crescente isolamento internacional a que o país estava votado dadas as suas políticas, particularmente a colonial. Um milhão de pessoas deslocou-se ao Santuário numa grandiosa jornada de Fé e Devoção, precisamente o mesmo número de peregrinos que é esperado amanhã para o encontro com Francisco, (em Fátima, também ele peregrino), Papa dos afectos e das palavras simples, por isso também revolucionárias, que tocam o coração. Cinquenta anos depois o Mundo tem novamente os olhos em Fátima. Mas o Mundo não é mais o mesmo! A Ciência abre caminhos contra velhos preceitos, fazendo-nos entender coisas que durante gerações foram remetidas para o Divino e muitos de nós, muitos mesmo, não têm medo de fazer perguntas.

Partindo desta premissa, foi desafiante o trabalho que esta manhã me coube realizar, integrado numa equipa de jornalistas de excelência, da TVI, no dia da chegada do Papa Francisco, véspera das celebrações dos cem anos de Fátima. Fi-lo com o mais profundo respeito por quantos através da Fé encontram a Alegria, a Esperança, o Caminho. A Paz necessária de que tanto fala Francisco, e pela qual vem também a Fátima, começa no coração de cada um. Aquietado no respeito pelo outro, por tudo o que o torna único e irrepetível, será o coração um digno mestre e o mundo terreno o lugar certo para uma vida plena. Esta é a minha Fé!

fatima_goucha fatima5 fatima4 fatima1 fatima2 fatima3

100 comentários a “Em Fátima

  1. Conversas de Ignorantes

    Olá MLG,

    É com satisfação que leio esta crítica racional, consciente e cuidada àquele que é um dos fenómenos mais espantosos que anualmente assola o nosso país. Os famosos “milagres” de Fátima marcam culturalmente o nosso povo e até a maneira como somos encarados lá fora em certos locais mais associados à religião. Folgo imenso em ver que não estou sozinho em ter uma perspectiva mais crítica deste traço da religião e considerar que esta é o que cada um faz dela, e não o pão-nosso-de-cada-dia servido por um organismo central e comprovadamente corrompido.

    Esta é, parcialmente (mas de forma mais assertiva, digamos), a posição que defendo na podcast em que participo, e que gostava de partilhar com o Manuel, mesmo que acabe por não ver este comentário, por não ter “paxorra” para “mais 3 malucos que pensam que as suas conversas têm interesse”, ou que ache simplesmente de mau gosto aproveitar este espaço para um bocadinho de auto-promoção. Se incomodamos, peço já desculpa, mas como o tema vem mesmo a calhar…

    A podcast chama-se “Conversas de Ignorantes” e discutimos a questão da religião no episódio 1, que pode encontrar aqui: https://soundcloud.com/conversas-de-ignorantes/episodio-1-o-objectivo-da-vidae-a-praxe?in=conversas-de-ignorantes/sets/conversas-de-ignorantes

    Temos conversas sobre todos os assuntos, desde o objectivo da vida até algo conhecido como “speedruns”. Somos três ignorantes a deambular pelo percurso perdido da vida, muitas vezes caindo em filosofias baratas de bolso…mas achamos que talvez haja por aí pessoas que apreciem um pouco da nossa insanidade individual e colectiva!

    Assim, deixo aqui alguns links para as nossas páginas, na (provavelmente vã) esperança que o MLG aprove este post :)

    Soundcloud: https://soundcloud.com/conversas-de-ignorantes
    Feed iTunes: https://itunes.apple.com/pt/podcast/conversas-de-ignorantes/id1239222148?l=en
    Youtube: https://www.youtube.com/channel/UCVrMBwGq_oExs-4ZjK2jzbg
    Facebook: https://www.facebook.com/conversasdeignorantes/
    Contacto: conversasdeignorantes@gmail.com

    (Todos os nossos episódios possuem timestamps para que facilmente se tenha uma ideia geral dos assuntos discutidos)

    Obrigado pelo tempo perdido a ler esta longa parede de texto, Manuel Luís Goucha. Espero que continue, como sempre, são, incisivo, racional e, sobretudo, alguém que muitos de nós aspiramos a ser — pelo carácter. :)

    Responder
  2. António Conde

    Caro Goucha

    Faço minhas as tuas palavras e poderia ir muito mais além para expressar a minha total descrença em relação ao fenómeno de Fátima.
    O problema é que o que começou com um enorme embuste acabou por se tornar um evento de grande expressão de fé popular que acabou por ultrapassar a própria vontade da igreja. Apesar de nem no próprio Vaticano se acreditar nas aparições o fenómeno atingiu tais proporções e tornou-se tão rentável para a igreja que esta deixou de ter coragem para acabar com a mentira.
    Eu respeito a fé de todos quantos acreditam e vão a Fátima em peregrinação tal como respeito a fé de todos os crentes de outras religiões e apenas lamento que em pleno século XXI a igreja ainda se aproveite de forma despudorada e hipócrita da crença das pessoas.

    Responder
  3. João Paulo Oliveira

    Olá Manuel
    Todos nós temos direito às nossas opiniões, crenças e gostos!
    À procura! Quem é que não anda?
    Sou católico, porque nasci de pais católicos, fui batizado, fiz a primeira comunhão e solene e se DEUS quiser a minha filhota fará a primeira comunhão no dia 04-06-2017.
    Mas há uma verdade que para mim é inquestionável!
    DEUS não é ser católico nem de qualquer outra religião, aliás eu prefiro dar corridas matinais sozinho ao domingo pela natureza, porque é assim que me encontro com Deus!
    Poderão perguntar: “Então porque pões a tua filha na igreja?”
    Pois para mim a igreja é um dos caminhos para DEUS!
    A palavra de DEUS nunca é demais nas nossas vidas!
    Pois, eu também ando à procura e nem por isso sou agnóstico!
    Tenho fé e acredito no CRIADOR!
    Certeza! Quem é que a tem?
    Mas uma coisa é certa! Uma possível inexistência de DEUS aterroriza-me, tira-me as forças e a vontade de viver, porque se eu não poder contar com ele, então meu amigo estou (estamos perdidos), porque ao contrário daquilo em que o Manuel tem fé, na humanidade é que eu não acredito e muitas vezes só peço a DEUS que me livre de nós!
    Ter fé nos homens? Acha mesmo?
    Um grande abraço!

    João Paulo Oliveira

    Responder
  4. Isabel Correia

    Boa tarde MLG,
    Não tenho por hábito ver os programas da manhã, mas por uma feliz casualidade, a minha chefe foi convidada para ir ao seu programa da manhã mostrar o que a empresa dela faz e os dois últimos lançamentos (Terra Lusa – os sacos da calçada e da azulejaria do séc. XVIII).
    Fiquei fascinada, primeiro com a sua espontaneidade em off ao falar do seu conhecimento sobre os bordados de Castelo Branco (porque tinha uma colcha que mandou restaurar), depois com o seu espanto, que me pareceu realmente verdadeiro, ao perguntar para alguém (via auricular) porque é que nunca tinham convidado a Terra Lusa antes…
    Tenho que lhe pedir desculpa por o ter “julgado” tão pouco, mas depois do programa – e principalmente com o que disse em off – fui à sua procura na net e cheguei ao seu blog! ADOREI! Espero sinceramente que continue a presentear-nos com os seus pensamentos, opiniões, factos bem estudados… OBRIGADA!!
    IC

    Responder
  5. Raquel Silva

    Olá Manel!
    Li a sua opinião sobre o milagre de Fátima, tenho a mesma opinião. A minha mãe era católica e com muita fé na Nossa Senhora de Fátima, o meu pai ateu que apesar da minha mãe ter sempre um desgosto de ser só casada pelo registo,e sendo um casal muito unido o meu pai não lhe deu esse gosto.Porque era verdadeiro com ele mesmo. Eu fui baptizada e fiz a primeira comunhão. E ficou-me algo que sinto, que será a minha fé.
    Mas verdadeiros milagres seria por exemplo alguém não ter um braço e ir com muita fé pedir para ter o dito, acontece que isso nunca aconteceu, a fé ajuda a ultrapassar momentos difíceis somente.
    Desde muito nova que eu me interrogava. A humanidade vai evoluindo e a parte científica dá o seu parecer, mas cada um entende como quiser. O interessante é que da sua opinião surgiu uma discussão muito rica, adorei os comentários. O Manel com a sua frontalidade e honestidade, foi o que deu. Obrigada pelo o tema.
    Beijinho
    Raquel

    Responder
    1. Laura Amador

      Saudações ao MLG
      A causa humana – é também e verdadeiramente, o respeito e a liberdade na aceitação pelas diversas religiões e credos sendo que na sua essência exista sempre a palavra e a prática pelo Bem Comum – A PAZ.
      A fé (o acreditar) é pois do praticante, na sua humildade de ser humano, “que olha para o céu” para além das coisas visíveis, para além do racional e da ciência, e deixa-se tocar no seu coração, esquecido da sua sabedoria, pela “brisa mansa com odor a rosas”.
      Quero lembrar apenas uma curiosidade “A era de Maria, profetizada por São Luís M. Grignion de Montfort (1673-1716), duzentos anos antes da aparição de Fátima – previu que, iria ser conhecida e posta em prática a devoção a Nossa Senhora, a fim de por Ela, pertencer inteiramente a Jesus Cristo. (Tratado da Verdadeira Devoção à Santíssima Virgem, Vozes, Petrópolis, 1961,pp. 210-211.)
      Nestes tempos, em múltiplos percursos que a imagem de Fátima fez a outros países, deu-se mais de 50 vezes o curioso fenómeno das pombas. As pombas brancas acompanharam de dia e de noite, ou mesmo escoltando o avião que levava a imagem. Tal fenómeno foi observado e documentado em toda a Europa, América, África e Ásia. “Não se tinha Ela apresentado como Nossa Senhora da Paz?”

      Responder
  6. MLG

    Uma vez mais muito obrigado pelos vossos comentários. Li-os todos com muita atenção e sobretudo agradado por perceber que este é também mais um espaço vosso onde livremente podem deixar as vossas opiniões. Com o vosso contributo, cordial, afectuoso, civilizado, só fico a ganhar como homem e profissional. Recebam todos um abraço amigo.

    Responder
  7. Maria Sousa

    Olá Manuel,
    Pois é mais um tema polémico, uns acreditam outros não, uns são católicos, outros ateus e agnósticos.
    Surpreendeu-me a sua presença em Fátima enquanto repórter, mas gostei da forma como respeitou todas as pessoas, isso também é a mensagem de Deus, respeita o próximo e ama a diferença.
    Nasci em seio católico, fiz todo o percurso, mas respeito o que cada um quer ser, acreditem ou não.
    Entristece-me ver o que se passa no Mundo, tantas guerras, tanta doença, tanta pobreza, mas será que tudo o que está acontecer não é da mão do homem. Cada ser humano devia ter o mínimo de condições para viver, ter um tecto, ter saúde, educação, comida, ser feliz, só que isto não tem nada a ver com Deus, é o homem que é ganancioso, quanto mais tem mais quer, sabe-se lá à custa do quê.
    Aceito todas as opiniões aqui mencionadas, somos livres de pensar pela nossa cabeça ou não.
    Medos todos temos e quando nos sentimos apertados, todos dizemos OH meu Deus ajuda-me.
    Aqui neste Mundo devíamos ser seres melhores e ajudar o próximo, devíamos ser tratados todos como irmãos e toda a riqueza que existisse ser em prol de todos. Quem sabe um dia isso acontecerá.!!
    Bem hajam todos os intervenientes, penso que todos têm razão, somos todos livres de pensar como queremos, desde que não haja ofendas nem se prejudique ninguém.
    Beijo para todos
    Maria Sousa

    Responder
    1. antonio sobral dias

      Maria Sousa: Gostei do seu comentário embora discorde consigo num ou noutro ponto. Interrogo-me muitas vezes sobre a existência do mundo e chego sempre à mesma conclusão : nós não temos capacidade para compreender como surgiu o universo e isso leva muita gente a fazer da imaginação e do seu próprio desejo uma realidade muito discutível. Dentro da nossa lógica de pensamento, há uma lógica que dou por indiscutível: havendo um Deus criador, responsável por tudo o que no mundo acontece como é possível aceitar um mundo de guerras, doenças, infelicidade, maldade, etc, etc ? Ele não tem , disso, conhecimento ? Ele não tem possibilidade de lhes pôr fim ? Estando eu no seu (dele ) lugar, seria capaz de pôr no mundo um bébé cego , doente ou incapaz de sobreviver ? Seria preciso ser um “monstro” para que isso acontecesse . Por esta e outras razões , recuso-me a aceitar a existência desse ser dito “superior” a quem chamam de Deus.

      Responder
  8. Manuel Clemente

    Sr Manuel Goucha o respeito é muito bonito e respeitar os outros è divino.
    O escuro não existe – o que existe a ausência de luz/ O frio não existe – o que existe é a ausência de calor

    Responder
  9. Adelaide Vilela

    Li o artigo sobre Fátima e não vi que a notícia fosse tão desastrosa assim. Não creio que Manuel Luís Goucha tenha grande admiração pela minha pessoa, mas a verdade deve vir ao de cima. Conheço-o pessoalmente desde os tempos do programa: Praça de Alegria. O apresentador, como todos os outros que vivem uma Fé inigualável, teve direito à sua opinião, acreditar ou não eis a questão. É desta feita que respeitam os direitos de liberdade de expressão. No que li Manuel Luís Goucha teve um certo carinho e nobreza de alma ao mencionar o Papa Francisco, que aliás é um Sr. no seio da Igreja Católica. Necessitamos é de paz e ponto final. Obrigada.

    Responder
  10. Jose costa

    Senhor Manuel Luís goucha
    Gostei muito do seu texto e pelo que consegui acompanhar do seu trabalho na sexta feira no recinto do santuário de Fátima também eu me sinto orgulhoso do seu trabalho e de toda a equipa que trabalhou para um dia tão importante para os crentes e mesmo para os não crentes, um dia importante para Portugal é bom ainda existirem profissionais de tao boa qualidade num pais como o meu.
    Respeitando a sua “verdade” só não consigo entender uma frase que o Manuel citou no seu texto.
    ” o medo e a ignorância sempre criaram deuses”
    Parabéns pelo seu trabalho que eu tanto admiro.
    E pedia-lhe so uma pequena explicação por favor sobre a frase que mencionei.
    Obrigado.

    Responder
  11. Miguel Campos

    Boa tarde, estima-se que o universo tenha cerca de 13,7 mil milhões de anos, a terra surgiu há 5 biliões de anos e o ser de origem primata mais aproximado com o Homem há cerca 400.00 anos. Os próprios dinossauros habitaram a terra durante 200 milhões de anos. Qual foi o papel de qualquer Deus neste processo? Porque razão haveríamos de acreditar em histórias contadas há cerca de 2 mil de anos atrás? Alguém acreditaria na história de Jesus se acontecesse nos dias de hoje? Porque razão o homem se acha mais importante que tudo o que já aconteceu no universo ao ponto de encontrar uma explicação divina? Se não existisse o homem, apenas as estrelas, e os planetas e animais irracionais, quem estaria aqui para inventar que Deus existe e que foi Deus o criador de todas as coisas?

    Quem nasce em países ocidentais acredita em Deus, em países árabes em Ala, na Índia em Krishna e por aí fora. Tudo porque algum familiar lhes incutiu essas crenças.

    Tenho 38 anos e felizmente 90% das pessoas que conheço da minha geração têm a capacidade de pensar por si próprias e não acreditar em histórias que lhes foram contadas de geração em geração.

    Responder
  12. Mário Lopes

    Se o Sr. Luís tivesse nascido no século XVI provavelmente seria queimado vivo.
    A ciência mostra como nasceu o mundo e, como foi construído o universo.
    Como é que podemos ter a pretensão de ser especiais no meio de milhões de mundos por esse universo fora.
    Sim sou Ateu, não porque é moda mas sim porque tenho como passatempo a instrução.
    Li agora que um padre quis andar sobre a agua como Cristo, os crocodilos tiveram uma parca refeição. Deve no mínimo ser indigesto.
    Mas o que mais me custa é que as pessoas que sabem a verdade calam-se porque da ignorância de muitos chove dinheiro para as igrejas.
    As igrejas de todo o mundo, de todas as religiões, estão cheias de dinheiro que podia ser utilizado para mitigar a fome de tantos que sofrem.
    Sou Ateu, mas se os crentes ajudassem como eu os mais desfavorecidos o nosso País estava muito melhor. E o mundo também.
    Já agora abram os olhos e vejam sem palas.

    Responder
    1. Maria de Fátima Lopes Meireles

      Gostei muito de ouvir o Sr. Paulo Lopes, e desde há muito muito tempo que aprecio o modo de vida dos ditos ateus, pois fui criada numa família de católicos fanáticos, que rezavam muitos terços, e eram frustrados, e me tiraram liberdade, não me deixaram ser EU própria!
      Acredito no mundo dos espíritos, e quem me atormentou em vida, continua-me atormentando depois da da vida corpórea!
      Sou vidente anónima, mas vejo espíritos!
      O sr. que é ateu talvez tenha uma alma se maculas, pois elas são criadas segundo as nossas crenças!
      Parabéns!!!

      Responder
  13. tristao soares

    Sr. Goucha.
    Concordo com o seu comentário, você explica bem o que pensa e como pensa. Eu fiz a Catequese fiz a comunhão ajudei algumas vezes o Padre na missa aprendi a rezar muito cedo. Como nasci em Braga até nem é de estranhar muito.
    Os meus Pais eram católicos e foi assim que me ensinaram e me deram esses valores, eram pessoas que viviam
    com muitos medos, medos de tudo, e então eu e meus irmãos acreditava mos em tudo que era religião íamos á missa rezávamos e andávamos sempre com uma imagem religiosa ao pescoço. eramos obrigados a ter fé.
    Eramos obrigados a ser religiosos. Quando mais tarde despertei para a vida quando comecei a trabalhar com catorze anos e o sexto ano de escolaridade, tornei me a pessoa que sou hoje, um não crente não acredito em nada divino, acredito só naquilo que o Homem faz, deixe me dizer lhe que o Homem fez Fátima, não foi mais ninguém, Fátima é uma mentira completa que hoje se tornou num centro comercial a céu aberto. Eu sinto me bem como sou, sou um Homem realizado sou um Homem alegre adoro as minhas filhas e os meus netos e considero me um ATEU. Respeito todas as pessoas dos vários credos, coisa que nem todas as pessoas me respeitam por ser ATEU. Como você diz, eu penso pela minha cabeça não pela dos outros. Muitos êxitos na sua carreira, Um Abraço. Tristão Soares.

    Responder
  14. Joaquim Fernandes

    Caro Manuel Goucha,
    Em Setembro terei muito gosto em enviar-lhe um exemplar da antologia “Fátima mais além da Fé” ( ed. Verso da História, 2017), com 18 textos de investigadores nacionais e estrangeiros, com abordagens inéditas e multidisciplinares. Para fazer pensar que é algo que não se faz e nos inibiram de fazer há 100 anos sobre esta questão.
    Cumprimentos
    Joaquim Fernandesa, Ph.D
    CTEC – Centro Transdisciplinar de Estudos da Consciência
    Universidade Fernando Pessoa
    Porto

    Responder
  15. Joaquim Fernandes

    Parabéns pela corajosa postura, num contexto difícil de asfixia e da ditadura da interpretação única, monocórdica ao longo de um século. Fátima mariana, tout court, é um construto cultural-mental fruto da sua época e da ausência de respostas por parte da ciência da época, que abdicou da eventual análise do fenómenos e entregou-os à entidade Igreja Católica que, de bom grado se envolveu na sua dinamização, retomando o peso que perdera momentaneamente com a emergência da I República jacobina e anticlerical.
    Terei muito gosto em oferecer-lhe um exemplar da futura antologia de 18 textos de investigadores nacionais e estrangeiros que sairá em Setembro com o título “Fátima mais além da Fé” ( ed. Verso da História, 2017).
    Cordiais cumprimentos,
    Joaquim Fernandes, Ph.D
    CTEC – Centro Transdisciplinar de Estudos da Consciência
    Universidade Fernando Pessoa
    Porto

    Responder
  16. Anabela Prazeres

    Concordo plenamente consigo e embora não me permita desrespeitar ou modificar a fé de ninguém, gostaria de fazer duas considerações, primeiro creio que aprazia a todo o cristão objectivar a sua conduta através da Bíblia Sagrada e apenas através dela se deve apoiar em caso de duvidas, segundo e assim sendo, a palavra de Deus através da Bíblia é bem explicita: “Não fareis para vós ídolos, nem para vós levantareis imagem esculpida, nem coluna, nem poreis na vossa terra pedra com figuras, para vos inclinardes a ela; (é o caso da imagem da virgem Maria) porque eu sou o Senhor vosso Deus”, ” podemos ler ainda “Não adorarás imagens, nem lhes darás culto; porque eu sou o SENHOR, teu Deus, Deus zeloso “, Face a estas e perante tantas outras passagens bíblicas, devo concluir que, apenas devemos adorar e prestar culto a Deus, única e somente a Deus e quem se ajoelhar perante imagens e as adorar, para além da adoração a Deus é considerada a meu ver, sem querer desrespeitar ninguém, de pura idolatria.

    Não permito-me modificar conceitos ou a fé de ninguém, mais faço duas considerações.
    que vive o contrário de Deus, vive o anti Deus,

    Responder
  17. antonio pina

    Ola.
    Escusado será dizer que á 100 anos o mundo girava entre o sagrado e o profano, logo os miúdos ou viram algo sagrado ou profano, eles não tinham escapatória , aquele dia ditou o destino deles.
    Porque é dois morreram logo? radiação; peste; o quê? é mais um mistério de Fátima (nome árabe), os pequenos tinham que ter visto forçosamente algo sagrado, senão até os comiam vivos. Fechem os olhos e imaginem: estão recuados no tempo 100 anos, são crianças e têm fome, têm piolhos e nem sequer sabem o que significa tomar banho, estão doentes e com frio e para mais em maio que antigamente era o mês das intempéries em especial trovoadas e estão no meio da serra. Acreditem vocês vêm tudo e tudo mesmo.

    Responder
    1. Maria Moreira Mealha

      Francisco e Jacinta morreram da gripe pneumonica, a mais mortal das epidemias de gripe dos últimos séculos. Em Portugal não existiam estatísticas mas nos Estados Unidos, com outros meios morreram pessoas de qualquer idade aos milhares particularmente em 1918.
      A morte destas duas crianças está perfeitamente documentada e não apresenta mistério algum.

      Responder
  18. Maria Paula Borges de Castro da Silva Leite

    Bom dia a todos;
    Sou católica e praticante, e respeito todas as religiões, mas deixo aqui a minha opinião sobre vários comentários que li. Cristo quando veio à Terra a mais de 2000 anos não fui aceite por todos porque cada ser humano acreditava no que lhe apetecia, assim como nos dia. Acredito em Nossa Senhora e nas aparições as 3 crianças, pois se repararmos existirem várias aparições e a crianças. O facto de existir uma Guerra mundial naquela altura a onde pressão sobre o povo era maior levava ao povo a ser obediente ao estado e se aprofundarmos ainda mais sobre os factos sobre a igreja ( ou seja o clero ) exercia uma forte ideologia errada sobre a fé e que só fui alterada no Concilio Vaticano Segundo e que ainda hoje as alterações estão em actual progresso.
    As crianças sempre e ainda hoje são o ser mais simples de coração, em quem podemos confiar um segredo.
    Realmente todos somos ateus em muitas perguntas que não sabemos as respostas e as quais procuramos para tais resposta existe o MISTÉRIO DE DEUS nunca podemos saber mais do que aquele que está a cima de todos os nós, seja ELE O DEUS UNIVERSAL de todas e quaisquer religião. E como podemos ver desde o Papa João Paulo II que a religião cristã vai ao encontro de todos as outras religiões.
    São Tomé um dos discípulos de Jesus Cristo, só acreditava na ressurreição de JESUS se o vi-se e toca-se nas suas chagas; quando JESUS apareceu aos Doze disse a Tomé: ” feliz será aquele que acredita sem ter visto, tu porém podes-me ver e tocar nas minhas chagas…”
    Porém eu vos digo que quando acreditamos e temos muita fé podemos mover até montanhas. Tudo o que está escrito no Antigo testamento não foram escritos nos momentos ocorridos mas muito mais tarde e como foram histórias contadas de gerações para gerações não podemos levar a letra ou seja o antigo testamento é uma das partes mais difíceis de entender tem que ser bem estudada e interpretada a luz da fé; já o Novo testamento também ele escrito mais tarde, pois alguns dos discípulos eram pessoas do povo e não sabiam escrever . E se lermos bem o próprio JESUS fala-nos em Parábolas que são pequenas histórias para que as pessoas entendam melhor a mensagem de Deus quando mandou o SEU Filho único a terra.
    Obrigado Manuel Luís Goucha por este cantinho a onde podemos transcrever as nossas opiniões, e a todos os que transcreveram o que sentem e o que sabem.

    Responder
  19. Ju Guerreiro

    Amigo Goucha, aprecio muito a sua frontalidade e, de certa maneira a sua ‘agnosticidade’ pois como diz não há nada pior que a hipocrisia… Pois eu acho que um dia vai encontrar na sua procura, uma resposta… Quem procura encontra (no momento certo!)… Só lhe queria dizer uma coisa (ou perguntar). Qual é a diferença entre visões e aparições? Se houve visão é porque estava lá, não? Portanto apareceu, certo? Pode não ter aparecido aos olhos de todos, isso é diferente! Uma coisa é ter mediúnidade, a capacidade de se comunicar com a parte espiritual (que, felizmente, temos e prevalece após a morte do corpo físico) e, mesmo que apareça algo, só vê ou ouve quem , para isso, tem capacidade! Se a Senhora apareceu ou não aos pastorinhos? Acredito que sim! Coitadinhos, eles foram tão apertados, tão acossados não só pela classe política como pela igreja! Parece que nem o padre acreditou neles!!! Claro que houve aparições!!!! Para quem viu!!! Visões, tambem(parece!). Os miúdos disseram que a Nossa Senhora lhes tinha mostrado ‘cenas’ de situações, tiros, os padres a cair mortos(?), etc., isso são visões…
    Olhe, amigo Goucha, não acho que o seu texto tenha algo a ser criticado, achei muito bom e claro!!!
    Gostei do texto e gosto de si!!!

    Responder
  20. Ângela

    Bom dia, Manuel Luís.
    Pontualmente venho ao seu blogue porque gosto das suas partilhas, da sinceridade e da genuinidade com que as faz. Contudo, hoje ao ver o início do seu programa, senti-me “forçada” a vir ler o seu texto – que entretanto já tinha visto por aí reproduzidas duas ou três frases de quem procura alimentar polémicas onde elas não existem.
    Vi com seriedade o seu texto… mas tive que me rir de alguns comentários que aqui li, embora não haja muito motivo para isso, e fui lendo na diagonal. Como certamente o meu comentário será motivo de riso para muitos. Adiante.
    Permita-me o que lhe vou dizer: O ML fala mais como católico praticante, não o sendo, do que muitos que assim se dizem ser. Na verdade, e perdoe-me a ousadia, os valores que o ML defende são os que devem reger qualquer cristão: o amor, o cultivar a alegria, o respeitar o outro… Vejo isso perfeitamente espelhado em si. Vejo-o, não sei se corretamente, como um agnóstico teísta.
    Sou católica, praticante, e já estive muito afastada da Igreja. O homem afasta-nos da Igreja.
    O ML fala na época em que viveram os pastorinhos de Fátima e, na minha opinião, é isso que afasta as pessoas da Igreja. A catequese infantil, os conceitos que passam às crianças, que, com todo o respeito, está muito correta para o seu público (crianças), é “um fatinho da primeira comunhão” não serve em adultos. As crianças crescem, o fatinho deixa de servir. Os conceitos que serviram para a criança, não servem para o adulto. A essência é a mesma, o modo como se transmite a fé não serve o mesmo. Somos seres pensantes, que se questionam. Adultos com sérios problemas, desafios… e não é a catequese infantil que ajuda a viver todas essas dificuldades.
    Há dias, no final da semana passada, o ML disse, como já o disse noutras ocasiões, que se Deus existe terá um grande sentido de humor. Concordo totalmente consigo! Acho que não haverá homem que atinja o bom humor de Deus. :) Tenho a certeza que Deus existe. E acredito que um dia também o ML terá essa certeza.

    Responder
    1. Maria Fernanda Alves

      ML desde ja, gostei muito do seu texto e do habitual profissionalismo em Fatima. Desde os 14 anos que penso que Deus deve ter um grande sentido de humor para nos deixar a divagar sobre todas as nossas questoes. Apos ler os textos acho interessante que nenhum dos participantes faz referencia a “morte”. Que Deus “mesericordioso” e este que exibe um sentimento tao cruel e egoista e nos “obriga” a morrer!!! Fa-lo indiscriminadamente nao respeitando idades nem vontades. Sofri muito quando meu pai inquiria: nao fiz mal a ninguem porque tenho que morrer???
      Enfim…obrigada pela oportunidade de nos expressarmos! E saudavel , faz bem a alma!
      Para o Manuel Luis, uma recuperacao rapida, descanse e regresse as nossas casas repleto dessa vitalidade, e alegria de viver contagiosas. Vivo nos Estados Unidos e levanto-me todos os dias as 5 da Manha para assistir ao vosso programa. Um grande beijinho para a sua companheira que como ela disse hoje leva ao peito, do lado esquerdo, um emblema que se chama Manuel Luis Goucha. Que linda e inspiradora a vossa relacao.
      Continue a compartilhar os seus conhecimentos que so nos levam a pesquisar, a querer saber mais, a engrandecer e enriquecer este livro chamado Historia e Vida.

      Responder
  21. Clara Monteiro

    Bom dia,
    admiro a fé dos peregrinos de Fátima, contudo, é uma fé com fundamento errado. Conheço a Bíblia, a sempre atual Palavra de Deus, aliás, em todos estes comentários que li ninguém falou neste precioso livro, que é o livro mais lido e mais vendido em todo o mundo. A Bíblia ensina, em Isaías capítulo 42, versículo 8: “Eu sou o Senhor, este é o meu nome! A minha Glória a outrem não a darei, nem o meu louvor às imagens de escultura”.
    Esta e outras passagens da Bíblia enfatizam o desgosto de Deus por aqueles que dão a glória às imagens de escultura e não a dão a Ele, Senhor e salvador da humanidade. Pergunto: Quem morreu na cruz do calvário por cada um de nós? Foi Cristo ou foi Maria (na imagem de Fátima)? Quando Jesus expirou na cruz, diz a Palavra de Deus que o véu do templo se rasgou pelo meio (Lucas 23:45) ; isto significa que uma nova época era agora iniciada, o tempo da Graça e não da Lei. o véu fazia a separação entre DEus e o homem, só o sacerdote podia chegar a Deus; com a morte de Jesus na cruz, Ele veio abolir essa separação que tínhamos de Deus para agora podermos chegar a Ele diretamente, em oração.
    Um comentador na TV disse ontem, e muito bem, na minha opinião, que a Igreja católica “assou tantos cristãos no espeto da Inquisição”, como pode agora vir apelar à paz, amor, emoção, fé , sentimento, depois de tudo o que fez àqueles que liam a Palavra de Deus e que queriam saber mais do que lhes era permitido?
    Continuo a afirmar: a fé está lá, mas em outro fundamento que não JESUS CRISTO.
    Não posso deixar de salientar uma frase “infeliz” que o Papa Francisco disse: “Todo o cristão tem de ser mariano” , querendo dizer que todo o cristão tem de acreditar em Maria? LEIAM A BIBLIA!! Peçam a Deus entendimento e revelação do Espírito Santo para entender a verdade revelada por Deus aos homens, não a revelada dos homens para os homens.

    Responder
  22. Carla

    Manuel
    Venho de uma família crente, mas no rebanho há sempre uma ovelha ranhosa, logo penso igual a si. Ando na busca, penso por mim. O sermos seres pensantes há um despertar para as questões, duvidar, deixamos de ter pensamentos pensados por outros. Criamos a nossa própria crença , mas respeitando sempre o que cada um escolheu para si.
    O Papa Francisco veste a capa de branco mas por detrás dessa capa existe um homem, esse homem parece-me sensível ao outro, humanista.

    Estava muito elegante, a gravata foi a cereja no top do bolo.

    Abraço
    Carla

    Responder
  23. Transmontana

    Já testei a validade do meu endereço e o seu blogue aceitou, depois de três tentativas falhadas para comentar esta Reportagem. Admiro-o muito pela personalidade e profissionalismo que põe em tudo o que faz, respeitando cada um como ele deve ser respeitado, não deixando, no entanto, de ser quem é: autêntico, genuíno, um verdadeiro Homem com H maiúsculo! Já sigo o seu percurso há muitos anos, desde que começou a escrever numa revista cujo nome já não recordo, até aos dias de hoje. Não perco um programa seu, seja Você na TV, seja o Masterchef, seja uma reportagem qualquer, porque põe tanta qualidade naquilo que faz que eu fico fascinada! E a maneira de escrever? Não tenho palavras para dizer… Continue assim, e vai continuar, porque o Manel jamais será “Maria vai com as outras”, e terá, em mim, uma admiradora incondicional!

    Responder
  24. MLG

    Obrigado a todos pelos vossos comentários. Surpreendem-me alguns por me acharem ateu quando sempre me assumi como agnóstico. É diferente. Não recuso o Mistério, antes vivo na procura. Esse é o desafio. Mas se fosse ateu talvez usasse agora as palavras recentes do Papa Francisco : “antes ser ateu que um crente hipócrita”. Continuarei aqui, como em tudo na Vida, coerente, inteiro, sem mutilações. Pensando pela minha cabeça e nunca pela dos outros.

    Responder
    1. Maria Isabel Rodrigues

      Vou deixar correr “a pena” para lhe falar deste se post.
      Começarei por subscrever em absoluto tudo o que escreveu.
      Sou católica, talvez porque fui criada nesse ambiente. Recebi todos os sacramentos da igreja católica, e hoje vivo a religião católica à minha maneira. Quando quero é posso gosto de ir a Fátima, em qualquer dia do ano porque me sabe bem recolher-me naquele espaço de oração para momentos de reflexão, de interiorização porque sinto que aquele lugar tem misticismo, assim como gosto de percorrer os Valinhos, pela mesma razão e por estar em contacto com a natureza.
      Respeito todas as crenças religiosas, somos humanos e livres de acreditar no que queremos. Já me aconteceu estar em Fátima com pessoas que não sendo católicas estavam ali para meditar, para os seus momentos de reflexão tal como eu.
      Falando do festival, é orgulho para todos nós, os que se sentem verdadeiros portugueses e se orgulham disso, ideologias políticas à parte, ver o nosso País ser vencedora, representado um uma pessoa tão especial. Uma representação fantástica, genuína, humilde, mas acima de tudo valorosa.
      O mês de Maio de 2017, pelas melhores razões, ficará na história deste País à beira mar plantado, pequeno em tamanho mas grande em valores.
      Obrigado Manuel Luís por tudo o que nos transmite quer seja pela escrita quer seja pelo seu trabalho televisivo. Vê-se, sente-se que é uma pessoa culta, que sabe chegar a nós nas suas intervenções.
      Por último, continue a ser a pessoa que é.
      Um abraço.

      Responder
    2. Ju Guerreiro

      Sr. Goucha,
      Viver na procura é muito bom, não se fechar para o que possa vir a encontrar…
      Quando o discipulo está pronto, o mestre aparece!!!
      Talvez, se há tanto à volta deste acontecimento, sempre tenha havido algo, não? Centenas de pessoas presenciaram, jornalistas presentes escreveram sobre o que viram! Não foram só os pastorinhos a ter as ‘visões’, a situação do ‘sol’ a desandar dentro da nuvem…
      Podem não lhe querer chamar aparições(não vejo qual a diferença!) pois, se não tivesse aparecido os miúdos não tinham visto!
      Agora, que só os médiuns possam ter visto o invisível para a grande maioria, não quer dizer que não estivesse lá. Também houve visões – as imagens (premonitórias?) que teriam sido mostradas aos meninos aquando da aparição da Senhora…
      Que, para muitos, é um grande negócio, é! Mas não foi a igreja que começou isso, pelo que se sabe nem a igreja nem os pliticos acreditaram nos miudos, horas e horas de interrogatórios para que se desmentissem…
      Procure amigo Goucha, procure!!! Há muita coisa para descobrir e aprender!
      Ainda estamos todos muito verdinhos!!!
      Gosto muito de si!
      JU

      Responder
  25. Francisco

    Acreditar em Deus ou nas suas manifestações é uma questão de querer e não tanto de poder.
    A pessoa não acredita porque gosta e sente-se orgulhosa em ser ateu e aí está a sua felicidade.
    Uma coisa é acreditar outra coisa é algo existir ou não. Um crente não pode afirmar que Deus que existe, mas um ateu também não pode afirmar que não existe pois se assim fosse todos eram ateus ou crentes. Enbora um ateu também tem fé e acredita que Deus não existe. O importante é que todos somos seres humanos e devemos respeitar-nos uns aos outros de igual para igual. O afirmar ou negar Deus fica na consciência de cada um e observar todo o univero e arredores e pensar e ir sempre recuando, como por exemplo o que foi antes do big bang e antes desse antes e assim por diante e chegam á conclusão que foi Deus o criador de tudo, mas novamente as questões como è que ele é, de onde lhe vem o poder, porque é que ele além de Deus da criação é ao mesmo tempo Deus da destruição, mas será que ele existe mesmo pos há tanta miséria no mundo e ect.
    Todos temos o mesmo destino “acreditar”:

    Acredito na não existência de Deus: http://www.aateistaportuguesa.org/
    Acredito na existencia de Deus: https://www.youtube.com/watch?v=mfNMADnL0L4
    http://www.fathersloveletter.com/
    Você pode pesquisar outros sites sejam católicos ateus ou outros faça como entender. Liberdade é eu poder escolher e respeitar a escolha do outro desde que ambas as escolhas sejam direcionadas para o bem comum da humanidade. Grato pela sua atenção

    Responder
    1. Américo Martins

      Bom dia Manuel Luís , vejo o seu programa é Cristina claro , pois que eu vos gosto de ver . Em relação aos comentários aos seus pensamentos há certas pessoas que não valem mesmo nada , fazem-se valer da boa vontade para se fazerem importantes , enfim
      è o que temos .
      Todos nós sabemos que as revistas só querem vender mas só com coisas não verdadeiras . Um forte abraço e a Cristina um grande beijinho

      Responder
    2. Manuela Domingos

      Gostaria de deixar expresso o meu RESPEITO por alguém que, sendo uma figura pública, se mantém honesto e coerente. Obrigada!
      Nestes tempos de camuflagem oportunistas, cresce o meu respeito por quem é vertical, como sempre.

      Responder
  26. Manuela Vivas

    Bom dia Manuel Goucha.
    Sou Cristã ,de menina até hoje sempre me fez sentido os princípios e o exemplo da vida de Cristo e de Maria.”O meu Deus” sempre foi especial porque era o Deus do amor sem condições, e,era o Deus do perdão. Claro que não havia inferno(está na nossa mente e é necessário ter coragem e sabedoria para substituir padrões de pensamentos que dão origem a sentimentos de raiva,ciume e medo,entre muitos outros).
    Após o exame da 4ª classe disse ao meu pai que se me voltasse a inscrever no colégio eu iria chumbar.Com vontade de se rir disse que ia pensar.Não voltei ao colégio e, mais tarde,deixei de frequentar a igreja pelas contradições da sua história.
    Acredito que somos seres únicos, espirituais ligados a algo de maior(qualquer Deus).
    Cristo foi pessoa com poder mental desenvolvido e ele dizia:”o Reino dos Céus esta dentro de nós”
    Está dentro de nós no nosso coração e nos momentos em que estamos conectados apenas com ele operamos milagres. Tal como nós tudo no Universo é energia acredito no poder do pensamento e a física quântica explica isso. Fátima com tanta gente unida(unidade com Maria e com Deus) em objectivos comuns transmite muita energia que opera milagres. Nas grandes descobertas científica foi utilizada a razão,mas é absolutamente necessária a emoção para a articulação dos constructos (a luz do professor Pardal).
    Ganhamos ontem o Festival Eurovisão porque na letra,na música e interpretação havia emoção.
    Já existem escola em todo o mundo como no Brasil onde existem programas experimentais de educação para que a inteligência emocional seja ministrada nas escolas com a finalidade das crianças se tornem seres mais criativos.
    Erro monumental o dos pais educadores usarem como constante o não faças,mas como costumo dizer fui a mãe que consegui ser e dei o melhor que sabia na altura.
    Obrigadas pelas transmissões televisivas sobre Fátima. Descolei olho do televisor

    Responder
  27. Manuel José Menino

    Boa tarde Manuel Luís,
    Li atentamente o seu comentário e subscrevo tudo o que afirma. Felicito-o pela coragem de publicamente ser tão frontal e enfrentar milhares e milhares de opiniões diferentes e tão enraizadas no povo português. Muitas Felicidades. Um Abraço de Santarém.

    Responder
  28. artesanato

    Gostei da explicação foi linda mas de uma vista de olhos no jw.org bem diz que é ateu mas será de facto eu não acredito mas cada um como do que gosta estou a falar da religião o resto sabemos que é um bom profissional que não vai apresentar em 2018 a Eurovisão

    Responder
  29. carlos Alberto Marques

    Feliz daquele que não é analfabeto,nem ignorante, sou filho de uma mãe analfabeta que começou a servir aos 8 anos para não morrer de fome. Se não fosse certo analfabetismo muitos não ganhavam a vida.
    Como diria São Francisco de Assis; Humildade , Humildade. Humildade, falta muita a maioria dos homens cultos do Mundo

    Responder
  30. Joaquim Morado

    No meio de tanta pobreza e ignorância da época, quão fácil foi fazer uma montagem e induzir 3 crianças a verem e ouvirem aquilo que se queria que elas dissessem, que viram e ouviram.
    Ainda hoje há milhões de lugares na Terra onde isso pode ser feito

    Responder
  31. Maria Júlia

    Verdade, Manuel Luis! Não preciso ver, para crer! Há mais para além do tocar, para além do ver… há o sentir!
    A fé, não se tem, adquirida à nascença ou na hora da concepção (acho eu!). A fé não nos é dada, ou sorteada.
    A fé, começa por ser algo que mexe connosco, nos coloca dúvidas, perguntas, nos questiona constantemente e nos momentos mais inoportunos. A fé, aborrece-nos, inquieta-nos, tira-nos o sono… às vezes deixa-nos perdidos e furiosos!
    Eu, não sei onde busquei a minha. Fui crescendo e ela foi crescendo. Tive a boa sorte de os meus ascendentes familiares serem seres de fé, de interiorização, de meditação. Cresci, a ver a fé ter lugar em mim. Cresci a duvidar. Cresci a vacilar e a questionar.
    Um dia, alguém, particularmente presente no meu crescimento, me disse que a fé precisa de “alimento”… como o amor… como a amizade… como a alma… como o corpo. E atenção. E observação.
    Bom, aqui cada qual inicia a sua busca. Há a leitura, o diálogo, a introspecção, a meditação. Há o fazermo-nos rodear de tudo e todos os que possam alimentar a fé. (Se é isso que queremos, claro, porque é preciso querer). Depois, tudo se processa. Mais perguntas, mais respostas. E desalentos. E revoltas. E dúvidas. E porquês…
    De repente, a razão da vida começa a fazer sentido. Damo-nos conta de muito que não víamos, que não sentíamos e não entendíamos. Se já éramos felizes, somos muito mais! Ficamos mais preenchidos e também curiosos. Ah… curiosos! Sem dúvida! Muito mais curiosos e sedentos! Mas temos de estar sempre atentos e observadores.
    Desculpe. Perdi-me, deixei-me levar!
    Não sendo crente nas “visões” ou “aparições” da Cova da Iria, sei que respeita quem crê. É um gesto de humanidade e elegância. Se for sua vontade, se quiser… não tenha dúvidas, ela vai chegar. Só tem de estar atento e depois não deixar de a alimentar e cuidar.
    Receba o meu abraço. M.J.

    Responder
  32. Afonso Flórido

    Estou de acordo com o comentário de Manuel Luis Goucha, no entanto é lamentável que a igreja muito pouco tenha feito para desmontar este embuste, a igreja no meu ponto de vista devia ser Liberdade, sem peias nem medos, para isto é o esclarecimento, de que Deus está em cada Homem e Mulher, que desaparece quando morremos e vive na continuidade da vida. Porque na verdade, Fátima existiu pela necessidade dos obscurantistas, continuarem o seu poder ameaçado pelas novas ideias, de mais liberdade e justiça, hoje estamos viver um tempo de imposição retrógada, em que a igreja continua a ser, infelizmente, o veiculo usado, para chegar ao local mais profundo do ser humano, o seu subconsciente e os medos e anseios a ela ligados. Com os meus cumprimentos A. Flórido

    Responder
  33. Fatima Cabral

    Olá Manuel Luis, desculpe a minha ousadia mas sendo eu uma pessoa que o admiro a vários níveis, não podia deixar de partilhar consigo o que me vai na alma TRISTEZA. Existe um projecto Mãos que Cantam a quem hoje todos os canais de tv, não deram importância no Santuário de Fátima. São jovens adultos surdos com uma licenciatura feita na Universidade Católica, que trabalharam arduamente para hoje “cantarem” num certo momento durante a missa. Nenhum canal passou as imagens, incluindo a TVI. Por favor veja o site deste projecto e vai compreender tudo. Obrigada e desculpe o tempo que lhe tirei. Assina a mãe de um destes jovens Fátima Cabral.

    Responder
  34. Francisco Chasqueira

    O Sr. Goucha não está obrigado a acreditar em nada apenas no que vê, então qual a sua explicação para o caso desta criança brasileira o Lucas? Os médicos não encontraram explicação. Será que o Sr. Tem?

    Responder
    1. Agostinho Miguel

      Claro que tem. Tem a mesma explicação para a paraplegia flácida completa de um rapaz de 57 anos ( eu ) cheio de saúde, há 10 anos, e que depois de uma passeata à beira-mar, ao preparar-se para um duche, sentiu um
      ” tremelique ” nos joelhos, aí, aí, que não me aguento nas pernas… chão com ele, 17 dias na Cuf infante santo, um dia no hospital de s. José, 8 dias nos Capuchos, três meses em Alcoitão… que lhe aconteceu? Milagre, milagre. Ficou numa cadeira de rodas por… Nadaaaaaaa! E assim continua.

      Responder
  35. Cátia Martins

    Boa tarde, Sr. Manuel Luís. Partilho uma reflexão que me ocorreu, depois de assistir à emissão da TVI.

    “A propósito do 13 de Maio…

    Numa Era em que virou moda ser Ateu – só porque soa bem, porque tem um certo ‘je ne sais quoi’ despretensioso e erudito – há que aprender a definir e respeitar os valores de cada um.

    No meu agnosticísmo ateísta, nutro uma profunda admiração pela Fé, pela crença, a capacidade de sacrifício dos peregrinos e a sua devoção pelo misterioso, o inexplicável. E apesar de não me sentir integrada numa sociedade que estabelece como dogmas o desconhecido, conservo em mim a capacidade de me emocionar e comover perante as manifestações dessa mesma Fé, que não possuo, mas que interpreto como um livro cuja leitura me absorveu.

    Eu sou Humanista, na sua vertente mais filosófica, em que o pensamento se assume como o elemento preconizador de todo e qualquer fenómeno.

    Talvez muitos não consigam entender a minha visão, porque não reconheço uma Divindade ou Poder Supremo, e delego a cada um de vós, no singular, e a Nós todos, num conjunto, a total responsabilidade pelos nossos caminhos.

    E que aterrorizador, não é mesmo?! Ser culpado e benfeitor, o único a quem recorrer nas horas de aflição, sem um Milagre que nos venha salvar. Que solitário pode ser! Que avassalador é reconhecer que estes pequenos milagres estão dentro de cada um de nós, das nossas capacidades, da Ciência, da Razão, dos conhecimentos que a nossa mente cultivou.

    É por isso que eu admiro a Fé, é nesse sentido que ela me comove!

    Dizem que a falta de saber é uma benção, mas o mistério e a devoção exercem em mim o mesmo fascínio dos filmes antigos: posso vê-los, analisá-los, comparar, gostar mais ou menos; mas nunca farei parte deles, nem os terei com quem partilhar, porque o resto do mundo está dividido entre os que não se manifestam e.os que criticam.

    Ah, e se soubésseis como é confortável a vossa crença, talvez não vos restasse coragem para criticar a minha…”

    Muitas felicidades e um muito obrigada por partilhar com Portugal que não somos menos humanos por não sermos crentes.

    Responder
  36. Teresa jorge

    Parabéns Manuel Luís….
    Não se trata aqui de acreditar ou não
    Apenas para lhe agradecer a sua cultura que tão desprezada está por este povinho tão ignorante
    Um grande bem haja

    Responder
  37. ligia

    e um grande senhor ademiro muito com a bela senhora o menina podia ser milha filha fasem uma bela iquipa deus vo de saude para continuar

    Responder
  38. Cremilda Luísa Correia Pinto

    Olá muito boa tarde Sr. Goucha. Pois tenho a dizer que sou vossa fã. É venho comunicar sou Católica mas não praticante tenho a minha fé e respeito seja qual for mas não deixo de respeitar o que disse é pensando bem não deixa de ser uma realidade. Com todo o respeito mais uma vez muito boa tarde e muito obrigada por tudo que fazem por nós mas vossas manhãs.

    Responder
  39. Rosa capelo

    E o Goucha explico2 muito bem ecplicado. Para m mentir?Eu sou católica e temos de nos respeitar uns aos outros,ninguém é melhor k ninguém. Acredito nas aparições, sim,não foi o k me incutiram.
    Lá k é grande negócio isso é!

    Responder
  40. Maria F Carp

    Manuel

    Nao sigo o seu trabalho na TV mas, hoje li o seu blog sobre Fátima e tiro o chapéu à sua coragem!

    Pode ter perdido muitos fans porém, ganhou hoje uma nova admiradora!

    Fernanda

    Responder
  41. Diamantino

    Não estarão à espera que acredite nas aparições de Fátima… começa por escrever. É um atrevido e de má fé…
    Porque não vai relatar um jogo da Primeira Liga do Futebol Americano? Não percebe nada? Mete a viola no saco…
    Porque não vai fazer os comentários de um campeonato Mundial de patinagem sobre Gelo? Não entende nada? Mete a viola no saco…
    Não digo que não tenha as suas opiniões! FAZER OPINIÃO nos MEIOS DE COMUNICAÇÃO SOCIAL?… …
    É MANIPULAÇÃO INDECENTE!!! !!!

    Responder
    1. Maria Luísa Medeiros Silva

      Manuel Luís Goucha, o Senhor é das pessoas que mais admiro como Homem, como apresentador, um exemplo de pessoa livre e liberta, digno de todo o meu/nosso respeito, sabendo falar sério na hora certa e falar a brincar também na hora certa! Ouvi a sua indignação perante um ou outro comentário mais desfavorável e consigo me indigno por alguma “estupidez humana” que em nada mostram ser Cristãos. Parabéns pelo seu magnífico trabalho e aproveito para felicitar a bonita relação com a Cristina, fazendo dos dois uma dupla invencível, do melhor que há! Força! Abraço

      Responder
  42. Diana

    E é por isso que o “Goucha” é um grande ser humano. Admiro lhe a coragem e bravia de poder dizer ao mundo a sua opinião, sempre sob o risco de ser julgado.

    Como cidadã de Ourem nao posso perceber como se esbanja dinheiro numa festividade deste tamanho, deixando se de parte milhares de oureenses sem acesso a cuidados primários de saúde. Ou será que Fátima nos diagnostica e cura das dores e males, em vez das equipas de saúde?

    Um obrigado aos jornalistas, aos agentes de seguranca, aos bombeiros, aos voluntarios…. esses sim.. qur nao tiveram direito a greve e sao os verdadeitos heróis que devenos venerar!!

    Responder
  43. A. Fialho

    Srº. Goucha estou de acordo a 100% com a sua opinião sobre Fátima no entanto não seria de menor importância ter sublinhado que uma grande guerra (1914 a 1918, 1º para alguns) onde morreram milhares de PORTUGUESES em França tenha sido precisamente em 1917 que apareceu a Senhora, em Fátima. Qual o motivo pela qual a senhora não apareceu no inicio da batalha de LALIZ?
    Atenciosamente

    Responder
  44. josé manuel lima

    Olá Manuel
    Gostei muito do texto e admiro muito os agnosticos e ateus, sobretudo quando um dia em viagem num avião, o comandante do mesmo anunciar que a aeronave está desgovernada e se prepara para cair. Nessa altura gostaria de saber quantos ateus e agnosticos viajavam no avião.
    Beijinos à cristininha.

    Responder
  45. Alvaro Silva

    Boa tarde Goucha
    Peço-te desculpa, por te tratar por tu, mas sou um “jovem” da tua idade, que te admira totalmente, sob o ponto de vista profissional, mas só!
    Também somos do mesmo distrito (linda COIMBRA).
    Sob o teu ponto de vista acerca da “pseudo aparição” de Fátima, comungo totalmente contigo! nessa altura ainda não se falava nos óvnis, mas os reflexos do sol pela manhã sobre as pedras com feldspato, já existem há milhares de anos na natureza; mas enfim, cada um enterprete como bem entende.
    Como escreveste, e muito bem, a ciência tem vindo pôr a descoberto a verdade sobre casos reais, que em tempos passados de profundo analfabetismo e da “santa aliança salazar/ceregeira”, eram atribuidos ao foro divino! Felizmente hoje, podemos manifestar a nossa opinião, se acreditamos ou não, em qualquer religião. Eu não acredito em nenhuma! O meu Deus é a mãe NATUREZA, que nos dá, a todos os seres vivos, aquilo que precisamos para viver (hidrogénio e oxigénio).
    Um abraço
    Álvaro

    Responder
  46. Maria Reis

    Concordo plenamente com o Goucha! Basta ver-mos a riqueza e os negócios que vão em Fátima, e mesmo no vaticano! Tanta gente com fome, e esta gente a viver no luxo!

    Responder
    1. Agostinho Miguel

      Dá gosto ver aqueles barrigudinhos, bem nutridos, bem vestidos, à conta da miséria do ser humano, que aliás vai procurando solução para as suas maleitas, ou para as dos seus entes queridos… Adorável, como não têm vergonha naquelas datas…

      Responder
  47. Eduardo Lima

    Depois de ler com atenção, me vejo na obrigação de dizer que comungo da mesma ideia de que tudo não passou de algo que o fascismo criou… no entanto quero acreditar e ao mesmo tempo me sinto dividido, pois acredito em Jesus Cristo acredito que existe algo que nos faz pensar.. algo que deveria unir os humanos na fraternidade, no amor, , mas a verdade é que o humano só pensa em destruir, só pensa no umbigo dele.., espero que um dia a humanidade possa ser melhor….

    Responder
  48. abilio monteiro

    Ola Goucha,gostei bastante da sua publicação a cerca da religião.E muito importante que pessoas como voçe ,figuras publicas não tenham medo de dar a cara contra a hipocrisia vivida dentro das religiões.Espero muito sinceramente que aja mais pessoas com a mesma coragem.
    Os meus cumprimentos.

    Responder
  49. MARLENE

    Bom dia,
    Como o jornalista Avelino Almeida do século eu tendo a acreditar no que vejo mas que algo aconteceu na Cova de Iria, aconteceu … “Resta que os competentes digam de sua justiça sobre o macabro bailado do sol que hoje, em Fátima, fez explodir hossanas dos peitos dos fieis e deixou naturalmente impressionados – ao que me asseguraram sujeitos fidedignos os livres pensadores e outras pessoas sem preocupações de natureza religiosa que acorreram à já agora celebrada charneca.”
    Avelino de Almeida
    Publ.: “O Século”, em 1917

    Responder
  50. Teresa Figueiredo

    Parabéns ! Excelente análise , de um homem culto e que sabe respeitar crenças diferentes das suas! Muito conhecedor da sua história e do fenômeno Fátima ! Adorei conhecer este seu lado! Parabéns Luís Goucha

    Responder
  51. mário ferreira

    não lhe reconheço idoneidade para falar do que não sabe,vá lá fazendo os seus programazitos ,visto não saber fazer mais nada nem produzir qualquer espécie,ganhando muito bem

    Responder
  52. Elsa Novais

    Na minha opinião não faz sentido uma pessoa que não é crente e não acredita no milagre de Fátima estar presente nessa cerimonia, um contrassenso só se pode dar de nós quando se acredita …Bj Manél é a minha opinião, desculpe!!

    Responder
  53. António Jorge Sequeira

    Cada um tem o direito à sua diferença em relação aos demais. Nas convicções religiosas igualmente.
    Acho é absurdo as figuras Públicas virem a Público manifesta-las nestas alturas. Enfim…

    Responder
  54. Mário Ferreira

    O goucha tem a sua opinião mas não lhe reconheço credibilidade para falar deste assunto vá apresentando programas e deixe os outros em paz

    Responder
  55. Cristina

    Foi emocionante ver o Goucha igualmente emocionado com um senhor de canadianas que se deslocou de sua casa a Fátima a pé .. A fé move montanhas..
    Obrigada Goucha por todo o respeito que tem sempre pelo outro.
    Tudo de bom.

    Responder
  56. M Fátima

    Boa noite Sr. Manuel l Goucha,
    Pela primeira vez faço um comentário, apenas para agradecer o seu profissionalismo e num dia como o de hoje, entregou a todos que o seguiram a luz q existe no seu coração.
    Parabéns

    Responder
  57. Rosarinho

    Gostei do seu testemunho.
    Para mim, a religião que cada um professa deveria ser menos relevante em face da espiritualidade.
    O que realmente deve importar é que em cada dia das nossas vidas tentemos ser melhores que no dia anterior, com mais humildade, generosidade e honestidade.
    O Papa Francisco pode ser para nós um exemplo!
    Um beijinho

    Responder
  58. Helena PintoHelena Pinto

    Olá Manel. Gostei muito de o ver fazendo hoje o seu trabalho.
    Sabendo como o Manel nos diz ser agnóstico, gostei de ver
    que até assim se comoveu com as entrevistas. Parabéns.
    A Cristina esteve óptima a fazer a maratona, atrás do carro
    do Papa. Beijinhos aos dois e obrigada pelo v trabalho

    Responder
  59. Ana Simão

    Querido Manel mais um notável trabalho que realizou hoje e como sempre, sou católica mas muita coisa me interrogo como a verbalização da aparição da qual não tenho a menor dúvida pois duvido que três inocentes crianças tivessem a imaginação suficiente para inventar fosse o que fosse, lembro-me do avô da minha amiga Carolina, pessoa reservada, contar que assistiu ao milagre do sol naquela manhã em que a multidão de crentres e descrentes se aglomerou para assistir e onde o sol segundo o relato começou a balançar de um lado para o outro e a cair sobre a multidão que em pânico fugia, as crianças avisaram antecipadamente do fenómeno, Manel existem os crentes e os não crentes que se devem respeitar na sua postura e sencibilidade, gostei de partilhar consigo esta minha visão da história de Fátima

    Responder
  60. Isabel costa

    Olá goucha espero que esteja tudo bem consigo.
    É a primeira vez que comento aqui adorei tudo o que,escreveu a fé cada um tem a sua maneira.
    Beijos tudo de bom para si

    Responder
    1. manuel paiva

      Já fiz vários comentários, que me foram relatados em 1960 por Amigos naturais de Aljustrel .As visões dos pastorinhos, foram originadas por uma ilustre Sra que ao ver os pastorinhos se tapou Ela e o seu (par) com os saiotes brancos que na Época as Mulheres usavam, para não ser reconhecida por Eles.Porque será que os 2 mais novos morreram, e a mais velha foi enclausurada num convento? Porque será que o (milagre) só aconteceu 100 Anos depois, e no Brasil? Então em Portugal não há tantas Crianças que também mereciam ser salvas? Sou um Português que foi batisado e crismado…………Muito me interrogo.

      Responder
      1. Manuel Pereira

        Tem toda a razão Sr. Manuel Paiva mas,
        O Segredo é a Alma do Negócio … e como Vê, este já tem Cem Anos e ninguém o quer abandonar … !
        Cumprimentos…!

        Responder
  61. Carmen Gonçalves

    Boa noite, sabendo a sua posição em relação a qualquer religião hoje simplesmente adorei a sua entrega, sou uma mera fã sua que hoje ainda o ficou admirar mais. beijo para si e para sua “Tininha” que hoje também esteve muito bem.

    Responder

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *