Caminhos de Vida

Na semana passada tive o privilégio de ser convidado para, no âmbito da celebração do Dia Mundial dos Cuidados Paliativos, falar no auditório do Hospital da Luz sobre a forma como o tema é tratado pelos “media”, em particular pela televisão, dado que é nesse meio que trabalho há muitos anos.
cg1

Bem gostaria de ter começado por enaltecer a eficácia da mensagem passada pela televisão, se essa fosse um facto, mas infelizmente este é um tema pouco ou nada tratado por qualquer um dos canais generalistas.
Falo por mim e pela minha prática ininterrupta de vinte e quatro anos na condução de programas matinais. Quantas vezes terei abordado a questão dos cuidados paliativos? Nem umas dez, em vinte e quatro anos, e sempre que o faço tem de haver um motivo forte que o justifique, para que a proposta do tema seja aceite, de bom grado, no colectivo de quantos editam e produzem o programa: uma celebração, a publicação de um livro, uma efeméride…

Há como que um preconceito instalado que repele o assunto por inevitavelmente o associarmos à morte, quando é de Vida que estamos a falar. Há caminhos de Vida na Morte, que devem ser percorridos com dignidade e sem sofrimento. Podemos estar a falar de dias, mas também de meses e até de anos em que o paciente e o seu entorno têm o direito a cuidados qualificados e evolutivos que respondam às suas necessidades físicas, emocionais, sociais e espirituais. Por isso quando falamos de unidades de cuidados paliativos não estamos a falar de uma cama numa qualquer chafarica (por exemplo, lares que, enganosamente, os propagandeiam em feéricos néons) mas de unidades pensadas e criadas com critério e grande exigência, servidas por equipas multidisciplinares.

cg2

Não, não se pense que cuidados paliativos é apenas para gente rica, qualquer doente tem de saber que eles existem e que a eles tem direito, independentemente da sua condição social e da sua conta bancária. Mas para tal é indispensável a informação. Uma sociedade informada é uma sociedade livre e por isso capaz de reivindicar e de exigir. A televisão deveria assumir-se como protagonista nessa função e não importa se pública ou privada, se bem que esta última se rega, e compreensivamente, por outra lógica: a das audiências.

O medo de baixar a audiência, subverte bastas vezes os princípios que entendo como basilares para a função de comunicar em televisão: entreter, formar e informar. E é possível num mesmo programa abarcar todos estes propósitos norteadores. Adapte-se a linguagem consoante o público que assiste, seja-se um bom comunicador (a), dos que fazem ficar agarrados ao ecrã, e não haverá beliscadura nas audiências, tenho provas disso.
Na véspera da sessão no Hospital da Luz, convidei, uma vez mais, a Dra Isabel Galriça Neto a estar presente no programa da manhã para falar de cuidados paliativos, a sua bandeira. Fá-lo sempre de modo empenhado e apaixonado, com as palavras certas e certeiras para o auditório deste género de programa, verdadeiros contentores, onde todos os assuntos cabem, por isso autênticas escolas de televisão. No dia seguinte, antes de entrar em estúdio, e consultando especificamente as audiências do programa anterior, no segmento respeitante aos cuidados paliativos, pude constatar que 476.000 pessoas (quase meio milhão) assistiram à conversa de vinte minutos e em momento algum a audiência desceu, antes pelo contrário.

cg3

Há temas que deviam ter prescrição televisiva em doses leves mas repetidas. Os que nos abrem coração e mentalidade, que esse é o poder da televisão. Assim o saibamos usar. É curioso que exista o preconceito em relação à abordagem da morte, face inseparável da nossa existência, através de um caminho de qualidade de vida, sem a inutilidade do sofrimento, que é isso que são os cuidados paliativos e não exista preconceito ou pudor idênticos quando a morte dos outros, cruel e ensanguentada nos é servida, de segunda a sexta, à hora do almoço nas ditas “crónicas criminais” e contra mim falo.

cg4

Continuarei a abordar temas como este no meu ofício de todos os dias, com a regularidade que me for possível, consciente da importância que têm na construção e formação de uma mentalidade plena. Perante a dor, não podem existir cidadãos de primeira ou de segunda. Todos terão de ter acesso a cuidados paliativos, seja nos hospitais privados, seja nos públicos. Já há uma meia dúzia de hospitais públicos com tais unidades mas são ainda, assustadoramente, insuficientes, sabendo que em Portugal setenta mil pessoas deles necessitam, sendo que seis mil são crianças. Medíocre é a classificação que organismos internacionais de saúde atribuem ao nosso país, no que toca à prestação de cuidados paliativos. Um país civilizado e moderno tem uma boa rede de cuidados paliativos. Exiga-se mudança e acção da parte das entidades decisórias e não a desfaçatez e impiedade de julgarem que estes doentes já não contam.

É de Vida que falamos (e não é Viver aprender a Morrer? – como diria Sêneca, filósofo da Roma Antiga). Cuidados paliativos não é atirar o doente para os bastidores da Vida é mantê-lo no proscénio, com os seus, com qualidade, bem-estar e dignidade.

cg5

7 comentários a “Caminhos de Vida

  1. Cristina miguel

    Sempre bem Querido Goucha!!!!!! Os programas da manhã podia abordar temas como este que, como comprovaram, não perdem audiências e decerto esclareciam tantas pessoas q não exigem os seus direitos por pura ignorância.Infelizmente a vida não é só composta de reality shows, novelas e programas da manhã cheios de gargalhas, compreendo q é o mais fácil. Um grande beijo de quem o admira muito

    Responder
  2. Aida Ferreira Pinto

    Olá Manuel Luís.
    belicismo o seu texto. é um desafio para quem tem o dever e obrigação de mais fazer,e sensibilizar para que haja mais qualidade de vida destes doentes .são seres humanos em sofrimento em que muitas vezes a mão amiga, pode ajudar a viver tanto!como a “partir”para o outro lado da vida .é sempre vida!…
    falou na palavra espiritual! como costuma dizer que não acredita em nada escrever a palavra espiritual é de quem muito respeita tudo que seja vida,seja nesta ou noutra dimensão.
    tudo que se possa fazer,ou dar a estes doentes,faz-nos sentir grandes na nossa pequenez. e com uma grande paz espiritual . bem -haja por escrever sobre este tema oxalá o possa fazer muitas mais vezes na t v ou fora dela.
    um grande bem-haja pela partilha.
    e um grande beijinho

    Responder
  3. Helena Sacadura Cabral

    Meu querido Manuel
    Como sempre brilhante, incisivo e directo sem medo das palavras.
    Todos nunca seremos muitos para adoptar esta causa comum!
    Abraço da Helena

    Responder
  4. Raquel Silva

    Parabéns no texto diz tudo, muito elucidativo. Concordo com a luta de audiências por vezes
    ultrapassam-se para ver quem chega primeiro e os assuntos para ajudar pessoas que a infor
    mação só chega na caixinha mágica, nunca se apercebem dos seus direitos. Obrigada pela sua
    luta diária, também com a violência doméstica.
    Bjnho
    Raquel

    Responder
  5. Berta Veiga

    Oh meu querido amigo que tanto adoro,isso é tudo muito bonito mas não passa disso mesmo!sabe que no dia a seguir a ter falado no programa,veio cá o médico de família ver a minha mãe eu falei-lhe dos cuidados paliativo e se poderia inserir a minha mãe neles ,ao que ele me responde:isso é para pessoas mais dependentes que a sua mãe….mais???perguntei eu com um ar aparvalhado e voltei a repetir….mais???ora bolas!a minha mãe precisa de cuidado continuado!tem epilepsia,diabetes,hipertensão,insuficiência cardíaca,demecia vascular cerebral por múltiplos AVC´S e ainda querem mais??apenas não está acamada porque luto por isso TODOS os meus dias sem ter sábados ,domingos ou feriados!mas é da cama para o sofá e do sofá para a cama!e ele responde-me aquilo.É mesmo isso!é tudo muito bonito mas na teoria porque na prática,continua a ser apenas para acamados,com feridas e mesmo para o FIM de vida :(

    Responder
  6. margarida ramos

    Amigo Goucha

    Mais uma vez encantada com o seu comentário.perfeito como já nos habituou

    Parabéns por ser quem é Sábio Inteigente são tantos os adjetivos que não preciso enumerar

    Um abraço de quem muito o admira
    margarida

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *