Espaços de vida

fotografia_finalGosto sempre dar uma saltada ao museu de artes decorativas do Louvre (rua Rivoli, 107) para fruir de uma ou outra exposição temporárias. Esta fina-se daqui a uma semana, no próximo dia 23, mas fica como sugestão, para o caso de andar pela capital francesa.

A ideia, da revista AD, foi convidar dezasseis decoradores a criarem espaços de vida, fazendo incluir em cada projecto uma peça do próprio museu. Por um lado, o público fica a conhecer algumas notáveis peças do acervo, pouco ou nunca vistas, por outro, o museu aproveita a iniciativa para estreitar a colaboração que existe, desde a sua fundação, entre a instituição e os arquitectos, decoradores e designers. O resultado merece ser visto.

fotografia1fotografia2

Daniel e Michel Bismut, irmãos e arquitectos, idealizaram esta sala de leitura. E integraram no seu projecto a secretária em couro e latão, de Jacques Adnet, de 1950 e pertença do museu.

fotografia6

fotografia3 fotografia (2)Neste gabinete onírico de Noé Duchaufour-Lawrence ganha destaque a vitrina, pertencente ao acervo do museu, de 1900, de Georges de Feure, em madeira esculpida, vidro e veludo.
fotografia4

fotografia5

fotografia8 fotografia9 fotografia12

fotografia

Neste bar/biblioteca da autoria da arquitecta Isabelle Stanislas a peça do museu usada é a arca em forma de sarcófago, veneziana, do século XVI.

fotografia (1)No salão imaginado por Pierre Yovanovitch destaca-se a cadeira de jardim, em madeira pintada, criada por Pierre Dariel em 1926.

fotografia13

 

3 comentários a “Espaços de vida

  1. Maria Emilia Cunha Lopes

    Mais uma vez fiquei deslumbrada,com as imagens k nos mostra,já k é impossivel lá ir ficamos com as fotos,aproveite sempre amigo e vá desfrutar aquilo k a vida lhe deu,lutou por isso merece-o.É pena nem tds poderem ir a esses sitios,mas a vida não é igual para tds.Temos k aproveitar da melhor maneira aquilo k temos. Tenho tido vários desgostos,mas o principal foi não poder estudar,houve sempre algo a cortar-me as pernas,(por isso agora sofro tanto delas) o primeiro foi o sr. Salazar,não davam bolsas de estudo a quem fosse filho de pai incógnito,mas isto já é uma história mto debatida. Mto obrigada Manuel Luis,eu adoro-o,faça sempre por ser feliz,gosto da sua maneira de enfrentar a vida e tds k falam de si,tem sempre uma amiga aqui para o defender. BEIJINHO GRANDE E UM ABRAÇÃO DO TAMANHO DO MUNDO (EMBORA NÃO PRECISE,K O DEFENDAM)

    Responder

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *