Bichos a monte!

Basta não ir durante três semanas ao monte para ter muitas surpresas agradáveis. Borregos são para aí uns setenta que, entretanto, nasceram, ontem mesmo houve uma ovelha que pariu e é sempre emocionante de se ver. Os poldros crescem a olhos vistos, o Portucale até já se acha garanhão e começa a entusiasmar-se com a Gardunha. Vai ter de ser apartado! E se uma gansa já está no ninho, há dias, chocando sete ovos, sempre com o seu macho por perto, uma outra botou ontem o seu primeiro, pelo que a família de seis vai virar numerosa p’ra aí daqui a um mês. Lá anda a Pesqueirinha, a gata, dando conta de tudo no meio da demais bicharada, não importa o tamanho, mas no comando mesmo só a Azeitona e o Poejo, adoráveis Rafeiros, sobretudo à noite, que é quando verdadeiramente assumem o seu instintivo papel de guarda. Não há estranheza que lhes escape. Que bem que se está no campo!

10 comentários a “Bichos a monte!

  1. Inês

    A verdadeira Natureza é esta, juntamente com a que vive nos nossos olhos.
    No entanto nós, pessoas, quando a deitamos cá para fora livra-nos a alma mas prende-nos a Vida que sonhámos para nós e para os da nossa espécie, bastando para tal escrever a verdade.
    O Manuel Luís é raríssima excepção e por isso tomo esta liberdade num espaço que é seu:

    — EU QUERO OS MEUS OLHOS ASSIM. —

    Sou Jornalista de alma e formação
    E não exerço por honestidade
    Foi em jeito de lição
    Que me disse a escravidão:
    – Não podes escrever a Verdade.

    E por não ter um olhar escravo
    Revejo-me outra vez assim
    Olho p`rós teus meu Gustavo
    E lembro os que quis para mim;

    Vejo o que vi com 6 anos
    O céu e a Terra por descobrir
    Depressa fiz os meus planos
    E o caminho a seguir.

    Nunca quis ser bailarina
    Nem cantora ou princesa
    Nem ministra da defesa
    Nem sequer uma artista,
    Só queria correr Mundo
    Ir lá para ir mesmo ao fundo
    E ser só uma Jornalista.

    E a criança que eu fui
    De cabelo e olhos escuros
    Tem ainda os olhos puros
    Que contam a história que vêem;
    Não as escreve enganadas
    Sejam boas ou magoadas
    Imprevistas ou planeadas
    Nasçam e tragam o que têm.

    (Não estão todos no mesmo saco)
    Mas continuo a perguntar
    Porque deles só quero ver
    Já com óculos mas sem sombra,
    Como é que alguém vende
    Aquilo que não compreende
    Escreve aquilo que não entende
    E larga o que não se compra.

    Há regras no Jornalismo
    Como há p`ra quase tudo,
    Em rádio, por exemplo,
    Não se deve dizer disputa
    Porque quem ouve do outro lado
    Pode ouvir o “diminutivo”
    Da palavra prostituta.

    E não me venham com a história
    De que temos de trabalhar,
    É que eu tenho feito de tudo
    Desde fritar a limpar.
    Agora orgulho, orgulho, orgulho,
    Eu tenho mesmo, é sobretudo,
    De ser fiel ao meu olhar.

    Inês Galego

    P.S.: A Natureza é mais forte do que nós porque somos feitos dela.
    A boa índole não chega e às vezes ( muitas ) quem me dera ser só um qualquer bichinho fotografado nestas lindas fotografias.

    Um beijinho.

    Responder
  2. Raquel Silva

    O Manel, tem uma riqueza de poder desfrutar a natureza juntamente com estes animais.
    São todos eles uma doçura, sinto um grande amor por eles, a tal ponto de não conseguir comer carne, pois ter o prato a frente começo a vizilualisar o seu ar tão doce.
    Podem chamar o que quiserem, mas eu sei o que sinto.
    Amo a natureza. Se vejo uma flor pequenina no chão, por vezes tenho de a fotografar. Está rente aos meus pés, mas está lá, e não deixa de ter a sua beleza.
    É assim que eu sinto, o que me rodeia.
    Um beijo

    Responder
  3. Maria Caro

    Parabéns sr. Goucha por toda essa vivencia de animais campo verde que bom que agradável deve ser viver no Alentejo . Eu também vivi no campo os meus pais sempre tiveram animais poucos tenho saudades desse tempo !! Obrigada por ser o homem que é com o coração do tamanho do mundo gosto muito de si desejo-lhe as maiores felicidades

    Responder
  4. antoniopaulo

    Gosto imenso do monte conheço o sitio pois tenho familia em Estremoz.

    Tudo muito bem assim como o Goucha em que tenho o gosto de o conhecer pois faço com ele as manhas na tvi.

    Inteligente e com muito conhecimento geral quase tudo.

    Sem mais

    Antonio Paulo Gonçalves.

    Responder
  5. Dilva Inocêncio

    Olá, Manuel Luís
    Fiquei encantada com as fotos dos seus queridos animais, e com a vida tranquila rodeada pela Natureza que tem no seu monte
    Tenho uma página no facebook e muitas pessoas tal como eu gostam desse estilo de vida. Gostaria que trocássemos experiências nessa área . Também sei que gosta de arte e património tal como nós, e seria mais um interesse em comum para partilharmos. Aguardamos a sua resposta.
    Dilva Inocêncio

    Responder
  6. M Ascensão Ferros

    Sempre maravilhoso ler o que escreve acerca do que se vai passando no seu fantástico monte! Delirei quando vi o rebanho seguindo a 1@ que resolveu dar uma valente corridinha e os “badalinhos” produzindo uma agradável sinfonia!
    Continuação de sorte e sucessos MLG

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *