Eu e o :D8

Confesso que não era dado ao rap, as minhas músicas são outras, mas havia no puto qualquer coisa que me fazia ficar agarrado ao ecrã, quando através do “zapping” me encontrava com o “Factor X”. Logo compreendi que era pelo discurso rítmico que devia ir, tal a densidade e pertinência do que cantava, num jogo de palavras e de imagens poéticas pouco habituais para quem tem dezassete anos. Não ganhou a competição, ficando-se pelo terceiro dos lugares de cima, mas conquistou a admiração geral, da miudagem e dos graúdos, e isso mesmo pude constatar hoje na cidade do Porto, quando com ele andei por alguns locais que lhe são caros, pelas mais variadas razões. “Puto és grande”, foi o que mais ouvi.

foto1

Começámos em casa com a mãe Ana e com a avó Cândida, a mulher da sua vida e por isso se diz “filho da avó”, que Ana passava o tempo, quase todo, fora a trabalhar. Tinha de ser. Do pai agradece-lhe a ausência: “…sei que se tivesse estado eu não seria a pessoa que sou hoje.” Sentamo-nos no quarto onde despertou para as rimas e que ainda é o seu mundo, sempre que ao Porto regressa. O jeito de rimar terá herdado da avó, se bem que as dela fossem diferentes, mais românticas, eram outros tempos. Talvez por isso não tenha ao inicio gostado do que o neto escrevia e sobretudo do ritmo. “Sabe, eu gosto de Julio Iglesias, de Marco Paulo… mas agora já me habituei”, diz-me a Candidinha, como gosta de ser chamada, nos seus lúcidos oitenta e um anos, “Mas tenho tanto orgulho no Diogo!”. Di-lo consciente do trabalho feito ao longo dos anos, que apesar de poucos parecem muitos pela maturidade com que o neto “rapa”.

foto2

“…és fonte de inspiração, dedicação, motivação/ tu me obrigas a estudar/ me fazes aprender/ Diogo para rimares/ tens de saber ler e escrever”.

À porta da escola secundária Fontes Pereira de Melo lembrou a importância da formação. Não a descurou, apesar de gostar e de aproveitar todas as pausas, recreios e furos, sempre para compor as suas rimas, com o que o lhe enchia a cabeça. “Quanto mais souberes/mais podes sonhar/até porque o saber não ocupa lugar…”

Ainda passámos pelo IPO, para lembrar o sorriso e a força das crianças ali internadas. “Aquelas crianças tentam viver a vida e aproveitar o melhor dela, apesar de terem cancro. Vi miúdos internados que adoravam andar de skate. Como não podiam fazê-lo, arranjaram uma alternativa: pegaram no suporte do soro e andaram a correr pelos corredores, a dizer que estavam a andar de skate… e ninguém lhes tirou esse prazer”. Foi a pensar nelas e para elas que escreveu: “…se te sentes só na caminhada/segues a estrada e ouves este som/sorrir é confiança e esperança/ sorrir, é o teu maior dom”.

foto3

Acabámos com o mar nos olhos, junto ao Castelo do Queijo. O mar que nos leva tão longe quanto a imaginação permite. Não há limites para o sonho. É preciso é querer. “Querer tem seis letras. Tens de querer com as seis. Não queiras só com a primeira. O erro das pessoas é que querem só com a primeira letra…”. Possivelmente teria sido isto que o Diogo queria dizer ao pirralho que um dia se lhe agarrou à cintura a perguntar-lhe como é que ele tinha conseguido. É que a história dele era igual: havia sido abandonado pelo pai, a mãe andava a trabalhar e ele também queria conseguir. Não fossem as lágrimas em que os dois se abraçaram, ter-lhe-ia dito: “Podes ser o que tu quiseres!”.

foto4

Poderá ver tudo isto e muito mais na próxima sexta-feira, dia 5 de Junho, na reportagem que fizemos, a propósito do livro “Podes ser o que tu quiseres” (edição Oficina do Livro), no “Você na TV”.

13 comentários a “Eu e o :D8

  1. Sandro

    Família de caca, só sabem é lamuriar-se na televisão do que alegadamente passaram. Por causa de gentinha dessa é que as coisas não andam para a frente.

    Parem lá de dar tempo de antena a essas criaturas sem eira nem beira.

    E a mãe? Que raio de aventesma é aquela? Eu não abro a porta em pijama nem ao carteiro e essa desqualificada aparece assim para a televisão.

    Não têm mesmo nível nenhum. Gentalha simplesmente.

    Responder
  2. Rita Rosado

    Boa noite Sr.Manuel Luis Goucha , chamo-me Rita tenho 16 anos e sou do concelho de Setúbal. Em primeiro lugar, admiro muito o seu trabalho e a forma como contagia o povo português com a sua alegria e talento, principalmente nos tempos que correm! Estou a escrever este comentário, (visto que não lhe consigo contactar de outra forma, e peço desculpa por isso) porque a minha escola ( E.B 2,3/S Michel Giacometti- Quinta do conde, Sesimbra) criou um projeto- Musical “Portugal e o Mundo” em que relata a epopeia dos descobrimentos através da representação e da canção( tudo criado pela nossa escola) . A peça passa-se numa aula de história em que os alunos e a professora vão relatando os acontecimentos mais importantes na história dos descobrimentos e onde cantam! Seria um enorme prazer podermos apresentar este nosso projeto, num dos mais conceituados programas da manhã! Junto envio um link de um vídeo cheio de talento : https://www.youtube.com/watch?v=ZMfzRDKpJpg . Gostariamos muito de o poder apresentar para vocês e para portugal, mas acima de tudo que o Sr.Goucha veja, vai gostar! Obrigada pela sua atenção! Muita sorte e felicidades!

    Responder
  3. Neuza

    Aproveitem e confrontem-no no programa com os plágios dele. Pelo menos com os mais evidente: Nobre Lusitânia de V1RUZ (em Povo Lusitano) e SOLO de Super Junior (na canção com o mesmo novo).

    Mas não dá jeito né? O director da Sony ainda fica zangado por confrontarem o filhinho querido dele.

    Responder
  4. Isabel Serrenho

    Esse D8 é muito bonzinho, mas só à frente das câmaras ou de quem ele acha que o pode ajudar. Longe delas já tive ocasião de comprovar que é uma besta arrogante e mal educada do pior mesmo. E ele não tem talento nenhum, nem o Zé Cabra cantava pior.

    Responder
  5. Catarina

    Nessa família parecem todos descendentes de porcos. É isto que querem que os miúdos idolatrem hoje em dia? Ainda por cima não canta a ponta dum corno.

    Responder
  6. zulmira pinto

    o nosso porto é lindo entao goucha toda amanha à espera que desse o recado à cristina e nada eu gistei tanto de o conhecer pessoalmente nem imagina o gosto que tive e o goucha esqueceu-sse rapidamente de mimfiquei triste ….zulmira de vila boa de quires.

    Responder
  7. Marta

    Esse D8 vale 0 como artista. Letras básicas, cliché e uma voz horrível. Não vale nada mesmo.

    Em vez de apoiarem artistas a sério, andam com estas nulidades ao colo.

    Responder
  8. Vanda

    Esse D8 é daqueles que é completamente irrelevante, a nível de vendas, etc., mas parece que tem uma equipa 24h por dia a tentar fazer parecer o contrário. Não se entende mesmo.

    Custa-me ver o Manuel Luís, que admiro e ao seu programa, a fazer também propaganda a este pseudo-cantor.

    Onde está o vencedor e a 2.ª classificada do Factor X? E todos os outros que por lá passaram com verdadeiro talento? E os ex-concorrentes dos talent shows da TVI? Não, o que importa é o D8 porque ele teve uma vidinha semi-triste.

    Enquanto este país continuar a preferir os coitadinhos e os que caem em graça a quem tem talento e trabalha nunca iremos a lado nenhum.

    Tenho dito e quem não vê o programa sexta-feira sou eu.

    Responder
  9. carlacorreia

    Espetacular, acompanhei o D8 desde que ele apareceu no fator x adoro todas as músicas dele o significado que têm são de um talento de um rapaz que pode ter 16 anos mas que já passou tanto na vida que é um exemplo a seguir por muitos jovens parabéns D8 nunca desistas bjs

    Responder
  10. Paula Francisca

    Um bem.haja beirão por me fazer olhar para pessoas, lugares e tantos outros lados da vida com o saber que evoca em cada um dos seus textos. .. Bem.haja por estar alerta e por mostrar que há sempre um caminho para fazer a coisa certa.

    Responder

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *