A latoeira de Tomar

fotografia 1fotografia 2

Há muito que tenho, em casa, uma destas panelas. É para fazer fatias de Tomar, o mais engenhoso dos doces portugueses, porque feito apenas de gemas e açúcar. E isso é quanto basta para chegarmos ao paraíso, e não sou eu a dizê-lo, apesar de estar plenamente de acordo, mas sim José Quitério, sábio dos prazeres da mesa e também ele tomarense. Quem inventou a panela não sei, mas sei que o pai da Otília, mestre Américo Marques, o “Migalhas”,  fazia-as como ninguém. O doce até que pode ser confeccionado num outro qualquer banho-maria, mas não há panela mais eficaz para o efeito. A massa de gemas, amarelinha de tantas que são, e só assim se admite que haja quem chame às fatias… da China, acomodam-se na forma interior e esta encaixa no corpo maior já com água quente dentro. Depois de hermeticamente fechada, a panela é levada ao lume, tendo-se o cuidado de ir repondo o volume de água através do funil que dela faz parte.

Otília aprendeu com o pai a trabalhar a folha de Flandres e ganhou tal gosto pelo ofício, que dele fala com arrebatada paixão, procurando caminhos para a arte que já se teria extinguido não fosse a sua teimosia. Lá vai o tempo em que das mãos inspiradas dos latoeiros da cidade saiam utensílios vários de serventia diária na culinária, na agricultura e na iluminação. Hoje independentemente de cumprir a tradição das coroas do Espírito Santo que encimam os tabuleiros de oferendas, na festa maior que se celebra de quatro em quatro anos, Otília Marques desafia-se na área da bijutaria e idealizando outros préstimos para as peças de outrora. Assim não deixa morrer a arte, da qual é actualmente a única herdeira. Por isso o escrito como que a render-lhe a minha homenagem.

fotografia 3 fotografia 4 fotografia 5 fotografia 6 fotografia 7fotografia 8fotografia 9

9 comentários a “A latoeira de Tomar

  1. Luís Miguel Alves

    Boa tarde.

    Estava precisamente a tentar encontrar o contacto da “latoeira” que faz as panelas das fatias em Tomar, quando encontrei o seu blogue. Tenho duas panelas ainda feitas pelo pai dessa senhora, que tive o prazer de conhecer numa feira em Tomar. As fatias conheço desde sempre já que tanto a minha mãe como avós eram naturais dessa cidade. Gostaria de colocar o contacto dessa senhora na minha página, no texto onde falo sobre as fatias, por acaso tem o contacto? Eu apanhei um cartão quando a vi em Tomar, mas sinceramente não sei onde o meti.
    Obrigado.

    Luís Alves

    Responder
  2. Ana Paula Jorge

    Sou Tomarense de gema, nasci na Rua da Sinagoga, quase que reconheço as pedras daquela rua que me viu crescer, além da Sinagoga, tem a casa onde nasceu o Lopes Graça, e a “Casa das ratas”, (a não perder quando voltar a Tomar), há cerca de 30 anos vim para a zona de Loures devido à via profissional do meu marido, mas a minha paixão por esta Terra continua, não admira, mas como todas estas belezas conseguem um Lisboeta de residência se encantar é porque se ALGO. Admiro bastante a sua pessoa, principalmente pelo seu gosto pela gastronomia, (outra das minhas grandes paixões) pena tenho de não estar no Masterchef . Quando voltar a Tomar peça para o levarem ao Restaurante a Lúria e ao Chico da Beca, se não conhece não se vai arrepender de os visitar. Não me quero alongar mais, felicidades para o programa.
    Um grande abraço de uma admiradora, Ana Paula Jorge.

    Responder
  3. Maria da Luz Castro

    Boa tarde MLG.
    Adorei todos os seus posts sobre Tomar e muito mais haveria a dizer, já que é uma pequena cidade encantadora, rica em História e em arte, mas compreendo que o não possa fazer no âmbito do seu blog. Eu não sou de Tomar mas desloco-me ali com frequência e nunca me canso de percorrer as suas ruelas e descobrir novos pormenores. Tomar é em “micro” o que Portugal é em “macro”. Explico-me: Tomar é uma cidade que há anos tem vindo a ser fustigada pela crise. A pouca indústria existente começou a falir muito antes de 2008. O comércio, outrora próspero, foi o primeiro a ressentir-se e hoje, passamos pela rua da Corredoura e vemos lojas fechadas, vitrines tristes cobertas de jornais ou mesmo entaipadas. A desolação. Noto, no entanto, que as gentes de Tomar fazem um esforço para manter a cidade viva com inúmeras actividades que vão anunciando ao longo do ano, como o Congresso da Sopa, o Festival das Estátuas Vivas, etc.
    Depois a gastronomia. Tomar, cidade do Ribatejo, região com tantas tradições, não tem restaurantes à altura dos seus pergaminhos gastronómicos, excepção feita ao “Chico Elias” onde a D. Céu é maestrina na cozinha.
    Olho para esta cidade, com tanto potencial, e fico triste pelo marasmo, pela inactividade, pelo provincianismo de quem a tem governado. Uma cidade assim, merecia ser tratada com o carinho e cuidado de quem tem ali uma jóia de família e ostentá-la na lapela para gáudio de quem a tem e inveja de quem gostaria de a possuir.

    Cumprimentos,
    MLTC

    Responder
    1. Mlg

      Olá Maria da Luz
      Neste blogue falo de tudo o que me toca enquanto cidadão e profissional. Gosto de história e de arte e por isso no âmbito das gravações do Masterchef procurei ir antes do mais da equipa para fazer algumas notas de reportagem para o Você na Tv sobre o trabalho de latoaria e a praça da República. Muito mais haverá a dizer e para mostrar, mas prefiro ter sempre motivos para voltar. Ainda assim usei também o blogue para escrever sobre o mesmo. Quando for para o ar o episódio MasterChef em parte gravado no convento de Cristo, terei outra oportunidade para escrever mais sobre a cidade que tanto me encanta. Um beijo e obrigado pelas suas palavras.

      Responder
  4. Daniela Santos

    Bom dia Manel, aproveito este cantinho tão delicioso, para lhe dizer que o admiro imenso, identifico me com essa fantástica assertividade e ao mesmo tempo com o amor que demonstra pelo seu trabalho e par com os seres Vivos!!! Passo a vida falar de si ao meu marido….:) mas ele também gosta muito de si 😉
    Parabéns Manel beijinhos

    Responder

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *