PELO PATRIMÓNIO

Junto-me aos que já não têm paciência para a actual classe política e faço-o com desalento, já que ainda tenho a política como cousa nobre… independentemente da canhastrez e desonestidade de muitos dos seus protagonistas. Repugnam-me as suas promessas vãs, a jactância com que tratam quem os elege, as negociatas que só beneficiam os da laia… e poder-me-ia alongar em outros considerandos que me levam, há já algum tempo, a recusar emprestar meu nome e imagem (bastas vezes desejada) a qualquer que seja a campanha. Preciso de voltar a acreditar… antes de o fazer.

Porém, li no Diário de Noticias que Basílio Horta, um dos actuais candidatos à Câmara de Sintra, tenciona criar uma sociedade de reabilitação urbana para recuperar o património e o espaço público do município, no caso de vencer as próximas eleições autárquicas. Sabemos, em muitos casos, o que querem dizer as empresas municipais, verdadeiros e pouco claros (ou talvez não), sorvedouros de dinheiros públicos, pouso certo de muitos “boys”, mas o que achei interessante nestas afirmações foi entender que a recuperação e preservação do património podem ser prioridades do candidato, quando sabemos do abandono irremediável a que são votados, no nosso país, exemplares magníficos da nossa História e Identidade. Porque é disto que o Património nos fala. De um passado mais ou menos glorioso, nos mais diversos campos, e da nossa identidade como povo e país… Tenho o maior respeito pelo património edificado, e pelo património das tradições, que atestam a nossa diferença face aos outros, e por isso me insurjo pela forma como  ele é esquecido e desprezado (e Sintra não será excepção, independentemente do que se fez e de vários exemplos concretos, verdadeiros triunfos do turismo local). Quando falo deste tema, que me é particularmente caro, lembro-me de há dois anos ter estado no Museu dos Coches para gravar aquela que seria ultima conversa em televisão do saudoso Artur Agostinho. Chovia naquele que é um dos museus mais visitados do nosso país. Passaram dois anos… e só não chove porque não é costume no Verão, nada foi feito para que, em ela voltando, não aconteça o mesmo! Inacreditável!

A aposta da defesa do património não resultará numa mais-valia imediata para quantos, e são muitos, se vêem asfixiados por uma crise sem paralelo na nossa Democracia, mas a médio prazo revelar-se-á frutuosa para munícipes e município, gerando receitas e dinamizando a economia local, ou não fosse o património um dos produtos de excelência que, orgulhosamente, podemos “vender” a quantos nos visitam. É sempre uma aposta no futuro, assim as autarquias assumam as responsabilidades que lhes cabem. Se eu fosse autarca, essa seria a minha prioridade.

Conheço Basílio Horta tanto quanto o(a) caro(a) ledor, se bem que tenda a desconfiar habitualmente de quem em política está “sempre em pé”, mas gostei de saber que tenciona fazer algo pelo património que é de todos nós. Como munícipe de Sintra estarei alerta, caso ele seja eleito, que é chegado o momento de começarmos a cobrar quanto nos prometem. E tudo começa no poder local, que de menor nada tem, antes pelo contrário. Nem a memória pode continuar a ser curta, nem a culpa morrer solteira.  Nenhuma autarquia necessita de um “primo Basílio”…  mas talvez hajam Basílios que possam fazer a diferença. Assim eles queiram, mesmo!

5 comentários a “PELO PATRIMÓNIO

  1. André Brites

    O problema, muitas vezes, é que não compensa restaurar património que não seja lucrativo… Lucrativo a curto prazo quero eu dizer, porque efectivamente o que o nosso país tem para “vender” são os recursos turísticos. Sou de Vila do Conde e tenho um exemplo “à porta de minha casa”, o Mosteiro de Santa Clara, ex-libris da cidade e que se encontra num estado deplorável, estando ao abrigo da sociedade gestora dos monumentos históricos (penso eu que seja a denominação correcta) e com a câmara municipal em dificuldades financeiras, os vilacondenses não sabem se o futuro do Mosteiro passa pela sua recuperação ou pelo desmoronamento para o rio Ave… não sei se houve,há ou haverá interessados em recuperar o Mosteiro com o intuito de estabelecer algum tipo de serviço hoteleiro, o que seria excelente para a cidade, pois Vila do Conde é uma cidade com aspecto campestre e logo muito procurada para um “descanso da alma”, sem falar que por altura do Verão, as suas praias são imensamente procuradas por gente de muitos concelhos vizinhos…

    Responder
  2. Maria Chaves

    Manuel Luís tem toda a razão com o que diz sobre os nossos des/governantes e com a falta de interesse que eles têm em relação à preservação do património do nosso país. Mesmo que pretendam demonstrar o contrário. Mas pode crer que já nenhum desses “senhores/ras” me convence. Há Muito tempo que deixei de acreditar nas boas intenções de qualquer político deste país. Pessimismo? Talvez…..mas ao menos, já não tenho ilusões e já muito poucas coisas me podem desiludir mais.

    Responder
  3. Fernanda Calçada

    Gostei do seu texto, mas fiquei com a ideia que não querendo “apoiar” ninguém, já o está a fazer, de resto concordo com a visão que tem sobre o património e tradições, que se está a perder e a esquecer…. Os nossos governantes não querem saber de cultura. Felicidades para si MLG.

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *