Em Cracóvia… Nove anos depois

casa 105

casa 063

casa 064

casa 067

casa 069

Estas fotos têm nove anos e são da Praça do Mercado, como é conhecida a praça maior de Cracóvia, na Polónia. Pela cidade deambulei, então, uns seis dias, tendo tido a sorte de ver a minha estada coincidir com o festival de música clássica, que todos os Verões ali tem lugar. A própria Praça serve de palco ao espectáculo de encerramento, onde a dança, a música e o canto enfeitiçam a noite. Lembro que afora os concertos para os quais comprei bilhete e que na maior parte dos casos ocorreram em algumas das mais belas igrejas da cidade, e muitas são, do gótico ao barroco, pude, ainda estou para perceber como, assistir ao ensaio geral de um espectáculo de Jordi Savall e Montserrat Figueras, para o qual a lotação há muito que estava esgotada.

Ao passar numa das ruas da cidade ouvi música e logo fui entrando pela porta do auditório que estava aberta. Sentei-me bem ao fundo da sala, como quem não quer a coisa e ali me fui deixando ficar sempre na expectativa de vir a ser expulso. Certo é que assisti a todo o ensaio, pr’aí umas duas horas, tal e qual como se fosse o concerto daquela noite, só que com os solistas “à paisana”.

FullSizeRender (1) FullSizeRender (2) FullSizeRender (3) FullSizeRender (4)

FullSizeRender (5)FullSizeRender (6)FullSizeRender (7)FullSizeRender (8)FullSizeRender (9)FullSizeRender (10)FullSizeRender (11)FullSizeRender (12)FullSizeRender (13)FullSizeRender (14)FullSizeRender (15)FullSizeRender (16)FullSizeRender (17) FullSizeRender (18) FullSizeRender (19) FullSizeRender (20)FullSizeRender (21) FullSizeRender (22) FullSizeRender (23) FullSizeRender (24)FullSizeRender (25)

Nove anos depois voltei a Cracóvia, por três dias, com o objectivo de filmar Auschwitz, memória de um tempo de terror e ignomínia. E dei comigo, de novo, na praça de todos os encontros. A luz é diferente, outonal, mas há a cor das flores, que é dia de mercado, e a do frio, a modos que cinzento azulado. A altivez e elegância originais do Velho Mundo, mantêm-se. Nem parece que a cidade tem mais de mil anos.

10 comentários a “Em Cracóvia… Nove anos depois

  1. Telma

    Visitou o museu underground? Mesmo debaixo da praça fica um museu underground onde é possível conhecer a história da cidade…Hmmm..Saudades que essa cidade deixa…Nostalgia…

    Responder
  2. beatriz Pinto

    Amei Cracóvia! é uma cidade linda, envolvente e muito amistosa.
    As Igrejas são lindas e os concertos clássicos são de ir às lagrimas!
    É uma cidade a que voltarei um dia com certeza!
    Um beijinho Manuel Luis
    Beatriz / esbelt :)

    Responder
  3. Katarzyna

    Obrigada Manuel Luís . Adorei ler este texto.Tenho muita pena porque não sábia que você estáva aqui na Polónia.
    Gostava de conhecer o Manuel.

    Sou orgulhosa que sou Polaca
    Bjs e cumprimentos :)

    Responder
  4. ricardo

    gostava de saber se o manuel lus aindda se encontra em cracoovia gostava muito de me encontrar consigo visto que vivo ca comprimentos ricardo oliveira

    Responder
  5. Maria Fernanda Ribeiro da Silva

    Olá Manuel Luís
    Conheço muito bem Cracóvia que adoro ainda para mais porque tenho um filho a trabalhar lá há dezasseis anos, é casado com uma linda polaca e tenho quatro lindos netos. Vou lá bastantes vezes. A cidade é linda, antiga, com muita história e muitos lugares lindos. Estou ansiosa pela sua reportagem sobre Auschwitz porque sou da opinião que todos, se pudessem, deviam visitar para ver ao que chega a maldade humana que nos tempos que correm, não sei aonde vai parar! Já fui a Auschwitz duas vezes sempre com imenso respeito e num silêncio ensurdecedor!
    Pena não ter ido visitar a Fábrica de Schindler, que também é um grande testemunho da barbárie e de alguma ajuda aos judeus.
    Não sei se conhece as minas de sal, mas se ainda não o fez, um dia programe, porque vale a pena. São galerias e galerias com a história da Polónia feitas em estátuas de sal. Uma igreja também toda em sal, . lindíssima aonde se fazem celebrações, tais como casamentos. Uma estátua enorme do Papa João Paulo que como sabe nasceu perto de Cracóvia . As minas localizam-se em Wieliczka.
    Um abraço amigo. Maria Fernanda

    Responder
  6. Angelina de Fátima Reis Ribeiro

    Estive nesta cidade há dois anos e, é maravilhosa. A luz desta praça é magnífica.
    Ficou-me na passagem para Auschwitz. Foram lugares que ficaram na minha memória para a vida!

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *