MasterChef começou

fotografia (1)
Depois de Lisboa, achei que faria todo o sentido que fosse o Porto a receber o arranque do MasterChef nesta edição que acaba de estrear. Independentemente do meu apego à cidade, que aliás é assumido e conhecido, tenho que a Avenida dos Aliados seria, pela sua grandeza e solenidade, o cenário ideal para o “mega-casting”. A autarquia, ao mais alto nível, abraçou a ideia mas acabou por “roer a corda” quando informou a produção da impossibilidade de fechar ao trânsito, as laterais da avenida, num sábado e por meia dúzia de horas, inviabilizando assim a sua realização.

Alguma coisa se terá passado, estou em crer que ao nível dos assessores, para darem o dito por não dito, dado que as laterais da avenida são fechadas por tudo e mais alguma coisa. Ele é pela Queima das Fitas, pela concentração dos País-Natais, pelas maratonas disto e daquilo… A poucos dias da data aprazada para a primeira e mais vistosa das selecções, que é quando de quinhentos candidatados a concorrentes MasterChef, e depois de um naipe de trinta “chefes assistentes” avaliar tudo quanto as bancadas exibem, são escolhidos cinquenta, não havia muitas alternativas à ideia de Lisboa voltar a ser o palco do evento.

Quando me disseram que seria no Estádio Nacional do Jamor, confesso que estranhei a opção, mas logo deixei que ela se entranhasse, ao conhecer a sua história de setenta e um anos, e ao pensar no MasterChef enquanto desafio e competição.

fotografia 2 fotografia 3 fotografia 4 fotografia 5

Foi o estádio inaugurado com toda a pompa e circunstância no dia 10 de Junho de 1944. Dia de Camões, mas também da Raça, por vontade de Salazar, e talvez possamos entender isso da raça, segundo a linguagem do próprio regime, como o carácter de um povo diferente, aparentemente frágil mas capaz de grandes desígnios, como o de um império colonial que poucos países possuíam. O Estádio naquele dia inaugurado, perante mais de cinquenta mil pessoas e com todas as figuras gradas do regime presentes, levou, desde a sua planificação, cinco anos a ser concluído. O espectáculo inaugural com mais de 12.000 praticantes das mais diversas modalidades procurou ser uma inesquecível exaltação do Desporto, mas também dos princípios ideológicos do Estado Novo, objectivos que, ao fim ao cabo, presidiram à construção da obra, impulsionada por Duarte Pacheco, ministro da Obras Públicas e das Comunicações, e coordenada pelo arquitecto Miguel Jacobetty.

A partir de 1987 o Estádio Nacional, também conhecido como Estádio do Jamor, passa a ser visto e apresentado como Complexo Desportivo do Jamor, um espaço global cuja prioridade é a excelência do desporto de alto rendimento e dos seus protagonistas, sem esquecer o desporto de lazer.

fotografia 6 fotografia 7 fotografia 8 fotografia 9 fotografia 10 fotografia 11 fotografia 12 fotografia 13 fotografia 14 fotografia 15 fotografia 16

Há males que vêm por bem. Tivesse sido no Porto o mega-casting, como eu tanto gostaria, e acabaríamos que “nem pintos” (ainda se fossem da Costa!), dada a tromba de água que se abateu sobre a cidade, ou encafuados num qualquer pavilhão sem graça. Já ali, no Estádio Nacional, tudo correu pelo melhor. O desafio decorreu célere entre as quatro linhas, para gáudio das claques que torciam pelas seus candidatos. E no final cinquenta e uma colheres de pau eram bramidas com fidúcia e muita vontade de ir mais além. E nem um pingo de chuva para atrapalhar.

No afã das gravações que dali a dois dias continuaram, já na cozinha de preparação, que é onde os candidatos seleccionados efectivamente cozinham à nossa frente, nem dei pela contestação que se levantou nas redes sociais quanto ao “mega casting”, da parte de alguns dos que não se viram escolhidos. Só mais tarde reparei. No Jamor fiz questão, por iniciativa própria, de enaltecer e aplaudir quantos ali se apresentaram vindos de todos os pontos do país, carregados de arcas e sonhos, mas compreendo a desilusão e frustração que sobrevive quando não se é dos escolhidos. Acho porém curioso que não tenha havido a mínima reclamação junto da produtora após a finalização das gravações. Depois, é bom lembrar que à avaliação da receita que cada um levava (que até podia, manhosamente, ser de compra ou feita por outrém (como sabê-lo?), juntar-se-iam a postura face às câmaras e a história de vida pessoal, analisadas anteriormente noutras audições. Tudo conta no MasterChef. Isto é, acima de tudo, um programa de televisão!

fotografia 19 fotografia 20

Na segunda fase de apuramento temia que acontecesse o mesmo que na edição anterior: uma data de receitas de peito de pato, qual delas a pior, e outras tantas de risotto. Será que tais receitas passaram de moda? É que risottos provámos três e “magrets” dois. Yupi!
Certo é que na cozinha de preparação houve variedade de propostas culinárias, criatividade e qualidade de confecção muito superiores em relação ao que nos foi dado a ver e provar no ano passado. Esta foi a primeira vez em que, nós jurados, fomos chamados a avaliar e assim será daqui para a frente até à final. Os cinco minutos finais que cada concorrente tem para concluir a confecção da receita e/ou empratar à nossa frente foram suficientes para pressentirmos algumas histórias de vida tocantes.

Destaco a da Maria Helena Cuvelo, uma vez que ao apresentar-nos umas papas de feijão frade nos remeteu para a sua infância, quando a míngua de conduto obrigava a mãe a juntar ao feijão que sobrava da panela do almoço e já em puré chilro, farinha de milho para o engrossar e assim dar de comer ao jantar. O que faltava à mesa sobrava em carinho e dedicação. Foi pouco para se manter no MasterChef, mas o bastante para nos lembrar o caminho, para que esses tempos de pobreza e castração não voltem.

Já o Victor bisou a sua ida a uma cozinha de preparação. O mesmo que tanto nos comoveu na edição anterior, pela sua extrema humildade e alguma inventiva culinária, surpreendeu-nos agora com o excesso de confiança (quantas vezes também mortífero), através das suas receitas, dizia ele que representativas das suas raízes beirãs: tal como o torricado e a tigelada.  Não foi pacífica a sua exclusão de prova, mas como passá-lo adiante, se à tigelada juntou natas, em vez de leite, e outros desvarios, para além da defeituosa confecção, abastardando assim a receita codificada, e quando o torricado não é mais que pão torrado e lascas de bacalhau na brasa?

E que dizer da Eva, outra repetente? Que chorou, claro, e que uma vez mais nos brindou com uma receita equilibrada e saborosa. Mas a questão que se impõe, já que a conhecemos de ginjeira, é: será que ela vai resistir à pressão da prova seguinte? Na edição anterior foi o que se viu! Melhor sorte lhe desejo.

Fico-me hoje pela história da Marta, que nos deu a provar uns deliciosos raviólis de lagosta em molho de erva-príncipe, mas foi de estômago socado que nos deixou ao contar que já tinha sido, apesar de tão jovem, vítima de violência doméstica. Por pouco não enfileirou a cruel tabela de mulheres assassinadas, em 2014, às mãos dos seus maridos ou companheiros e que só nos pode causar vergonha e asco. Não me calo perante quem confunde amor com bestialidade.

Vinte e cinco horas de gravações deram em hora e meia de espectáculo televisivo de grande nível, obra de uma equipa de excepção, com destaque para as equipas de realização e de edição. Se a primeira capitaneada por Manuel Amaro da Costa regista tudo na hora, com muito talento, sensibilidade e dedicação, a equipa de edição cozinha o programa com sabedoria arrebatando-nos, como espectadores, através do ritmo e da narrativa.

O programa começou, contra alguns “maus fígados”. Trinta candidatos a concorrentes  receberam o avental e estão mais perto de entrar na gloriosa cozinha do MasterChef. Mas “ainda a procissão vai no adro”. Destes trinta, apenas quinze serão concorrentes e no próximo programa não será à primeira que os ficará a conhecer. Intrigado(a)? Também eu ficaria, se não tivesse estado lá.

51 comentários a “MasterChef começou

  1. Beatriz

    Boa noite excelentíssimo Manuel Luís :)
    Com imensa pena não pude ver a estreia do Masterchef no Sábado.
    Assisti ontem…Bem simplesmente adorei e fiquei colada ao ecrã do início ao fim…Foi tão bom que já queria assistir ao próximo episódio.
    Pessoas com histórias de vidas marcantes,com carisma,alegria e amor foram para mim os principais ingredientes.
    A história da Marta fez-me chorar e ficar feliz por ela ter conseguido dizer não a violência doméstica. É uma mulher cheia de garra e espero que seja muito feliz.
    Gostei imenso do regresso da Eva.Acho-a muito genuína, boa pessoa e como eu uma chorona.Espero que desta vez consiga lidar com a pressão.
    O casal de italianos fez-me dar enormes gargalhadas. São tao divertidos e simpáticos.
    Enfim…Já me alonguei muito,mas muito mais tinha para dizer sobre este fantástico programa.
    Um enorme bem haja a si e aos seus colegas, em especial o chef Miguel por ser tão bondoso embora tenha uma capa de durão. Continuem a ser esses seres humanos extraordinários.

    Responder
  2. Andreia

    Olá, bom dia Manuel Luís, antes demais gostaria de parabenizá-lo por ser o Homem que é sempre tão elegante tanto fisicamente como com as palavras. Adoro vê-lo a si e à Cristina todas as manhãs, confesso adoro-vos aos dois, sou vossa fã incondicional. Relativamente ao Masterchef devo dizer que acompanhei a edição anterior e esta tem todo o ar de ser ainda melhor, adorei rever o chef Rui Paula e o chef Miguel, apesar de terem de adotar uma postura mais séria, pois o programa assim o exige, não deixaram de nos brindar com momentos de boa disposição e de grande generosidade, nesta última refiro-me claro ao chef Miguel que mais uma vez mostrou ter um coração enorme ao dar uma segunda oportunidade ao Afonso. Por fim devo mais uma vez brindá-lo com um elogio e um agradecimento por defender com tanta convicçao as vítimas de violência doméstica, revi-me na Marta porque estou precisamente na mesma situação que ela, custou mas não passou da primeira. Um grande obrigado a si e aos chefs pelo programa, são simplesmente fantásticos, mas a si em especial. Tenho apenas 25 anos mas deixe-me dizer-lhe quando for grande gostaria de ser como a Senhora sua mãe porque também tenho um filhote agora com 3 anos e eu gostaria que ele tivesse um dia toda a sua educação e elegância. Parabéns a ela por ter feito de si o Homem que é e a si também por não corromper os valores e a educação que ela lhe incutiu. Beijinhos grandes e boa sorte a todos para o programa, próximo sábado lá estarei no sofá às 21:30h. 😀

    Responder
  3. sofia

    Boa noite,

    Parabéns pelo programa. De uma forma geral gostei bastante. Mas permita-me a observação não gostei do tema da violência doméstica. Compreendo que é cada vez mais necessário falar do assunto, estar atenta e divulgar as situações. Mas pareceu-me que o tema foi forçado. Os seus comentários foram oportunos mas não gostei da postura da concorrente a trazer o tema à conversa quando estava numa avaliação. É só a minha opinião.
    sofia

    Responder
  4. filomena freitas

    Adorei a ideia do começo ser no Jamor, parabéns por isso, o trio é fantástico, quero dar os parabéns ao chefe Miguel pela atitude em relação ao jovem de 18 anos quanto ao Manel está tudo dito bj

    Responder
  5. Sónia Soares

    Parabéns pelo programa!
    Tem o dom de juntar toda a família em frente ao televisor, e isso com dois adolescentes em casa, por vezes, é difícil!

    Responder
  6. Maria Isabel

    MasterChef:
    Excelente Programa,os jurados tiveram a palavra certa para cada concorrente quer no elogio do bem feito, quer no pior, sem ferir os sentimentos dos concorrentes que de tão nervosos que estavam, as mãos não paravam de tremer. O Miguel mais uma vez provou ser dono de um enorme coração com a atitude tomada com aquele “menino” de 18 anos. Um bem haja Manuel por ser quem é e ter essa postura perante a vida e os desafios que lhe são propostos.
    Parabéns ao Rui Paula e ao Miguel pois também são profissionais de excelência, e a toda a produção também pois fizeram um excelente trabalho.

    Espero ansiosamente os próximos programas.

    Maria Isabel

    Responder
  7. Maria Gorete Barbosa

    Obrigada por mais um programa de excelente qualidade. Ri, chorei e aprendi, condimentos essenciais para mais um sucesso. Parabéns a todos.

    Responder
  8. maria carvalho

    Adorei Manuel Luís! Gostava que o programa fosse mais longo para se ver a elaboração de algumas receitas…
    Sou Educadora de 15 crianças numa freguesia de Barcelinhos…. Adorávamos recebê-los numa prova!!!!….Podia ser sobre cozinha criativa para crianças e jovens!!!! Nada de hambúrgueres ….
    Um beijinho

    Responder
  9. Maria Emilia Cunha Lopes

    QD VI a primeira apresentação da vossa entrada no Estádio adorei ver o MANEL a entrar,com uma elegancia extraodinária como só o Manel sabe.Ontem vi do principio ao fim ,gostei da postura de tds,os chefes estiveram mt bem e o Manel como tbm é um chefe esteve adorável,mostrou mais uma vez um grande coração,nada mais podia fazer. Continuem sempre assim tds,creio k vai ser um grande programa,maior do k já foi.Voces vão ser uns grandes Homens e ser falados em mts sitios.Já mta coisa foi dita e eu não tenho o dom da palavra para vos elogiar mais,mas sabe o qt gosto de o ver. Beijinho para os tres e k td corra pelo melhor

    Responder
  10. Rosa Pacheco

    Sou nortenha mas não posso deixar de lamentar a decisão da autarquia do Porto . Fecham-se ruas por tudo e por nada e não são capazes de fazer o mesmo para abraçar um projecto destes que tanto pode ensinar.Adoro o programa. È pena não ser emitido diariamente!

    Responder
  11. Ana Isabel

    Boa tarde,
    quero desde ja felicita lo pelo excelente programa. Nao perdi nenhum episodio do 1°, e nao vou perder deste tambem..
    Da para ver que temos concorrentes de excelencia..
    adoro este programa, e que venham muitos mais.. beijo

    Responder
  12. maria oliveira

    Ola GRANDES E MARAVILHOSOS CHEFES ,
    Ja tinha saudades de ver vos ver, PAEABDNS, gostei por tudo e pela vossa humanidade que neste Pais anda arredada a muito e ser BOM no que se faz e assim mesmo tambem se tem um coracao aberto.
    Obrigados continuem confio a 100 %.

    Responder
  13. Ana Castro

    Manuel Luís deixe me que o parabenize por mais um excelente programa. Adorei, continuem assim e aguardo ansiosamente pelo 2º, 3º, 4º… episódios. Já chorei, já ri e sei que a cada semana vai haver sempre um novidade surpreendente.
    Beijos

    Responder
  14. Ines Cortes

    Bom Dia! O Masterchef é de longe o meu programa favorito da televisão portuguesa, é o único programa que acompanho do inicio ao fim e todas as semanas, e que deixo a minha filha de 5 anos assistir, e ADORO!
    Adoro porque é um programa de muitas Paixões, que nos conduzem ao crescimento.
    Obrigada por me brindarem mais uma vez com este programa.

    Responder
  15. Maria Raquel

    Gostei muito! Do primeiro programa, não perdi um, agora deste também quero estar “na plateia”. Logo no primeiro ri, chorei e acompanhei cada passo. Muito sucesso. Bem hajam

    Responder
  16. Helena Abreu

    Para mim é sobretudo uma oportunidade de, com muito prazer, ouvir falar em português correto um grande senhor chamado Manuel Luís Goucha. Sendo este um programa em que “o grama”, como medida de peso, irá ser muitas vezes enunciado, agradeço que estejam atentos ao modo como é utilizado não vá, por ignorância, virar ao género feminino, o que infelizmente é pratica corrente mesmo na voz de conceituados profissionais da comunicação.

    Responder
  17. Lourdes Aniceto

    Ola Manuel Luís

    Gostei muito de ver. Mais um Sucesso garantido para a TVI.
    Gostei de poder ver em simultâneo com Portugal, foi uma boa iniciativa. Cá de longe também temos direito! Já nos vão cortando outros programas….
    Parabéns a todos!

    Responder
  18. MARGARIDA RAMOS

    Sou apaixonada pelos seus comentários,aliás tudo escrito por si é excelente ,ADORO!
    Quanto ao programa fiquei frente ao televisor do principio ao fim Acompanhei o primeiro e espero poder acompanhar este também. Pela grandeza num todo EXCELENTE;EXCELENTE,EXCELENTE !

    PARABENS! A MINHA TV PREFERIDA E O GOUCHA SEMPRE A encantar-me quer seja em assuntos sérios, ou brincar admiro-o em qualquer registo È EXCELENTE
    Abraço
    Margarida

    Responder
  19. Marisela

    Ola , adorei, como sempre esteve ao seu mais alto nivel!!! Nos que estamos longe de Portugal fez nos sentir um pouco mais perto! Sem duvida um programa a seguir!!!!

    Responder
  20. maria martins

    O meu comentário e somente para contar para a sua estatística… Não consigo encontrar interesse suficiente para ficar a ver o programa. Tentei, mas apanhei logo com uma garota a servir ostras estragadas e ala que se faz tarde…

    Responder
      1. Maria Martins

        Obrigada pela correcção! Isto era a minha vontade de saborear umas ostras de Cacela Velha com um branco estupidamente gelado a acompanhar, ahahah!

        Responder
  21. Diana Pereira

    Olá Manuel Luís Goucha adorei a estreia do master chefe vejo de todos os países. Gosto muito de si é um excelente profissional. Tbm gosto muito dos chefes Rui Paula e Miguel Rocha Vieira tem todos um grande coração. Tudo de bom e ja podia passar o próximo episódio estou ansiosa.

    Beijinhos para os três.

    Responder
  22. ermita

    me prendeu.. houve pratos que me pareceram lindos e passou muito rápido…(os últimos sins. queria comer com os olhos era o minimo) hua! hua! alem de encherem a barriguinha, tbm ficam com os paladares, cheiros e com os olhos em bico…. ninguém merece!
    gostei mto da sua atitude e do chefe Miguel para com Afonso

    gostei e vou tentar aprender…
    abraço

    Responder
    1. carla cavaco

      Parabens pelo programa!!!!! Adorei belo convivio em familia e muito animado.Ficamos com pena de já ter acabado tão rápido !! : )

      Responder
  23. Paulo Herculano

    Primeiro episódio excelente, muito interessante do inicio ao fim, pena o Sr. Vitor não passar gostava de o ver na próxima fase. O pior de tudo é ter mesmo que esperar 1 semana para assistir ao próximo :)

    Um Abraço

    Paulo Herculano

    Responder
  24. Claudia morao

    Adorei o programa sou fã veijo este e todos os programas no estrangeiro mas este é especial adorava ter concorrido vou tentar ganhar coragem e tentar numa próxima vez .O Manuel e um ser humano lindo por fora e por dentro e o seu sorriso e o mais lindo do mundo o chefe Miguel e do mais humilde que há sempre pronto a realizar um sonho e a ajudar os outros e o chefe paula e um pilar fundamental no programa sempre com o seu olhar crítico mas amigo e sempre pronto a ajudar .Um programa único beijinhos grandes para todos e continuem assim pessoas maravilhosas .

    Responder
  25. Rafael Roberto

    Boa noite Manuel, espero que leia este meu comentário que tem a seguinte finalidade…dar-lhe os meus parabéns pelo excelente profissional que é.
    Tenho apenas 16 anos, mas gosto muito de o ver na televisão, quer seja no “Você na Tv” ou no “MasterChef”.
    É um grande apresentador e principalmente, é uma excelente pessoa…
    Mais uma vez, parabéns Manuel

    Um abraço
    Rafael Roberto

    Responder
  26. Ana Ferreira

    Boa noite!
    Primeiro episódio do masterchef foi visto pela minha família toda : eu; meu marido e o mais atento de todos o meu filho Tomás de 4 anos. O que ele opina ( está bonito; oh não digas que vai pedir o caixote do lixo..boa mais um avental; olha mamã como o Goucha aperta os botões

    Responder
  27. Rui Faísca

    O Programa está bem editado. emotivo. O casting foi bem feito. Gosto da iluminacao no tunel, programa com um potencial enorme, surpreendido com esta estreia , deixou de facto água na boca, o sucesso está à vista!!!
    Parabéns!
    Desafio com toda a certeza superado!
    Grande abraço
    Rui Faísca

    Responder
  28. Sílvia Estrela

    Boa noite Sr. Manuel Luís Goucha,
    Adorei o primeiro episódio! Fiquei muito emocionada com a jovem Marta, que apesar de ser nova, foi vítima de violência doméstica. Se todas as mulheres, denunciassem logo na primeira agressão, certamente não haveria tantas mortes como ouvimos todos os dias.
    Também gostei do acto do chefe Miguel Rocha Vieira, em relação ao concorrente Afonso, só demonstrou que além de ser um óptimo chefe, também é um homem com um grande coração. Vejamos a situação do Filipe na primeira edição.
    Estou muito ansiosa para assistir aos próximos episódios. E já agora, muito OBRIGADO pela sua companhia, e da Cristina Ferreira, todas as manhãs.
    Um grande beijinho, enviado da ilha de S.Miguel,
    Sílvia Estrela

    Responder
  29. Alcina Machado

    Boa noite. Suas palavras sábias sempre me cativam numa leitura atenta. Como sempre superou expectativas com o seu bom gosto, humildade e elegância com que apresentou mais este programa. Estava ansiosa, mas agora ainda mais pelos próximos episódios. Tudo de bom para si. Bjinhos

    Responder
  30. Daniela Pinto Pizarro

    Parabéns por mais um programa onde reina a excelência; excelência na realização, excelência na apresentação e principalmente excelência nos valores, sempre defendidos e apresentados da melhor forma e com um cuidado único. Já via de seguida o segundo episódio. :)

    Responder
  31. Berta Veiga

    Pois eu fiquei muito triste quando soube que não seria no porto pois já tinha avisado o pessoal cá de casa que lhe iria dar uma grande beijoca.Amei este programa e já ri e chorei.O Manel tem um coração tão grande mas tão grande que nem sei como cabe dentro do seu peito.Gosto de si e eu sei que sabe disso.Beijo grande e obrigada por ser assim!

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *