Arquivo de etiquetas: alentejo

África e suas paixões

Não me canso de voltar a Évora e sempre pelas mesmas razões: a beleza do seu património e a simpatia dos de lá. Já muito conheço entre museus, igrejas, espaços verdes e floridos e até restaurantes, já que ali também […]

Ler mais

Na terra dos porcos

Há sempre uma história ou estória (quando não provada, o que parece ser o caso)para justificar um nome, um dito, uma designação, o que seja! Então eu que gosto sempre de saber o porquê das coisas! Quando se fala de […]

Ler mais

À sombra dos jacarandás!

Podia ser Lisboa a pintar-se de lilás, que em chegando a Primavera é certo que os jacarandás da cidade, e tantos são, começam a dar flor. Mas foi em Estremoz que me deixei surpreender por tamanha glória, ao ver que […]

Ler mais

Flores o ano todo!

O seu nome científico é “Limonium sinuatum” porém popularmente é conhecida como “estátice”, ”lavanda do mar” ou ainda mais como “sempre-viva”. É uma planta de vida curta e apresenta flores de cores vibrantes, entre o amarelo ocre, o rosa e […]

Ler mais

Um museu com tapeçarias dentro

Já tinha visitado a sua Manufactura de Tapeçarias mas agora que regressei a Portalegre resolvi conhecer o Museu. Instalado no Palácio Castelo Branco um edifício barroco situado no centro histórico da cidade,  e por isso de maior interesse, o museu […]

Ler mais

O meu lago!

A barragem não teria mais de um hectare e meio de água, quando comprámos a herdade há três anos. Sabiamo-la cheia de achigã, peixe de água doce muito apreciado por estas bandas. Com a inclemência do passado Verão, e meses […]

Ler mais

O (meu) jardim!

Destaca-se intramuros pelo tapete de relva sempre aparado, gosto do seu cheiro depois de cortado, e pelos canteiros, que o orlam, agora floridos num triunfo de cores e olores. Misturam-se flores e plantas de aromas, entre rosas vermelhas, brancas e […]

Ler mais

A adoração da Primavera!

O sol ainda não dói na pele, antes a acaricia numa dolência tépida, o chão cobre-se de verde farto e gordo, para pasto do ovelhame. Toda a planície se veste do roxo dos lírios, do amarelo das serralhas e malmequeres, […]

Ler mais

Vir à terra!

Já cá não vinha há seis semanas, tantas as que leva o meu mais recente desafio televisivo. Falta de tempo e muita chuva, que para estar dentro de casa tanto me faz que seja aqui como em Fontanelas. Do que […]

Ler mais

Geografia sentimental

Nasci em Lisboa e gosto de me saber alfacinha. Vivi parte da infância e botei corpo em Coimbra, tendo a cidade dos estudantes e futricas moldado muito do homem que sou, que os sonhos foi ali que começaram. Logo recusei […]

Ler mais