O FUMEIRO DA OCTÁVIA

“Já nos conhecemos!”, atirou, divertida, mal me viu à porta da sua salsicharia. Isto no Cano, bonita terra alentejana, de ruas entristecidas por lhes faltar bulício. E tinha foto para o atestar.

fotografia

Foi em 1999 que a recebi, pelos vistos, na RTP/Porto no “Praça da Alegria”, por via do seu gabado fumeiro. E mais me disse ainda a propósito da sua ida à Invita: que nunca tinha dormido num hotel e que ainda por cima havia ficado às escuras, por não ter atinado com as modernices de um cartão que abria a porta e dava à luz. Gargalhou, com o jeito de quem sabe rir de si própria (abençoada qualidade). De Lisboa, também nada conhece, a não ser o hospital, que a vida é de trabalho e não lhe dá tempo para andar no laréu. Sempre assim foi, desde gaiata, de sol a sol, no campo imenso, para ajudar ao sustento da família, eram dez para dois cómodos. Já era de então a vontade de vir a ter negócio próprio com os desmanchos do reco. “É que tudo se aproveita. Até a tripa do cú!” Tem razão sim senhor, que esta ensaca o paínho. A morcela faz-se de carnes ensanguentadas e vinho, já a cacholeira leva as carnes mais macias, fígados e especiarias. A banha, que muitos tiveram de usar para barrar o pão, é feita em água e não frita. E da cabeça, cozida em água e aromas, horas a fio, para depois ser desossada e prensada, se faz a célebre cabeça de xara, que ali ganha honras de acepipe (é óptima como petisco ou em saladas).

fotografia (1)

A excelência dos seus produtos vem da qualidade do porco, alimentado no montado, a bolota, e da paixão com que tudo manipula, a mesma com que fala do marido, filho e neto, todos eles, em boa hora, arrebanhados para a empreita. Certo é que no Cano, redondezas e mais além, não há quem não conheça o fumeiro da Octávia.

fotografia (2)

Salsicharia Canense

Rua de S. José
Cano
268 549 203

9 comentários a “O FUMEIRO DA OCTÁVIA

  1. modesta pifano

    como habitante da vila do cano,fiquei muito triste ao ter conhecimmento
    da sua visita a esta vila e não ter tido o gosto de o ver pessoalmmente
    isto, porque sou uma fã do casal maravilha com que passo todas as manhãs, com vocés eu rio , eu choro eu até já ponho a mão na cabecinha sáo realmente a minha companhia, desde que perdi aminha filha que me distraio com vocés, por isto tudo.. aqui fica um abraço e o
    pedido de uma segunda visita ao cano mas com uma visita á
    agencia funeráría atalho e filhos e náo fique assustado porque não há
    cabeça de xara mas á boa vontade para receber os amigos

    Responder
  2. Joaquim Gil

    Sr. Manuel Luís, perdoe-me a insistência, não é que deseje alguma polémica, não querendo também passar por um qualquer alucinado, aconselho-o a rever (reouvir) o que diz para a sua excelente parceira de trabalho, quando anuncia o vídeo que se vai seguir, em relação à visita que fez à Salsicharia da minha terra, com certeza que não estou a criticá-lo, só fiz o reparo, por haver outro lugar com o verdadeiro nome de Aldeia do Cano. Aceite os meus sinceros cumprimentos e parabéns a si e à excelente D. Cristina, pelo programa!!

    Responder
  3. Joaquim Gil

    Caro Sr. Manuel Luís Goucha, não se trata da Aldeia do Cano, mas sim da Vila de Cano, Concelho de Sousel, Aldeia do Cano, situa-se entre Cercal do Alentejo e Colos, creio que no Concelho de Odemira!!

    Responder
  4. Teresa

    … Hello Sr. Luís Goucha! Tudo bem? … mas que agradável supresa ver aqui a D. Octávia! … uma senhora encantadora e uma profissional de excelência! … sempre que vou ao Cano é visita certa ao seu estabelecimento ou à fábrica! Muito obrigada por partilhar estas fotos! Bem haja! … Boa semana! Bjs : – )

    Responder
  5. Ana Maria Maratá

    Olá Manuel Luis,

    Gostei muito de saber que esteve no Cano, freguesia de Sousel.
    Eu também moro em Sousel, e já tinha há imenso tempo, muita vontade de lhe fala. Porque tenho um atelier de confeção de bolachinhas de nome ” Bolachinhas de Sousel “. Há dois anos precisamente que comecei esta actividade. Estava desempregada, e toda a vida fui secretária de profissão, e nunca na vida me via a fazer bolachas para vender. Mas, aconteceu .
    E ainda bem que aconteceu, porque neste momento sou uma mulher realizada, e tenho o maior orgulho em ser bolacheira. Tive à um ano atrás um episódio de saúde, bastante grave (cancro de mama), mas com toda a força de vontade, e por saber que os meus clientes adoram as minhas bolachinhas, nunca baixei os braços.
    Adorava que tivesse a oportunidade de lhe falar mais sobre este meu trabalho, que graças a Deus, me está a deixar muito orgulhosa.
    Com os melhores cumprimentos
    Ana Maria Maratá

    Responder
  6. joão mota

    são enchidos feitos a moda antiga, carne de porco alentejano, curada em fumeiro, certamente uns dos melhores deste Alentejo se soubesse que tinha vindo para estes lados, a uns escassos 200 metros, tinha-o convidado para vir ver um pouco do artesanato, feito pelo meu pai, todo ele feito à mão, deixo aqui um pequeno video sobre o mesmo……. Grande abraço, João Mota

    https://www.facebook.com/artesaojoao.clemente/media_set?set=vb.100004283078026&type=2

    Responder

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *