Salada Goucha

Um amável espectador fez o favor de me enviar uma colagem de imagens referentes a programas que fiz em televisão e que há muito havia guardado no mais recôndito da memória. Não tenho por hábito visitar o passado, por isso até que foi divertido fazer este exercício de lembrar datas, episódios e sobretudo pessoas que enriqueceram o meu percurso de vida. Recordo estes sempre com um sorriso e grato pelo que me ensinaram e permitiram.


1) As primeiras imagens dizem respeito à minha estreia em televisão, atrevo-me a dizer como apresentador, independentemente da nítida canastrice. Foi no programa “BOTA DAS SETE LÉGUAS”, um magazine para jovens, feito e apresentado por jovens. Cabia-me digamos que a parte cultural, ligada ao canto, ao teatro e à dança. Já então a Arte me arrebatava. Fico a devê-lo a Maria do Sameiro Souto, na altura sub-directora do departamento de programas infanto-juvenis da RTP, superiormente dirigido por Maria Alberta Menéres. Na altura já era actor e estava em cena no Teatro do Nosso Tempo, ali à Praça José Fontana, frente ao !iceu Camões, com a peça para crianças “A volta do camaleão alface”. Foi no decorrer de uma reportagem para o programa “Bota das Sete Léguas” que a Maria do Sameiro me conheceu e, pelo visto, acreditou que eu levaria jeito.

Lembro-me perfeitamente destas imagens. Era um dia de calor abrasador, apesar das gravações terem decorrido no Parque de Merendas, em Sintra. Todo o país “suava as estopinhas” com temperaturas a ultrapassarem os quarenta graus. Por toda a parte esgotaram-se as cervejas e os gelados. E foi nas “bejecas” que acabámos, mesmo não sendo grande apreciador. Quando o calor aperta, uma estupidamente gelada até que vai!.

2) Segue-se um trecho de “A LOUCA DE CHAILLOT”, uma peça de Jean Girandoux, posta em cena com grande sucesso, em 1967, por Luzia Maria Martins, com a companhia “Teatro Estúdio de Lisboa” que fundou e dirigiu junto com Helena Félix, a inspirada actriz que vemos nas imagens. Estava longe de imaginar que faria parte do elenco, quando, anos depois, a peça foi reposta em televisão, com outros actores no desempenho das diversas personagens, à excepção da protagonista, de novo magistralmente interpretada pela Helena Felix, e sob a encenação da Luzia. Na altura, eu fazia parte da companhia teatral e só isso há-de me levar a escrever em breve, de tão enriquecedores e contraditórios que foram esses anos ali vividos no velho Teatro Vasco Santana, à Feira Popular, o mesmo que, mais tarde, Carlos Cruz transformaria em estúdio de televisão. Desta aventura, recordo, a importância que o teatro ainda tinha na programação televisiva, o trabalho ao lado de queridos colegas como o Amilcar Botica, com quem contraceno, e a criativa equipa de realização da RTP, neste caso fundamentalmente constituída por mulheres e liderada pela Cecília Neto. Quão inspirador e revolucionário que foi.

3) Quando houve quem estranhasse, e legitimamente, a minha presença como jurado no MasterChef Portugal, lembrei, onde me foi oportuno fazê-lo, que foi pela porta da cozinha que entrei, a sério, no mundo da televisão, com programas da minha autoria, como “Gostosuras e Travessuras” e “Sebastião come tudo”, onde uma receita era pretexto para a festa com histórias e canções. Também havia sido durante largos anos crítico de
restauração, em jornais de referência como “0 sete”, “O Jornal” e revistas, como a “Sábado”. Havia-me, porém, esquecido desta série que aqui é recordada: “PORTUGAL DE FACA E GARFO”. Com ela percorri quase todo o país, de norte a sul, escutando o saber dos mais velhos no que diz respeito às receitas e às tradições. Muito do que usei na apreciação das propostas culinárias dos concorrentes a MasterChef, em qualquer uma das edições, e sobretudo nos desafios ligado à cozinha da memória, aprendi nessa série, no terreno, sobretudo com as figuras matriarcais que tanto marcam a nossa cozinha tradicional. Trabalhei, então, sob a batuta do Leonel Rodrigues e com o apoio, a nível da pesquisa e dos textos, do Afonso Praça, referência maior de um jornalismo independente, que não pactuava com o boato, com a intriga ou com a mentira. Outros tempos!

4) Eu a debitar um texto, tendo como cenário as imponentes chaminés da cozinha do Palácio Nacional de Sintra. Era o programa zero, de uma série que pretendia fazer e a qual baptizei “DE MÃO CHEIA”. A ideia era homenagear homens e mulheres ligados à autoria e/ou à história das receitas mais importantes da nossa gastronomia, com particular destaque para a doçaria que, confesso, é o que mais me encanta. Lembro-me que neste programa zero me foquei na vila encantada que tantos celebraram, como Lord Byron, tal como o digo, e nas suas queijadas, tendo dedicado particular atenção às da Sapa, fabrica das mais antigas e na altura nas mãos de uma descendente do seu fundador. A série não se chegou a fazer, mas qual não foi o meu espanto, um dia, estava eu na praia, ao ler, num jornal, a programação de televisão para esse fim de semana, quando verifiquei que o programa estava agendado para emissão! Era um programa zero, editado mas sem genérico, e mesmo assim foi para o ar!

5) As imagens seguintes não têm grande história, dizem respeito a uma apresentação à imprensa da programação da Rádio Renascença, da qual eu faria parte . Não me lembro se alguma vez tive esses tais cinco minutos para dizer o que bem entendesse. Se os tive não foram importantes, de tal modo se me varreram da memória. Tive um programa, sim, com a Teresa Guilherme, que morreu de “morte macaca”. Fomos “despedidos” por “mau comportamento”, mas a história fica para outros escritos.

6) Era o último programa “BOM DIA” feito nos estúdios da RTP em Gaia e assim terminava um período de nove meses, de programas diários, a começarem às sete da manhã e a terminarem às dez. Três horas de informação, debate e entretenimento. A meu lado, a Amélia, a tradutora para língua gestual que nos acompanhou em todos os programas, e o Julio Magalhães, que assim se estreava na condução de um programa com tais requisitos. Foi para mim, também, um desafio ímpar, vinha de uma experiência isolada, de três semanas, a nível da apresentação, o “Porto de Encontro” , também feito no Norte e fui claramente uma arriscada aposta do José Eduardo Moniz, então director da RTP e do Manuel Rocha, na altura director do Centro de Produção do Porto. Estou-lhes eternamente grato, por me terem indicado o caminho que, tantos anos depois, procuro não desmerecer. É que não mais deixei as manhãs da televisão.

7) E o lote de recordações termina com a minha ida aquele que seria o primeiro programa “EU TENHO DOIS AMORES”, apresentado pelo Marco Paulo. O programa era gravado então no teatro do Casino Estoril. Lembro-me de ser também convidada a Tonicha. E de na plateia estar uma das dilectas amigas do cantor: Lili Caneças . Quem lá fosse teria de cantar ou atrever-se a tal, que a tarefa torna-se difícil para quem se revela semitonado, como foi o meu caso. Registo a última frase da quadra que parolei, da autoria da Rosinha, que esse era o jeito que os amigos tinham de tratar a saudosa Rosa Lobato de Faria: “…voar cada vez mais”. Não me canso de o fazer, que a vida só vale enquanto for desafiado.

Maria do Sameiro Souto
Luzia Maria Martins
Helena Félix
Amilcar Botica
Afonso Praça
Rosa Lobato Faria

… já partiram, mas continuam vivos no que tenho de melhor enquanto profissional e cidadão. Os outros, também referidos, continuam a ser um exemplo nas suas áreas, de exigência e qualidade. Obrigado a todos.

16 comentários a “Salada Goucha

  1. Maria celeste

    Manuel eu sou sua admiradora desde o início da sua carreira adoro o Manuel em toda a sua personalidade já lhe disse no Facebook que adorava ter um filho como o Manuel pois é tão adorável a falar da sua Mãe pois é muito amoroso a maneira como fala da Mãe muitos abraços e beijinhos Celeste

    Responder
  2. Isabel Belo

    Gostei imenso de ver! De facto o Manuel Luís, é um bom apresentador, adoro ver os seus trabalhos. Continue a presentear-nos! O Manuel Luís, é como se diz! É como o VINHO DO PORTO!!!…
    Beijinhos

    Responder
  3. ARMANDA COLARES

    Já morei em Portugal, e uma das muitas lembranças.. é você!! adorava ver seu programa com cristina.

    hoje estou no Brasil, em Manaus Amazonas.

    beijinhos

    Responder
  4. Mara Carina Freire de liz dos Santos Simoes

    Boa noite Manuel , gostei muito de ver estas imagens pois so me lembrava da sua ida ao programa do Marco Paulo . Continui a ser o excelente apresentador que é e que eu ademiro e nao perco um unico programa .Beijinhos e tenha um bom fim de semana .

    Responder
  5. Sonia Carvalhinho

    Caro Goucha,

    É a única coisa que levamos para sempre dentro de nós, as memórias, os sentimentos dos momentos, e nisso o Manuel é uma pessoa muito rica, não há nada que compare as histórias de vida que teremos para contar, as nossas memórias, nada supera essa riqueza, Parabéns!

    Deixo um beijinho
    Sónia Carvalhinho

    Responder
  6. Susana Catarina

    Gostei de vê-lo mas achei-o muito magrinho…. O senhor é um artista! Foi bom saber k o senhor já fez tanta coisa…tudo de bom fique bem!

    Responder
    1. admin Autor do artigo

      Boa noite, Maria Odete. Pode seguir o Manuel Luís também no facebook (www.facebook.com/manuelluisgouchatvi) e assim acompanhar todas as novidades, incluíndo as do blogue. Obrigado pelo seu comentário! (admin.)

      Responder
  7. Sandra Fernandes

    Sempre ousado, frontal e com um sentido de humor fantástico. E nada como o vinho do Porto que matura e, quanto mais, melhor :-). Sou “fã” da sua personalidade e do seu carácter, pois há quem deixe transparecer aquilo que realmente é. Obrigada por contribuir para a abertura de mentalidades neste país à beira mar plantado…e com poucos horizontes.

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *