Do(s) convento(s) para o Cabaré

foto1

Gosto de lugares de silêncio, outrora de recolhimento e oração. E é na contemplação do que deles resta que me encontro e apaziguo. Desta vez foi em São João de Tarouca (acreditou-se que o primeiro mosteiro fundado em Portugal pelos frades da Ordem de Cister, mas há quem afiance que o primeiro mesmo terá sido o de São Cristóvão de Lafões) ou melhor na sua igreja, que o mais são ruínas à espera que façam delas alguma coisa. Tempos houve em que se falou de se instalar ali uma pousada a exemplo do que se fez, e bem, com o convento de Santa Maria do Bouro. Tenho que a transformação de certos monumentos, nomeadamente religiosos, em unidades de turismo selectivo são a melhor forma de se recuperar, preservar e dignificar todo um património que no caso concreto de mosteiros e conventos começou a degradar-se e a ser pilhado após a extinção das ordens religiosas, em 1834, e sequente fechamento após a morte do último monástico habitante. Mas tudo não terá passado de bons propósitos sem o financiamento ou o interesse dos da tutela, que os sustentasse. E ainda que as pedras falem por si, de um passado dedicado ao trabalho da terra, já que os monges eram senhores de largos fundos agrários, ao ensino de artes e ofícios, e à oração, é na Igreja que encontraremos as obras de arte que conferem grandeza e sumptuosidade a todo conjunto, como o cadeiral de sessenta assentos, em pau do Brasil, ornado com o excesso e extravagância do barroco português do século XVIII, a escultura da Virgem com o Menino, policromada, encontrada no antigo refeitório dos monges, que os da terra baptizaram de Senhora da laranja, os azulejos de seiscentos que cobrem arcos e paredes das naves laterais, o colossal túmulo granítico onde jaz D. Pedro Afonso, conde de Barcelos, filho bastardo de D.Dinis… nada que não lhe seja relatado por Rosa Jacinta, um verdadeiro tratado … de sabedoria e simpatia, feita guia por dedicação … e jardineira, logo acrescentou com orgulho, que é ela quem cuida do espaço exterior do mosteiro e de alindar os altares em dias de celebração. Filha da terra, fala com devoção do seu Mosteiro, que o quer mesmo é que venham admirá-lo.

O mesmo entusiasmo encontrei em Daniela Faria, da Inovterra (Associação para o Desenvolvimento Local), ao mostrar-me um extenso projecto de cultivo de ervas aromáticas e medicinais, seguindo o exemplo dos monges de Cister, desenvolvido dentro da cerca do mosteiro, para além de muitas outras ideias que a Associação pretende pôr em prática no intuito de valorizar e divulgar todo este património.

foto2

foto3

foto4

foto5

foto6

foto7

foto8

foto9

foto10

foto11

foto12

foto13

foto14

foto15

foto16

foto17

foto18

foto19

foto20

foto21

E em Salzedas, ali a dois passos, no Mosteiro de Santa Maria, também cisterciense e cuja fundação está intimamente ligada a Teresa Afonso, mulher de Egas Moniz. Neste caso, se a Igreja, hoje paroquial, necessita urgentemente de obras de recuperação, tal o seu estado de degradação, em outras dependências do antigo mosteiro, como a área das celas de clausura, podemos encontrar um bem pensado e estruturado museu, onde se exibem algumas das valiosas pinturas que outrora vestiram as paredes do templo, de autoria de nomes maiores da pintura portuguesa, como Grão Vasco e Bento Coelho da Silveira.

Também aqui encontrei o mesmo orgulho de quem da terra e com funções autárquicas (Manuel Laranjo) procura, sem os apoios suficientes, enaltecer e valorizar tão valiosa herança.

foto22

foto23

foto24

foto25

foto26

foto27

foto28

foto29

foto30

foto31

foto32

De notar que o terreiro do Mosteiro de Santa Maria de Salzedas se apresenta harmonioso e com outros motivos de interesse, como a judiaria que em breve será recuperada, o cruzeiro e a “Casa do forno”, se bem que neste último caso, onde ainda existe aquele que foi o velho forno comunitário, o interesse seja gastronómico, porque agora é ali um pequeno restaurante onde a cozinha se serve franca e saborosa, como se fosse a da nossa avó.

foto33

foto34

foto35

foto36

Mais uma curiosidade para selar a prosa: numa casa sobranceira ao terreiro, onde é a varanda de madeira a dominar a sua fachada, estranha-se a existência de portas abaixo das janelas. Mas tudo tem uma explicação: sendo esta região rica em figos, estes espalhavam-se no chão sobre cama de palha e deixavam-se a secar, com as ditas portadas escancaradas.

foto37

www.inovterra.com
www.facebook.com/casadoforno

11 comentários a “Do(s) convento(s) para o Cabaré

  1. Maria Teresa Jesus Almeida

    Tanta vez corri nesse terreiro de Salzedas e onde tanta vez fui a esse forno e com orgulho vejo a descrição que faz de uma casa de familiares meus obrigado pela sua dedicação as estas obras de arte cumprimentos

    Responder
  2. Valdemar Ildefonso

    28/12/2015
    O brigado Manuel Luís Goucha pela visita a esta Vila Maravilhosa, S .João de Tarouca. Vila onde nasci e baptizado no ano de 1955, encontra-se no centro do Vale Encantado é das Vilas mais belas de Portugal conforme as fotos apresentadas por Manuel Luís Goucha .
    Quem gosta do nosso Portugal deve visitar sei que vai gostar.
    O meu muito obrigado ao Manuel Luís por visitar e publicar estas maravilhas.
    Um bom ano de 2016 com muita saúde.
    Valdemar Ildefonso.

    Responder
  3. Raquel Silva

    Ao ver estas lindas imagens sente-se o som do silêncio. Ao ler viajei um pouco.Obrigada
    Pena não ter um programa seu, comentado por si, quando escreve ou fala dá-lhe uma vivência que até os
    que não ligam, ficariam agarrados aos programas. E todos os trabalhos passados na TVI, juntos com os que tem no seu blogue já tem muita matéria.
    Espero por esse programa. Parabéns

    Responder
  4. Madalena Ferreira

    MLG, é muito generoso da sua parte fazer esta partilha – Obrigado!

    Que em 2016 o possa continuar a fazer. Será bom para todos!

    Um abraço,

    Responder
  5. João Damião

    Excelentes fotos, excelente reportagem de uma vila que bem conheço e admiro. Parabéns e obrigado por esta sua partilha. Feliz Natal e um excelente 2016!!!…

    Responder
  6. Antonio Sorrilha

    Parabens pelas bonitas fotos,mas sobretudo pelas palavras de coragem deixadas a esta gente,nas torres destas Igrejas estao sinos fundidos na Bonita e airosa Granja Nova ,fregusia de Tarouca,pela familia Sorrilha e mais tarde pela familia Loureiro,um abraço e Bom Natal.

    Responder
  7. cristina

    … não sei por onde andam as fotos tiradas por esses sitios. Mas sei exactamente onde guardo as memórias deles. E depois as tuas fotos levam-nos lá, os teus escritos ensinam a “afinar” o olhar.
    Obrigada por isso.
    Vive-se tanto quando se viaja!
    Um beijo

    Responder
  8. Paulinha Velez

    MLG,

    não me canso de ler as suas reportagens…mas as fotos ensinam tanto como as suas palavras….obrigado por partilhar tanto e com tanta mestria o seu saber 😉

    um abraço Natalicio
    Paulinha

    Responder
  9. Sandra Paulo

    Já fui visitar esses sítios há uns anos atrás. A minha família é de Lamego e tenho tios que vivem em Tarouca mais precisamente Castanheiro de ouro. É uma zona lindíssima. Desejo-lhe boas festas.

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *