RICA “PATADA”

20131119-210932.jpg

Que o paladar tem memória há muito que o sabia, por isso não estranhei que ao olhar esta foto logo recuasse ao tempo de gaiato e lembrasse quantas vezes pedi à senhora minha mãe para ir à “Brasileira”, comprar uma “pata de veado”. Já se me cresce água na boca, por conhecer a suculência do bolo, que tenho, ainda hoje, como preferido, ensopado em calda de açúcar, embrulhado em coco ralado e coroado pelo amarelo das gemas em creme. Vamos por partes para que possa entender a história. Era em Coimbra, se bem que seja alfacinha, ao tempo dos meus estudos liceais. A minha mãe era manicura no Salão Azul, o cabeleireiro da burguesia da cidade, pelo menos, nos anos sessenta. Acabadas as aulas, passava por lá para fazer tempo e voltar com ela para casa. E como eu gostava de fazer, braço dado, todo aquele caminho a pé, ruas Ferreira Borges e Visconde da Luz abaixo, que a casa era logo ali ao virar da esquina, no Pateo da Inquisição. Ficava, então, a afamada “A Brasileira” em frente ao Salão Azul e rivalizava em qualidade do que exibia e oferecia com o Nicola e o Café Central, todos no dito percurso. Outros tempos, quando os cafés faziam parte do quotidiano da cidade e se enchiam de estudantes e futricas. O café que havia nascido para a cidade e tertúlias em 1928 foi encerrado em 1995 para dar lugar a um pronto-a-vestir, mas poderia ter sido para uma agência bancária que nos entretantos esse foi fadário de muitos cafés e lojas históricas. Passados dezassete anos, em 2012, o espaço acabaria por regressar à sua vocação original, para gaudio de quantos têm memória, agora como a moderna “A Brasileira” onde, contudo, se continua a prometer o melhor café de Coimbra e, acrescento eu, as melhores patas de veado.

www.abrasileira-coimbra.com

5 comentários a “RICA “PATADA”

  1. Pilar Kruss Navarro

    Como me lembro destas patas de veado! Eram uma delícia! Sou alfacinha de gema mas a minha terra de eleição é Coimbra, mais propriamente dito S.Frutuoso a 12km de Coimbra (estrada da Beira); onde passava as minhas longas férias na minha infância a partir dos anos 50. Sempre que íamos a Coimbra, eu com a Sra. minha Avó, era mais no café Central que se tomava o chá. Que saudades desses tempos em que também em frente tínhamos as escadinhas com a típica louça de Coimbra à venda.
    Um grande abraço desta sua amiga (não gosto da palavra fã).

    Responder
  2. Alexandra Nunes

    E como está linda esta nova/velha Brasileira, com pormenores deliciosos como o candelabro original… E todos aqueles pasteis que me remetem à minha infância e juventude, passadas na minha cidade… Entre eles estão as famosas patas de veado e as margaridas (fritas ou no forno) que são únicas…

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *