Por caminhos reais

tapada de mafra1

tapada de mafra2

tapada de mafra3

tapada de mafra4

tapada de mafra5

tapada de mafra6

Foi uma tarde daquelas para mais tarde recordar. Ando em maré de “descobertas”, por vontade própria ou por trabalho para o “Você na TV”, que se há coisa de que gosto é esta de dar a conhecer o que temos de melhor em património histórico e natural. Na Tapada Nacional de Mafra casa-se a história com a natureza em toda a sua riqueza de fauna e flora, e se por um lado percorremos caminhos usados por D.João V, o criador da Tapada, para seu belo prazer, da sua corte e de quantos monarcas se lhe seguiram, com especial relevo para D.Luis e seu filho D.Carlos, por outro embrenhamo-nos no verde e num jogo único de sombras e luz, fazendo com que o tempo pare. Carro eléctrico, comboio, cavalo ou charrete qualquer meio serve para entrarmos na floresta encantada, mas é a pé, vagarosamente, entre bosques, matos e linhas de água que melhor apreciamos este sortilégio da Vida, num êxtase de espanto e algum receio do que se possa encontrar.

tapada de mafra7

tapada de mafra8

tapada de mafra9

No pavilhão de caça usado por D.Carlos para receber convidados e almoçar, antes ou depois das caçadas, a mesa está posta com um serviço completo da antiga Fábrica de Alcântara (fundado em 1885, inicialmente como “Fábrica de louça inglesa”) decorado com uma pintura de D.Amélia, representando o pavilhão e parte do espaço envolvente.

tapada de mafra10

tapada de mafra11

tapada de mafra12

Em frente, um pequeno espaço museológico onde se concentram alguns veículos de tracção animal, com particular destaque para a “jardineira” em verga usada pela rainha D.Amélia nos seus passeios pela Tapada e nas suas idas à praia das redondezas.

tapada de mafra13

Diz-se que neste tanque de pedra terão os infantes Luis Filipe e Manuel (futuro rei D. Manuel II) apreendido a nadar.

tapada de mafra14

tapada de mafra15

tapada de mafra16

tapada de mafra17

tapada de mafra18

tapada de mafra19

tapada de mafra20

Revelar-se-ia infundado qualquer receio, já que não houve encontros indesejáveis. Ao caminho saltam-nos apenas javalis, gamos e seus parentes veados, habituados à curiosidade de quantos visitam a Tapada.

tapada de mafra21

tapada de mafra22

Francisco e Maria são actualmente os reis do pedaço. Dão pelo nome e, com jeito, até vêm comer à nossa mão. Ocupado que andei em gravar tudo para lhe mostrar, em breve, no programa da manhã, esqueci-me de captar o momento da lambança mas para que não me tomem por trafulha acrescento o registo do momento em que, na Tapada por outras razões, fui apresentado ao gentil casal de cervídeos.

tapada de mafra23

tapada de mafra24

tapada de mafra25

Regozijo-me por ver que está bem entregue a direcção da Tapada, sob a tutela do Ministério da Agricultura, tal o entusiasmo e paixão com que Paula Simões fala do seu trabalho e do muito que tem para fazer, convocar e incentivar. Com ela não há vícios instalados que resistam, a bem de um património de que nos devemos orgulhar.

tapada de mafra26

9 comentários a “Por caminhos reais

  1. Márcia Augusto

    Boa tarde Manuel Luís Goucha.
    O Município de Salvaterra de Magos vem por este meio convidá-lo a visitar a Falcoaria Real de Salvaterra de Magos, edifício único na Península Ibérica, que disponibiliza ao público visitas guiadas, durante as quais poderá conhecer a história da Falcoaria em Portugal, pormenores sobre a fixação da família real em Salvaterra de Magos por longas temporadas devido à sua predileção pela caça com falcões e as mais de 25 aves de presa que habitam na Falcoaria, assim como demonstrações de alto e baixo voo.
    No dia 16 de setembro teremos o lançamento de um livro infanto/ juvenil de Isabel Stilwell intitulado “O Príncipe D.Luís e o Mistério do Mapa Roubado – Salvaterra de Magos ano de 1515”, assim como a abertura de uma exposição alusiva à Moda do Séc.XVI, iniciativas estas no âmbito das Jornadas de Cultura promovidas pela Câmara Municipal de Salvaterra de Magos.
    Muito nos honraria poder contar com a sua visita.
    Muito obrigada pela atenção disponibilizada.

    Responder
  2. Victor Peres

    Meu caro Manuel,
    Já conheço a Tapada de Mafra e realmente é uma pequena pérola que vale a pena visitar. E claro, a reportagem está feita com o esmero habitual
    Mas não é por ela que aqui venho, mas sim pelo tema do dandyismo apresentado por si
    no seu programa de ontem. Peço desde já desculpa por ser um off-topic, mas como gostava de dar a minha opinião sobre este tema, e como não o abordou aqui…mais uma vez
    desculpa
    Desde que me conheço como gente que aprecio o modo como as pessoas se apresentam. Foi-me este gosto transmitido pelo meu Padrinho. Ele, apesar de ser um modesto mas excelente jardineiro, tinha uma enorme casa de banho e ao domingo – decerto o Manuel sabe que hà meio século era comum o banho semanal, apesar de ele, e dado a sua profissão, fazer lavagens gerais muito completas – e após o banho e vestir a sua roupa interior e envergar o seu velho roupão de flanela, abria a porta da casa de banho e iniciava um rito imutável que eu observava quase maravilhado, sentado no antigo bidet metálico com tampa: 1º escanhoava a barba e nem um pelo ficava na cara, excepto um aristocrático bigode alvo como a neve. Desinfectava a cara, penteava o fino cabelo de velho da mesma cor do bigode, e a seguir, numa pequena “bowl” de prata punha a arder, um bola de algodão onde aquecia as pontas finas de um pequeno alicate com o qual puxava com todo o cuidado, as guias do bigode para cima. Compunha-se e quando se virava parecia, não o modesto jardineiro, mas um aristocrata. O resto, era feito no quarto: vestia um fato de bom corte, camisa, gravata, chapéu, sapatos feitos por medida – na altura era comum quase tudo feito por medida, excepto a gravata ou algumas camisas – No Inverno, as imprescindíveis polainas e o excelente sobretudo. Depois, pegava-me na mão e levava-me invariavelmente ao Museu Nacional de Arte Antiga, ou a outro local de cultura. Duas notas: as minhas recordações dele, vêm desde os meus 5/6 anos, tendo ele portanto, 72 anos. A segunda, o meu padrinho era analfabeto.
    Feito este preâmbulo sobre a pessoa que sempre me dizia que tomasse nota que deveria sempre apresentar-me decentemente vestido.
    Sei que o movimento dandy se iniciou talvez nos finais do séc. XIX com origem naInglaterra de Oscar Wilde
    Este renascimento com origem em Florença é muito curioso e eu sigo algumas das “regras”, como calças algo justas mas não incómodas sempre 1cm acima do sapato para ficar perfeitamente direita e sem gelhas, que aparecerão sempre se a calça bater no sapato, boas gravatas e sapatos de muito boa qualidade (continuo fiel ao sapato inglês).
    Mas o que interessa aqui é o que foi mostrado no programa e como se viu, há diferentes tipos de dandyismo, uns agradam-me, outros menos. Aliás, e sem querer julgar o gosto de cada um, digo que daqueles 4 exemplos, não teria problema em usar qualquer um de 3 dos presentes. O Paulo estava excelentemente bem vestido (omito o corte de cabelo porque a minha idade já não me permite certas ousadias). Em contrapartida, o seu parceiro que se vestia de azul com alguns amarelos, o seu mais do de vestir pareceu-me demasiado confuso, a conjugação de cores e de demasiados acessórios acaba por tornar o todo o que causa muita distração.
    E pronto é a minha opinião sobre uma uma rubrica que apreciei sobremaneira.
    Muito obrigado pela atenção, e desculpe o tempo que lhe tomo.

    Melhores cumprimentos e felicidades para a sua vida pessoal e profissional

    Victor Peres

    Responder
  3. Ana Margarida Silva

    Fiz o passeio de comboio no final de julho, é realmente muito bonito viajar por aquele verde lindíssimo, assisti a um workshop sobre apicultura e por fim o voo das aves, lindíssimo, levei a minha neta ficou muito contente, recomendo.

    Responder
  4. Carla

    Manuel
    5*
    Magnifica reportagem, fotos, texto!!

    Ando em maré de “descobertas”

    Achei piada a esta sua frase, é preciso ouvir o som da vida o que ela nos tem para dizer. Há alertas que nos fazem despertar, adotar filosofias de vida, abraçar o presente no ” aqui e agora”.
    Sei que é lê muito já deve ter lido o Siddharta de Hermann Hess, caso não o tenha lido vai adorar.

    Só há felicidade se não exigirmos nada do amanhã e aceitarmos do hoje, com gratidão, o que nos trouxer. A hora mágica chega sempre.”
    Hermann Hesse

    Gostei do seu traje, também ontem andei de calças brancas e túnica amarela :)

    Abraço
    Carla

    Responder
  5. Margarida Carvalheda

    Adorei as fotos estão espectaculares, reparei que um dos cervos parece ter um galho cortado, pode ser impressão. Vou aguardar a reportagem. Um Abraço

    Responder
  6. Ana Simão

    Manel fiquei maravilhada penetencio-me por morar á tantos anos relativamente perto e de não conhecer essa maravilha muito obrigada pelos esclatecimentos e pelas maravilhosas fotografias toda a sua explicação acrecenta muito para o meu conhecimento mais uma vez obrigada beijinhos para dois

    Responder
  7. Fatima Fao

    Tenho a certeza que vai ser mais uma excelente reportagem, feita por um grande comunicador, como o Senhor Manuel Luís Goucha. Parabéns

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *