Memórias afectivas

fotografia 1 fotografia 2 fotografia 3 fotografia 4 fotografia 5
Gosto do nosso Património, já se sabe, e pena é que muito dele que se tenha, entretanto, degradado ou, mesmo, perdido, dada a incúria e desinteresse de quem nos tem (des)governado ao longo das últimas décadas, mas por estes dois monumentos tenho um apreço especial, não pela minha mania das grandezas, mas por terem sido os primeiros que visitei, era eu rapazelho, de nove anos, levado pela mão do meu pai, quando de férias vinha a Lisboa.

Lembro-me de me ter embasbacado perante a grandeza do Palácio Nacional de Mafra e aterrorizado pelo que se dizia ele esconder: desde um homem que havia sido ali emparedado vivo às enormes ratazanas assassinas que habitariam os subterrâneos. Tudo balelas, bem sabemos, mas que emprestam uma maior teatralidade aquele que é, por si só, o expoente máximo do que do Barroco temos para mostrar.

www.palaciomafra.pt

fotografia 1 queluz fotografia 2 queluz fotografia 3 queluz fotografia 4 queluz fotografia 5 queluz fotografia 6 queluz fotografia 7 queluz fotografia 8 queluz
Já no de Queluz eram, particularmente, os jardins que me encantavam pelos seus buxos geométricos e pelas figuras mitológicas da antiguidade clássica que pontilham o espaço, tão ao gosto do século XVIII. Lembro-me do ruído babado das águas das cascatas e dos tanques, e de ali me sentir bem como se fora um espaço íntimo de estar.
Não mais deixei de ir a um e a outro e ao encontrar estas fotos, tiradas não há muito, recordei-me de como a infância é a nossa pátria.

www.parquesdesintra.pt

9 comentários a “Memórias afectivas

  1. Maria Emilia Cunha Lopes

    Não é mania das grandezas, é gostar das coisas belas k se faziam antigamente sem as tecnologias k agora há. É pena e faz doer a quem goste de ver coisas tão lindas a caírem aos poucos,eu tbm admiro mt ver essas maravilhas k faziam,olho e penso como conseguiam fazer,td práticamente trabalhos manuais.Enquanto puder dê-nos essas imagens lindas. Falando de história, a produção deu-lhe alguma coisa,k eu deixei,mas não escrevi nada e não sei se a quem dei fixou o meu nome,mas calculo k o Manel viu logo de quem era.JÁ sabe é com mt carinho e amizade k lhos dou,porque sei k vão ser mt estimados.Se puder diga-me algo por aqui,foi pena não ter deixado ou menos o numero do meu tlm.UM grnd abraço e bjo

    Responder
  2. Júlia Faria

    Não. Não acho que tenha a mania das grandezas, simplesmente é educado, e serve-se bem dessa educação. Como eu, teve uma rainha como educadora. Bem haja. Como tantas outras pessoas,gosto muito de si assim.Bj.

    Responder
  3. maria luisa silva

    Sou de LIsboa sempre fui ver palácios e gostava mas agora depois de velha a veja a beleza.das coisa .Nasci a 2 de janeiro perto da rua Pedras Negras .Bom fim de semana

    Responder
    1. MLG

      Espreitei o seu blogue e dei de caras com um livro de José Rodrigues dos Santos de que também gostei muito (“O Homem de Constantinopla). Um abraço

      Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *