Casa da Ínsua

foto1

foto2

foto3

foto4

foto5
Foi por uma amiga que ouvi falar pela primeira vez da “Casa da Ínsua”: “Tens de lá ficar. É a tua cara. Vais gostar!”. Depois vi-a, e mais do que uma vez, em reportagens na televisão e sim, dei comigo a pensar que o hotel teria a ver comigo, que, para além do conforto e das mordomias, do que gosto mesmo é de casas com história. E esta tem de sobra, construída que foi no século XVIII, a mando de Luís de Albuquerque de Mello Pereira e Cáceres, Governador e Capitão General de Cuibá e Mato Grosso, no Brasil. Está onde antes era a anterior Casa da Ínsua, de meados do século XIV, erguida por João Albuquerque e Castro, Alcaide-Mor de Sabugal, mantendo-se dessa alguns elementos como o terraço e a capela. A Casa da Ínsua continua dos Albuquerques ou melhor do último descendente da família, mas é desde 2009 um hotel de charme de cinco estrelas, há meses integrado no grupo “Paradores” (daí que oitenta por cento da clientela seja espanhola). Para lá ficar teria de esperar por um bom motivo que me levasse para aquelas bandas e foi o que aconteceu agora, devido a uma sessão de autógrafos que decorreu na bela cidade de Viseu. Melhor que quaisquer palavras, as fotos falam por si.

foto6

foto7

foto8
Do pequeno almoço ao jantar tudo se passava nesta sala. A família refeiçoava nesta mesa, usando a louça Companhia das Índias, ainda exposta no louçeiro. Repare-se ao centro da lareira, no brasão da família inclinado, que esse era sinal da existência de filhos bastardos.
foto9

foto10
Nesta pequena sala atendia-se o telefone. O aparelho é o original, o primeiro da família e de toda a Beira Alta.
foto11

foto12
Era à volta da grande lareira do arquitecto Nicola Bigaglia (veneziano residente em Portugal a partir de 1880) que a família seroava. O chão da sala do piano é o original, feito com quatorze tipos de madeira.
foto13

foto14

foto15
É nesta sala que encontramos os retratos dos senhores da casa, a começar pelo seu fundador Luis de Albuquerque. No quadro maior veja-se Francisco de Albuquerque montado no seu cavalo, fazendo-se acompanhar pelo seu cão correio, isto porque o transporte do correio entre Mangualde e Penalva do Castelo era feito pelo canídeo.
foto16

foto17

foto18

foto19

foto20

foto21

foto22

foto23

foto24

foto25

foto26

foto27
O mais é perder-se no jardim de inspiração francesa, à Le Notre (o maior paisagista do barroco francês, autor dos jardins do Palácio de Versalhes e do Jardim das Tulherias, ao tempo do Luis XIV) e onde florescem rosas e camélias…
foto28

foto29

foto30

foto31

foto32

foto33

foto34

foto35

foto36

foto37
…e pela quinta imensa outrora fervilhante de actividade, já que aqui se fazia tudo o que era necessário para na casa viver. Do pão aos móveis, passando até pelo fabrico de gelo. Actualmente continua-se a produzir azeite, vinhos (alguns medalhados internacionalmente) queijo e requeijão do leite das suas ovelhas e compotas que perpetuam os aromas e sabores dos seus frutos.

www.casadainsua.pt

5 comentários a “Casa da Ínsua

  1. carla

    Preciosa casa e jardim!
    Fotos mágnificas parabéns.
    Tenho um entendido em heráldica em casa, o brazão inclinado tem outro significado, não da existência de filhos bastardos. Assim que tiver a explicação coloco aqui , se me permitir. Já são muitos anos de estudos de brazões e os seus significados, a sua origem.

    Carla

    Responder
  2. Berta Veiga

    Vendo o interior dessa casa,é como se se abrisse um livro de história e de lá saíssem as figuras do livro e se espalhassem pela casa.É sem duvida a sua cara .Ás vezes,quando não sei alguma coisa,especialmente de história ,penso em si e muitas vezes digo: se estivesse aqui o MLG ele saberia com toda a certeza!!confesso que se pudesse passar uma noite nesse hotel,ficaria intimidada com tanto passado espalhado por tudo que é canto.

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *