Fui ao poejo…

poejo1poejo2

…que tenho muito junto à charca. Nesta altura do ano já espiga e começa a secar, mas não perde por isso o seu aroma mentolado de que tanto gosto. Colhi apenas uns poucos pés e mesmo assim nem todos foram pisados no almofariz com azeite, dois dentes de alho descascados e umas pedras de sal. Guardei metade para outras receitas, até de doces, em que ando a magicar.

Este foi o tempero das douradas escaladas que quisemos para o nosso almoço. E apenas isso. Depois foi levá-las ao forno e deixá-las cozinhar a 150 graus, de modo a que fiquem suculentas.

Acompanhámos com batatas cortadas ao meio, assadas em azeite, cebola e alho picado, sal e perfumadas de tomilho-limão.

Simples, muito simples, e saboroso!

poejo3 poejo4

20 comentários a “Fui ao poejo…

  1. Ana Carvalho

    Olá.
    Belos tempos em que se apanhava todo o tipo de ervas e ervinhas… com a minha avó em criança.
    E agora dou por mim a olhar e na dúvida se é mesmo ou não, comprar no supermercado. Infelizmente não acontece só a mim, hoje em dia as pessoas tornaram-se “ignorantes” em relação á natureza que as rodeia…. água de malvas é desinfetante, chá de urze muito bom para os rins…. e na volta, já não sei distinguir as plantas!
    Tenho tentado “recultivar” estes conhecimentos, mas não é fácil, hoje em dia pouca gente o faz em segurança.
    Já agora, que me lembrei, gostaria de lhe dar os para bens pela rubrica do livro do abade de Priscos (já não via o programa há muito tempo, felizmente para mim pois é sinal que após 3 anos de desemprego, consegui…) e posso dizer que a qualidade mantem-se, parabéns. (só é pena continuarem a dar em rodapé um nº de telefone “falso” pois na verdade não dão livro nenhum, desde o anuncio do nº até ao intervalo fiz 164 tentativas de chamada de vários tlm – lá de casa, queríamos mesmo o livro… mas parece que é normal, basta ver os comentários no facebook, era preferível não anunciar estas ofertas, porque já tentei noutras ocasiões e o nº nunca funcionou – bom foi um desabafo…
    Importante: sejamos felizes 😉

    Responder
  2. Sónia

    Boa noite Senhor Goucha! Sim só um Homem com a sua grandeza de Coração se lhe pode chamar Senhor. Sinto uma enorme admiração por si, desde há muito que gosto da sua “pessoa”, identifico-me muito com as suas palavras, com as suas ideias, com a sua maneira de olhar a vida. Bem haja, que seja feliz no seu Monte, no seu pedaço de Terra, hei-de comprar o seu Azeite….Já vi as fotos da sua Casa, que bom gosto, de si não esperar outra coisa.A minha Filha que se chama Alice, à hora de jantar liga o computador e diz ( :-mãe vou colocar o Goucha ) vemos sempre o seu programa.Gosto muito de si, quêm sabe um dia dar-lhe um abraço.Cuide do nosso Alentejo, como alentejana digo-lhe :”Boa noite Compadri”.
    Beijinho de mim e da minha filhota Alice.

    Responder
  3. Andreia Carvalho

    Boa tarde,
    Não sei se conhece, mas experimente chá de poejo. Deixe secar o poejo e depois faça chá, é óptimo. Quando experimentar diga se gostou.
    Beijinhos

    Responder
  4. Maria Sousa

    Boa Tarde Manuel,

    Essa paparoca devia estar muito saborosa. Vou tentar fazer igual!

    E a promessa de um almoço no Monte com a Cristina, já está agendado??? Fico aguardar fotos dessa promessa.

    Ela vai gostar com certeza de tudo o que o Alentejo e inclusive o seu Monte, tem para absorver, “os cheiros, a calma, o cheiro da terra e a cor”

    Um abraço

    Maria

    Responder
  5. ROSA ARVANA

    Muito boa tarde Sr. Manuel luís Goucha.
    Primeiramente gostava de o felicitar pela dedicação e divulgação, que o senhor tem sempre tido pela gastronomia nacional. Confesso-lhe que em minha casa os programas de culinária são sagrados, principalmente os do Master Chef e especialmente o Master Chef Junior, somos espectadores assíduos, desde o meu marido , os meus filhos e a minha filha de 9 anos, ao domingo . É verdade nós no Alentejo temos das mais ricas tradições culinárias. Sabemos usar as ervas aromáticas como em nenhum outro lado. Ainda hoje mantemos algumas tradições ancestrais. Falando especificamente nas ervas aromáticas, refiro a famosa Cabeça de Xara, as Farinheiras com orégãos e as Farinheiras com poejos da ” MONTANHEIRA ” . E Produtos de Porco Preto que são fabricados na nossa Salsicharia em Sousel, Catet Lda, sob rigoroso controlo de qualidade .
    Cumprimentos desta sua fã.
    Rosa Arvana

    Responder
    1. MLG

      Olá Rosa
      E Sousel ainda por cima fica perto do meu monte! Um dia destes vou visitá-la. Quanto à cabeça de xara, sou fã (não se zangue) da da Octávia, do Cano. Um beijo

      Responder
  6. Maria Lemos

    Sou citadina, gosto de Lisboa, gosto do bulício, das expressões diárias!… Os eléctricos, os carros o metro,as multidões são uma constante na minha vida, no entanto amo o campo talvez por ser capricorniana adoro Terra, é tão bom as coisas simples da vida,o cheiro a terra húmida ,a pinheiro o eucalipto as conversas frescas ao luar!… confesso que sempre sonhei que um dia iria ter uma casa no campo e como o sonho é o último q morre continuarei a sonho-lo!…Falando agora da paparoca ,sinceramente tb nao sou apreciadora de achigãs mas uma belíssima dourada do mar sou chegada sim 😛 em relação ás ditas batatinhas em vez do tomilho limão costumo por oregãos 😉 .Bjs obrigada Manuel Luis por nos presentear com um pouco de suas vivências.

    Responder
  7. Teresa

    Manuel,

    Faça licor de poejo. O melhor digestivo que há e com o tal aroma mentolado que gosta.
    Obrigada por divulgar os sabores do Alentejo :)

    Responder
  8. Antonia Ramalho

    Ola Manel, a proposito de peixe , ha muito que ouço dizer que o salmão e um peixe optimo para a saude por conter muito Omega, e ha dias vi que o salmão e um dos 5 peixes mais cancerigenos que existem, afinal???Disse tambem que não aprecia muito o achigã, mas os pequenos bem fritinhos são optimos, e as carpas, ja provou? Ha no Alandroal o Restaurante Ze do Alto da D. Fatima e marido que faz umas carpas maravilhosas, comi muitas vezes quando eram eles que exploravam o restaurante da Piscina aqui em Monforte. Se ainda nunca provou essa maravilha, experimente. Beijinho Manel e Rui.

    Responder
  9. Carla

    Manuel
    Delicioso almoço, agora é ver os tremelicos do calor no campo, o chilrear dos passarinhos no silêncio, grilos, cigarras, sentir a natureza em todo o seu esplendor. É um homem apaixonado.
    Experimente fazer umas sopinhas de peixe com poejos, a minha avó fazia.

    Carla

    Responder
  10. maria potier

    Adoro todos os aromas do Alentejo.Vou esprimentar o peixe e as batatinhas, e vou estar atenta às suas dicas.Muitos e felizes anos no Alentejo

    Responder
  11. Paula Ramalho

    Boa noite
    Sr. Manuel Luis Gocha, e Srº Rui
    Vou fazer a vossa receita deve de ser optima. Mas gostei mesmo foi da parte do cesto do pão muito original não foce eu que o fizesse . Ah ah
    Cumprimentos para os 2 e fico feliz de ver que o uzam.
    Bjs

    Responder
  12. Maria Adelaide Lobato

    Tudo está com um aspecto delicioso, vou experimentar, só não percebi bem que tempero leva o peixe sem ser o poejo.
    Sou fã do Manuel Luis, se não vejo um programa seu tenho de gravar
    Obrigada por ser o profissional que é

    Responder
  13. Antonia Ramalho

    Obrigada pela dica Manel, só tenho pena que aqui no meu monte este ano não tenha poejos. Vá dando mais dicas que eu vou vendo até que saia o novo livro. Beijinhos, boa semana

    Responder
    1. Olga Vilhena

      Manuel Luís, hoje fiz a sua receita de peixe com poejos, mas com robalos pescados à cana pelo meu marido e as espectivas batatas assadas, ficou divinal muito obrigado pela partilha da receita. Desta sua fã Olga Vilhena

      Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *