Em Sevilha

fotografia a

fotografia b

fotografia c

fotografia d

fotografia e

Não dá para esquecer: 1992, ano da Exposição Internacional. A seguinte seria em Lisboa e mudaria por completo toda uma zona da cidade ao mesmo tempo que galvanizaria todo um povo (onde isso já vai!), mas aquela era em Sevilha e eu ali subindo o Guadalquivir no paquete Funchal. Três dias para ver a Exposição era o objectivo da viagem, mas dada a ardentia habitual no mês de Agosto, que é quando as temperaturas roçam os cinquenta, só mesmo dentro do barco é que se estava bem, com o melhor da cidade ao longe. Da Expo lembro-me de ter visto o Pavilhão do Chile e fácil é perceber porquê, já que um grande bloco de gelo, como se fora a ponta de um iceberg, era a sua atracção principal, e dos pulverizadores de água fresca e repuxos que existiam um pouco por todo o recinto para que os visitantes suportassem melhor a fúria do calor. Convenhamos que é pouca lembrança para um evento destes e se eu tenho memória de elefante! Saídas só à noite, uma, e foi para ver um espectáculo de sevilhanas.

Por isso agora que voltei a Sevilha por causa do MasterChef, já que ali se gravou a prova de equipas daquele que será o décimo terceiro programa,  fi-lo como se fosse a primeira vez. E não é que me  apaixonei pela cidade!? Pela sua energia, pelo seu património edificado (o centro histórico é dos maiores  da Europa, com a mais imponente catedral gótica do Mundo, igrejas onde a arte é superlativa, o Real Alcazar, a Casa de Pilatos… memórias  de uma cidade que já foi babilónica), pelos seus jardins, pela sua raça, de que o flamenco faz prova, pelas suas mais íntimas devoções.

Tanto e tão perto, apenas a quatro horas de carro. É difícil explicar a cidade,  tem de se vivê-la. Talvez que as fotografias e o vídeo ajudem um pouco. Certo é que a ela hei-de voltar, ainda este ano, com a inocência do assombro, para que a cidade me construa e destrua a um só tempo. Que Sevilha é dessas, poética e canalha.

fotografia 1 fotografia 2 fotografia 3 fotografia 4 fotografia 5 fotografia 6 fotografia 7 fotografia 8 fotografia 9 fotografia 10 fotografia 11 fotografia 12 fotografia 13 fotografia 14 fotografia 15 fotografia 16 fotografia 17 fotografia 18 fotografia 19 fotografia 20 fotografia 21 fotografia 22 fotografia 23 fotografia 24

12 comentários a “Em Sevilha

  1. Maria Emilia Cunha Lopes

    QUE loucura MANUEL LUIS,K coisas lindas nos mostra,por acaso era uma cidade k adorava ver e tbm Barcelona dizem k são lindas,mas infelizmente contento-me com as fotos.O Hotel deve ser uma pequena maravilha.Como sempre o Manel surpreende em tudo,na maneira como reage a certas provocações e k a mim me põe a ferver,por não falar frente a frente com essas pessoas e cortar-lhes a lingua comprida k teem.ELES teem é ciumes por não saberem ser uns srs como é oManel,A sua forma de estar na vida élinda e não ofende ninguém.Continue sempre assim e é assim k gostamos e o admiramos mais. OBRIGADA MEU QUERIDO AMIGO UM GRND ABRAÇO E BJO

    Responder
  2. Nuno Valente

    Olá Manuel, foi mesmo um gosto ter privado da sua companhia no dia de ontem. Se já o achava um grande homem, ontem foi a derradeira prova. Muito obrigado pela simpatia. Ainda nos vamos a ver. Um grande abraço. Nuno, o GNR. Ah ah ah.

    Responder
  3. Carla

    Manuel, conheço bem Sevilha é linda, as suas fotos bem o demonstram.
    Q guapos estan los dos, pues le digo que hacen una bonita pareja, siga su vida como tiene seguido hasta aqui, pues es un hombre que mucho valoro!
    Una inspiracion para muchos, lo crea que es verdad.

    Besitos mile

    Responder
  4. Helena

    Olá MLG, também eu fui a Sevilla pela primeira vez na expo 92 e pensei que morria lá de calor, vim embora com pena de não ter conhecido a cidade mas com o propósito de lá voltar um dia. E voltei e apaixonei-me pela cidade e todos os anos lá vou ou entre o Natal e o Ano Novo ou na Semana Santa e adoro toda a alegria dos Sevillanos, as tapas nos seus botecos, namorar nos seus jardins, passear pelas ruas apinhadas de gente e entrar nas lojas que sim lá o comercio é na rua e não nos centros comerciais como nós fazemos no nosso país.
    Obrigada pelo que escreve e nos ensina.

    Responder
  5. Matilde

    Olá Manuel!
    Há algum tempo que gostaria de lhe deixar este comentário.
    Tenho 22 anos e sou uma admiradora da sua maneira de viver a vida. Quero dizer-lhe que é, de facto, uma inspiração.
    Para já admiro a sua vontade fugaz de querer saber mais, a sua cultura e o seu nível intelectual. Este tipo de posts são o consolidar daquilo que já tinha presente acerca da sua pessoa: que de facto é uma pessoa que se interessa pelo mundo à sua volta e que gosta de partilhar o conhecimento que já tem acerca dos mais variados assuntos. Isso nota-se todos os dias, tanto no seu blogue como no programa televisivo que conduz todas as manhãs. Acrescenta sempre detalhes aos temas que apresenta. Detalhes que só alguém com sabedoria sabe apresentar.
    Além disso, admiro a forma como leva a vida no geral bem como facto de conduzir a sua vida de acordo com aquilo que quer e não de acordo com aquilo que os outros esperam de si. Sei que por vezes deve ser complicado gerir algumas situações que surgem com o decorrer da exposição a nível pessoal, e sei o quanto é recorrente algumas pessoas acabarem por sucumbir e perder-se daquilo que realmente são. Gosto de ver a maneira como tão bem sabe apresentar-se em público e como se sabe mostrar a quem o vê, nunca expondo demasiado a sua intimidade, e sempre revelando parte da pessoa que é.
    Parabéns Manuel, é bom ter um SENHOR assim neste país.

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *