Sonho(s) de menino

foto1

Teria uns dez anos, não mais, e ficava preso ao ecrã sempre que aparecia uma senhora com duas fiadas de pérolas ao pescoço, modos gentis e voz doce, para dar conselhos de decoração. France de Vasconcellos, assim se chamava. Recordo-me, particularmente, quando mostrava fotos de um lugar que a meus olhos parecia mágico, a cair sobre o mar, e onde tinha a sua casa de fins-de-semana. Falava então dos almoços que dava nesses dias de receber os amigos e das decorações que criava propositadamente para tais ocasiões, ilustrando com fotografias de tudo e mais daquele rochedo vestido de casinhas alvas, sem esquecer de referir a simpatia das gentes locais. “Azenhas do Mar”, assim se chamava aquela aldeia presépio e eu achava-a tão bonita que secretamente desejava viver nela ou, pelo menos, perto.

Passaram os anos, muitos anos, e quase esqueci a história, mas não a sua protagonista, que sempre tive presente quem através da televisão me deu mundo, conhecimento e vontade de ser o que sou, até ao dia em que fui ver aquela que seria a minha casa em Fontanelas. Foi num sábado, já que durante a semana estava no Porto a fazer o “Praça da Alegria”, por isso também aproveitámos para passear à beira mar, entre a capital e Fontanelas. Foi depois de passarmos a Praia das Maçãs que o meu coração se alvoroçou ao ver, pela primeira vez, do lado esquerdo aquela imagem das casas a escorrerem pela arriba, que em miúdo tanto me havido fascinado. Finalmente eu estava nas Azenhas do Mar e não é que Fontanelas era logo a seguir?! Só podia ser um sinal da Vida.

Longe da cidade tumultuosa é aqui que me aquieto, com o cheiro da maresia, quando o vento anima, e com a lembrança de quem, quero acreditar, guiou os meus passos. Ainda hoje sabendo que a aldeia é mais que aquela arriba mágica me comovo pela lembrança que ela me traz do menino que fui, cheio de sonhos que a Vida me tem permitido concretizar.

azenhas do mar 1

azenhas do mar 2

10 comentários a “Sonho(s) de menino

  1. Carla Almeida

    Texto enternecedor. E como eu me revejo em tanto do que diz.
    Parabéns uma vez mais (e nunca é demais!) pelos sonhos, pelas conquistas e pelo que, de forma tão verdadeira, demonstra de si.
    Tenho 48 anos mas, curiosamente, a France de Vasconcellos também faz parte do meu imaginário… Por tudo o que a minha mãe reteve dela nos cursos ( hoje workshops) ministrado por ela, e com quem aprendeu desde a por mesas com todo primor, a fazer arranjos florais e no geral a alindar o lar como era ( e, acho eu, ainda deve ser!!) apanágio de quem considera a sua casa uma extensão do seu ser.
    Obrigada a si por tudo. E na verdade, não há coincidências!;)

    Responder
  2. Olivia Bento Partacho

    Olá Manuel Luis!
    Acompanho o seu trabalho, parabéns pelo seu profissionalismo.
    O meu comentário vai para São Martinho do Porto onde passei férias durante vários anos . Ficaram as bolachas americanas, a pinhoada, o Jogo do prego, as dunas de Salir e os banhos nessa baía por vezes cheia de algas.
    Um abraço
    Olívia Bento
    Luxemburgo.

    Responder
  3. Carla

    Manuel
    Segundo Carl Gustav Jung não existem coincidências, nada acontece por acaso.
    Tão bonito o que nos conta, alguns dizem que o poder do nosso pensamento atraí o que desejamos.
    Só o Manuel sabe o que sonha e deseja, mas sei de alguns dos seus sonhos se concretizaram, ja pensou no poder da mente?
    O seu ninho em Fontanelas, repleto de natureza, animais, outro ninho terá que era outro sonho seu. Em breve se aninhará, será seu poiso no meio do que há de mais belo,o campo. Não o invejo, mas admiro, pelo seu percurso de vida nada fácil, mas crer é poder. Eu creio.
    Azenhas do mar parece linda, não conheço , quero conhecer.
    Transcrevo um excerto de uma letra de outro homem que admiro Tony Carrera.

    Sonhos de menino
    A vida deu-me o que eu pedi
    Se eu pudesse a voltar de novo a sonhar,
    faria o mesmo podem crer
    E aquele menino eu voltaria a ser…

    Abraço
    Carla

    Não conheço Azenhas do Mar, fiquei com vontade de conhecer

    Responder
  4. Paula Alexandra da Silva Porto

    Sr. Manuel Luís , as Azenhas do Mar, a Praia das Maçãs, Praia Grande, fizeram parte da infância dos meus pais, da minha e fiz questão que também fizesse da minha filha, a minha filha ainda não tinha um mês e fiz questão de tirar uma foto com ela nas Azenhas do Mar, eu era menina e ia à noite ver passar o Raly de Portugal nas Azenhas do Mar, são memórias que ficam para a vida. Permita-me enviar-lhe um beijinho, gosto muito de si.

    Responder
  5. Pedro Morais

    Boa tarde Manuel Luís Goucha. Tenho a sorte e o privilégio de morar e ser natural dessa bela localidade. Aliàs, fui feito e nasci mesmo nas Azenhas. Até para vir ao mundo fiz questão de estar junto ao mar, a cheirar a maresia que perfuma essa terra que tanto amo. A minha mãe fala muito da dona France. Conheço bem a casa dela. Enquanto Azinhense, agradeço as gentis palavras que proferiu sobre esta minha (e agora também um pouco sua) terra.

    Responder
  6. Paulinha Velez

    MLG
    Sei muito bem o que,se sente ao ver esse cenário… Os meus pais um dia após morte trágica da minha irmã decidiram mudar de casa e trocaram o Estoril pela praia da Aguda que fica entre Fontainhas e as Azenhas do mar…passei a minha adolescência nessa quinta era a casa da chaminé…lembro me que para se descer a falésia para a praia era muito perigoso mas era mágica aquela praia de areia escura…as azenhas do mar era aquela piscina natural onde dei tantos mergulhos…nessa altura tinha uma cadela chamada Laica… Que descia as escadas mas para cima vinha às cavalitas ah quando,saudades me deu ver essas fotos……..obrigado peça partilha
    Beijs

    Responder
  7. Anabela Baptista

    Este é um dos lugares mágicos onde também eu guardei alguns sonhos de menina, mas que a dada altura da minha “curta” infància, o destino se encarregou de levar envolvidos nas transparentes ondas da bela praia das Azenhas do Mar.

    Responder
  8. Carina Oliveira

    Boa tarde MLG,
    À duas semanas, visitei esse lugar com a minha irmã e sem dúvida que é maravilhoso e único. Parece irreal existir paisagem e aldeia tão bonita como essa. Estou ansiosa para voltar e descobrir mais recantos dessa zona mas claro, fazê-lo só mesmo no verão.
    Cumprimentos,
    Carina Oliveira

    Responder

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *