O elogio do vidro

Parece que entramos na caverna de Ali Babá só que ali não se escondem tecidos finos, tapetes delicados, tampouco sacos cheios de moedas de ouro, o “tesouro” é outro, o do vidro, cumprindo a longa tradição da Marinha Grande, cidade onde a primeira de muitas fábricas de produção vidreira foi instalada ainda no tempo do Marquês de Pombal (1769). Há de tudo, dos vidros utilitários e de serventia diária, como os jarros e os copos bico de jaca, aos decorativos, de linhas depuradas. Difícil mesmo é o embaraço da escolha que ou vamos lá mesmo com um fito bem definido, como o de repor uma peça que entretanto se quebrou, ou então estamos tramados porque apetece logo renovar estoques, tão tentadora que é a colorida e variada oferta. Queria uns copos de água para a cozinha, para substituir os que se foram partindo com o tempo e acabei comprando também umas garrafas para a água, para colocar nos quartos do monte, e ainda um recipiente para as litradas de chá frio que vou bebendo. E fiquei com ganas de voltar, rapidamente!

Vidros … é no Depósito da Marinha Grande na rua de São Bento, 234/236, mesmo em frente à Casa de Amália. Olhe que belo programa para uma tarde bem passada: entra na casa da nossa artista maior, e desta forma no seu mundo mais privado, e depois, do outro lado da rua, deixe-se encantar por tudo quanto o Depósito nos oferece. Até pode desenhar uma peça que eles fazem a reprodução. Bem que gostaria, não fosse eu tão canhestro!

5 comentários a “O elogio do vidro

  1. Alexandra Fernandes

    Obrigada mais uma vez,por mostrar o que de melhor, ha no nosso pais.
    Obrigada por convidar,mais uma vez o Pedro Crispim,para a cronica social.
    Cumprimentos.

    Responder
  2. maria silva

    É único Manuel Luís!!! Mas que belos momentos ao ler textos extremamente bem conseguidos…
    Quem se lembraria de nos lembrar o depósito vidreiro?! Que belas reportagens…Curtas e completas. Não tenho dúvidas, cada vez mais um senhor!!!! Parabéns, parabéns e parabéns. Que dom tão grande. …

    Responder
  3. Manuela Gonçalves

    Boa noite, permita me dizer que admiro muito o seu profissionalismo quer na TV, e no que escreve. A propósito da crônica de hoje, estou a passar uns dias na Marinha Grande, e fiquei fascinada com as peças de vidro que vi hoje no museu do vidro. Grandes artistas estes homens que criam peças de tão bom gosto, num trabalho artesanal que infelizmente está a desaparecer. Manuela Gonçalves

    Responder
  4. Helena Loureiro

    Olá.
    Que peças lindas, também eu me perdia.
    E sei quem se perdia por esse par de mochos.
    Não sabia da existência dessa loja.
    Tudo de bom, até um dia destes
    Helena

    Responder
  5. fatima

    Boa noite cada vez o admiro mais como não conheço muitas coisas e lugares assim viajo e conheço coisas com as suas reportagens muita saúde e que seja sempre assim

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *